As trágicas enchentes do Brasil deveriam colocar a adaptação climática no topo das agendas do G20 e da COP

Novo Atlântico

14 de maio de 2024 • 17h34 horário do leste dos EUA

As trágicas enchentes do Brasil deveriam colocar a adaptação climática no topo das agendas do G20 e da COP

por
Valentina é extrovertida

Nas últimas duas semanas, o estado mais meridional do Brasil, o Rio Grande do Sul, foi vítima do pior desastre climático da sua história moderna. Foi atingida por fortes chuvas, cinco meses de chuvas normais Ele cai Em apenas quinze dias em algumas áreas. Cidades e vilas ainda estão submersas e a chuva continua. Pelo menos 147 pessoas Possui Ele morreu, outras cem pessoas estavam desaparecidas e mais de meio milhão foram deslocados, afetando mais de dois milhões de pessoas no estado. As inundações em curso no Rio Grande do Sul são um exemplo infeliz da necessidade urgente de os países se concentrarem em medidas de adaptação às alterações climáticas. O Brasil tem uma oportunidade única de levar adiante esses compromissos porque sedia a cúpula dos líderes do G20, em novembro, e a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, também conhecida como COP30, em 2025.

As condições climáticas severas não são um fenômeno novo para o estado, que registrou chuvas recordes nos últimos anos. Uma tragédia esperada As enchentes no Rio Grande do Sul são a quarta crise climática do país Ele arrasa estado em menos de um ano. No final de 2023, Rio Grande do Sul opinião É uma situação semelhante, quando uma onda de calor exacerbou fortes tempestades e grandes inundações.

A região é vulnerável a catástrofes relacionadas com o clima e as actuais inundações têm sido associadas ao fenómeno climático periódico El Niño. Nas últimas décadas, a capital do estado passou a ser Porto Alegre adaptação Controlar a extensão do impacto das fortes chuvas na cidade. No entanto, as infra-estruturas existentes devem ser actualizadas para responder à nova realidade de fenómenos meteorológicos extremos, que estão a tornar-se mais graves devido às alterações climáticas. Será crucial conceber instrumentos financeiros adequados para infraestruturas resilientes com o apoio de instituições financeiras internacionais e locais.

READ  Cristiano Ronaldo bate novo recorde de número de gols com Portugal

A extensão deste desastre é enorme. Para se ter uma ideia, cerca de 90% dos 497 municípios do Rio Grande do Sul foram afetados por chuvas e inundações. Os brasileiros suportam o impacto direto dessas inundações, inclusive na sua economia. Haverá também implicações para o comércio global e a segurança alimentar nas próximas semanas e meses.

O Rio Grande do Sul é um importante estado do Brasil. Representa 6% do PIB do país e é o quinto maior PIB estadual do país. a Principal É um estado agrícola comercial, responsável por 70% da produção de arroz do Brasil. É um importante produtor de soja – da qual o Brasil é um grande produtor e exportador – e um importante país produtor de carne. Enquanto a chuva continua a cair no Rio Grande do Sul, não muito longe dali, os agricultores de outras partes do Brasil sofrem com a seca do inverno.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, estima que o plano de reconstrução de anos custará algum dinheiro. Dezenove bilhões de riais (cerca de US$ 3,7 bilhões) serão necessários em seu estado. Os investimentos e os seguros do sector privado podem desempenhar um papel crucial no apoio à recuperação da região, na implementação de medidas de adaptação e na construção da resiliência das comunidades afectadas. Este nível de apoio agora será fundamental para limitar perdas futuras e capturar os enormes benefícios económicos, sociais e ambientais do investimento na adaptação e na resiliência. De acordo com uma estimativa recente, cada dólar investido em resiliência e adaptação pode gerar até… Doze dólares Em benefícios econômicos.

Os governos locais e federais devem assumir a responsabilidade de colocar a adaptação climática no centro dos seus planos estratégicos e esforços de desenvolvimento. Os países devem dar prioridade a planos de investimento em adaptação e resiliência que mobilizem estrategicamente o investimento do sector privado e garantam a capacidade dos governos subnacionais e das comunidades locais de acederem a seguros e financiamento para adaptação e construção de resiliência. O Brasil está em uma posição única para fazer isso. Com as eleições municipais brasileiras em outubro, este é um momento crucial para os brasileiros institucionalizarem os esforços de mitigação e adaptação às mudanças climáticas como parte das agendas dos governos locais.

READ  O sector do turismo em expansão em Portugal estabelece um novo recorde de receitas

A nível geopolítico, a cimeira dos líderes do G20 no Rio de Janeiro, em Novembro, será uma oportunidade para o Brasil avançar com a sua agenda de adaptação climática e obter apoio e financiamento das maiores economias do mundo. A trigésima sessão da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP30) em Belém, Brasil, em 2025, representa outra oportunidade desse tipo. O local da COP 30, localizado na floresta amazônica no norte do Brasil, foi escolhido em parte para mostrar o papel da biodiversidade, da sustentabilidade e da conservação na ação climática. As inundações no sul do país serão um lembrete trágico da importância da adaptação, que também é fundamental para a agenda climática.


Valentina Sader é vice-diretora do Centro Adrienne Arsht para a América Latina do Atlantic Council, onde lidera o trabalho do Centro sobre o Brasil, igualdade de gênero e diversidade, e gerencia o Conselho Consultivo do Centro.

Leitura aprofundada

Imagem: Uma visão de drone mostra o centro de uma cidade inundada após a evacuação de pessoas em Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, 5 de maio de 2024. REUTERS/Renan Matos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *