Atraso faz com que Great Wall Motor corte investimento na Índia, diz relatório | Notícias da indústria automobilística

Três fontes disseram à Reuters que a Great Wall Motor decidiu realocar parte de seu investimento de US $ 1 bilhão na Índia para o Brasil, onde a montadora chinesa está nervosa com o atraso de um ano em obter as aprovações do governo.

Fontes com conhecimento direto do assunto disseram que a Great Wall atribuiu a James Yang, presidente da Índia desde o ano passado, a responsabilidade de auxiliar nas operações no país latino-americano.

A realocação, que pode chegar a US $ 300 milhões, ocorre quando fontes afirmam que a fabricante de veículos utilitários esportivos (SUVs) e picapes está prestes a adquirir uma antiga fábrica da Daimler no Brasil para a fabricação de carros.

Explicando a justificativa para a mudança de foco, uma das fontes disse: “O negócio com o Brasil está quase fechado e não fazia sentido manter o dinheiro retido para a Índia.”

As fontes disseram que a mudança da Grande Muralha é uma consequência da decisão da Índia em abril de 2020 de examinar de perto os investimentos da China, como parte de uma repressão que se seguiu a um confronto de fronteira entre os dois gigantes asiáticos.

Há apenas dois meses, em meio à fanfarra do salão bienal do automóvel da Índia, a Great Wall disse que investiria US $ 1 bilhão para construir carros lá, comprando uma antiga fábrica da General Motors, além de fabricar baterias e peças automotivas.

Duas fontes disseram que o dinheiro realocado, que a Grande Muralha destinou à Índia desde 2020, teria sido usado principalmente para comprar a fábrica da GM, um custo que as fontes haviam estimado anteriormente em cerca de US $ 300 milhões.

A Grande Muralha não quis comentar. O governo indiano não respondeu imediatamente a um e-mail solicitando comentários.

READ  Advantagewon Oil Corp. Renomeada para StarVolt Innovations Corp. Carlos Brasil, especialista em logística global, foi nomeado CEO

aumento do nervosismo

A medida destaca a crescente tensão e impaciência entre os investidores chineses, que viram cerca de 150 propostas de investimento no valor de mais de US $ 2 bilhões devido ao lento processo de aprovação da Índia, de acordo com estimativas do setor.

Os atrasos estão levando a Great Wall, que deveria começar a vender sua marca Haval SUV feita na Índia no país este ano, a considerar uma abordagem mais comedida.

Uma das fontes disse que pode considerar entrar no mercado com um carro importado totalmente feito antes de iniciar a produção local.

“Quando as aprovações vierem na Índia, a Grande Muralha estará pronta com o dinheiro, mas pode não ser mais uma decisão explícita”, disse a fonte.

“A empresa vai julgar a situação antes de seguir em frente. E se as aprovações futuras forem interrompidas?”

Sem negócios como de costume

No início deste ano, a Índia foi definida para liberar cerca de 45 ofertas de investimento da China, principalmente em manufatura, mas não estava imediatamente claro quantas propostas foram aprovadas.

No entanto, as autoridades indianas dizem que a situação não pode voltar aos negócios normais até que a escalada na fronteira termine.

Uma segunda fonte disse que a montadora chinesa também vai esperar que os dois países melhorem as relações e aliviem a pandemia de COVID-19 na Índia antes de acelerar seus planos para o mercado.

A fonte acrescentou que a Great Wall ainda deseja fabricar carros na Índia e agora está construindo sua própria cadeia de suprimentos.

A empresa viu a Índia como um grande mercado quando iniciou sua expansão global, prevendo que sua fábrica no subcontinente indiano seria a maior fora da China.

READ  O desmatamento não está ajudando os agricultores no Brasil. Então, o que pode acontecer?

A Great Wall agora fabrica carros na Rússia e na Tailândia, onde assumiu uma fábrica assim que anunciou seus planos na Índia.

O mais recente mercado em sua corrida global, disseram as fontes, é o Brasil, que planeja construir sua marca Haval de SUVs para venda e exportação localmente.

A Great Wall, que vendeu 1,1 milhão de veículos no ano passado, principalmente na China, está de olho em um plano agressivo de expansão para os mercados asiático, europeu e latino-americano.

Ela desenvolve pequenos carros elétricos com a BMW e está construindo uma fábrica com a montadora alemã de carros de luxo na China.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *