Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

Primeira-dama da Ucrânia explica em detalhes o impacto da guerra em sua família

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e sua esposa Olena Zelensky assistem ao funeral do primeiro presidente da Ucrânia Leonid Kravchuk, em Kiev, Ucrânia, em 17 de maio de 2022.

Viatcheslav Ratynsky | Reuters

A primeira-dama da Ucrânia, Olena Zelenska, descreveu o impacto da guerra em sua família, dizendo que eles foram basicamente dilacerados como grande parte da nação. De acordo com o Washington Post.

Zelenska e o presidente Volodymyr Zelensky sentaram-se para uma entrevista conjunta de televisão com a ICTV, tornando-se apenas a segunda vez que os dois aparecem juntos desde o início da invasão, relata o Washington Post.

“Nossa família foi dilacerada, como qualquer outra família ucraniana”, disse Zelenska. “Ele vive seu trabalho. Não o vemos há dois meses e meio.”

Zelenska manteve um perfil discreto desde o início da guerra. Ela fez sua estréia pública no início deste mês, quando conheceu a primeira-dama dos Estados Unidos, Jill Biden, na Ucrânia. Zelenski avisar em fevereiro Que ele era o “Alvo No. 1” da Rússia e que sua família era o “Alvo No. 2”.

Leia a reportagem completa do The Washington Post aqui.

– Jéssica Burshinsky

O ministro dos Transportes disse que as sanções “violaram praticamente toda a logística” na Rússia

O ministro dos Transportes, Vitaly Savelyev, disse que as sanções ocidentais contra a Rússia prejudicaram as rotas de logística comercial em todo o país, segundo a agência estatal de mídia TASS.

“As sanções impostas à Federação Russa hoje romperam praticamente todos os (corredores) logísticos em nosso país. Somos obrigados a buscar juntos novos corredores logísticos”, disse.

– Natasha Turak

Rússia pressiona ofensiva no Donbass enquanto líder polonês visita Kiev

O presidente polonês Andrzej Duda visita Borodinka, enquanto a ofensiva da Rússia na Ucrânia continua, na região de Kiev, Ucrânia, em 13 de abril de 2022. A foto foi tirada em 13 de abril de 2022.

Presidência polaca | Reuters

A Rússia continuou sua ofensiva na região de Donbass, no leste da Ucrânia, no domingo, quando o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse que o resultado de um conflito violento determinaria se o destino de seu país cairia nas mãos do Ocidente ou sob o controle de Moscou.

Depois de declarar o controle total de uma extensa siderúrgica à beira-mar que era o último reduto defensivo na cidade portuária de Mariupol, os militares russos lançaram ataques de artilharia e mísseis no centro industrial da Ucrânia, buscando expandir o território controlado por separatistas apoiados por Moscou desde 2014.

Em um discurso de vídeo no sábado à noite à nação, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky chamou a situação em Donbass de “realmente difícil”, mas “o fato de podermos dizer isso no 87º dia de uma guerra total contra a Rússia é uma boa notícia. .”

“Cada dia que os defensores removem e interrompem esses planos ofensivos da Rússia, é uma contribuição tangível para a aproximação do dia principal. O dia desejado pelo qual todos ansiamos e lutamos: o Dia da Vitória”, disse Zelensky. .

Os comentários de Zelensky vieram enquanto o presidente polonês se preparava para se encontrar com ele para apoiar a meta da Ucrânia de se tornar candidata à adesão à UE, uma questão que deve ser decidida em uma cúpula da UE no final de junho.

READ  Príncipe Charles faz o discurso da rainha pela primeira vez

Enquanto o Ocidente apoia a Ucrânia, o presidente polonês Andrzej Duda fez uma visita não anunciada a Kiev e no domingo se tornou o primeiro líder estrangeiro a falar no parlamento da Ucrânia desde o início da guerra.

Agência de notícias

Prefeito alerta que Mariupol está à beira de um desastre de saúde e saneamento

Uma vista aérea do distrito central da cidade portuária de Mariupol em 18 de maio de 2022, em meio à contínua ação militar russa na Ucrânia.

Andrey Borodulin | Agence France-Presse | Imagens Getty

A cidade devastada de Mariupol está à beira de uma grande crise de saúde, devido ao enterro raso de pessoas deixadas pelas forças russas em valas comuns, clima quente, sistemas de esgoto em colapso e chuvas de verão, disse o prefeito devastado de Mariupol, Vadim Boychenko.

“Além da catástrofe humanitária causada pelos ocupantes e colaboradores (russos), a cidade está à beira de um surto de doenças infecciosas”, escreveu Boychenko no aplicativo de mensagens Telegram. Ele alertou que as fontes de água também podem estar contaminadas e instou as forças russas a permitir que os moradores deixem a cidade com segurança.

Mariupol testemunhou alguns dos piores sofrimentos humanos de qualquer cidade da Ucrânia e foi completamente sitiada pelas forças russas desde o início de março. Sua localização estratégica como uma cidade portuária do sul a torna um alvo principal para a Rússia, pois fornecerá uma fronteira terrestre entre a Crimeia, que a Rússia anexou em 2014, e os territórios apoiados pelos separatistas russos no leste.

Autoridades ucranianas dizem que a cidade outrora próspera, com uma população pré-guerra de 500.000 habitantes, foi “varrida do mapa”.

– Natasha Turak

Zelensky diz que Rússia proibiu exportação de 22 milhões de toneladas de alimentos

O presidente ucraniano, Zelensky, alertou para uma crise alimentar na esteira da crise energética, pois as forças e os ataques russos continuam impedindo seus portos, dos quais são feitas exportações vitais de produtos agrícolas para o resto do mundo.

“A comunidade internacional deve ajudar a Ucrânia a abrir seus portos marítimos, caso contrário, uma crise energética será seguida por uma crise alimentar e muitos outros países enfrentarão”, disse Zelensky.

“A Rússia fechou quase todos os portos e todas as oportunidades marítimas, por assim dizer, para a exportação de alimentos – grãos, cevada, girassol e muito mais. Muitas coisas.”

Ele alertou que “haverá uma crise no mundo”. “A segunda crise depois da crise energética provocada pela Rússia. Agora vai criar uma crise alimentar se não desbloquearmos as estradas para a Ucrânia e não ajudarmos os países da África, Europa e Ásia que precisam desses alimentos.”

Antes da guerra, mais de 95% das exportações totais de grãos, trigo e milho da Ucrânia eram enviadas através do Mar Negro, e metade dessas exportações foi para países do Oriente Médio e Norte da África. A região já enfrenta uma grave inflação de preços de alimentos e escassez de alimentos.

– Natasha Turak

Presidente polonês visita Kiev para discursar na Verkhovna Rada

O presidente polonês Andrzej Duda está em Kiev para discursar na Verkhovna Rada, a Verkhovna Rada, o primeiro chefe de Estado estrangeiro a fazê-lo desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Seu gabinete disse em comunicado que Duda chegou à capital no sábado e “fará o discurso como o primeiro chefe de um país estrangeiro desde o início da guerra”. A Polônia tem sido um firme defensor da Ucrânia desde o início da guerra e recebeu quase 3,5 milhões de refugiados ucranianos, mais da metade do êxodo em massa total do país até o momento.

– Natasha Turak

Acredita-se que a única unidade russa de veículos de apoio a tanques Terminator esteja em Donbass: o Ministério da Defesa britânico

O Ministério da Defesa britânico acredita que a única empresa operacional russa de veículos de apoio a tanques BMP-T Terminator provavelmente foi implantada em Severodonetsk, no Donbass, no leste da Ucrânia, onde as forças russas estão concentrando fortemente ataques para ganhar território.

O ministério disse em um tweet no Twitter, que o uso desses veículos indica que um órgão chamado Agrupamento Central de Forças (CGF) faz parte do ataque, por ser a única formação que possui esses veículos. “A Força Aérea Canadense anteriormente sofreu pesadas perdas enquanto não conseguiu penetrar no leste de Kiev na fase inicial da invasão”, disse a última atualização diária de inteligência do departamento.

“A região de Severodonetsk continua sendo uma das prioridades táticas imediatas da Rússia. No entanto, com um máximo de dez Terminators implantados, é improvável que tenha um impacto significativo na campanha”, acrescentou.

– Natasha Turak

Enquanto a Rússia aumenta a pressão por Donbass, Ucrânia descarta cessar-fogo

A Ucrânia descartou um cessar-fogo ou concessões a Moscou, já que a Rússia intensificou sua ofensiva na região leste de Donbass e interrompeu o fornecimento de gás para a Finlândia.

Depois de encerrar semanas de resistência dos últimos combatentes ucranianos na estratégica cidade de Mariupol, no sudeste, a Rússia está lançando o que parece ser uma grande ofensiva em Luhansk, uma das duas províncias de Donbass.

Os separatistas apoiados pela Rússia já estavam no controle de faixas de território em Luhansk e na região vizinha de Donetsk antes da invasão de 24 de fevereiro, mas Moscou quer tomar o último território remanescente controlado pela Ucrânia no Donbass.

“A situação no Donbass é muito difícil”, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky em seu discurso noturno. Ele disse que o exército russo estava tentando atacar as cidades de Sloviansk e Severodonetsk, mas que as forças ucranianas estavam bloqueando seu avanço.

Mais cedo, Zelensky disse à televisão local que, embora os combates sejam sangrentos, o fim só seria alcançado por meio da diplomacia e que a ocupação russa das terras ucranianas seria temporária.

READ  Música proibida na ilha grega de Mykonos nas novas restrições do COVID-19

O conselheiro de Zelensky, Mikhailo Podolak, descartou concordar com um cessar-fogo e disse que Kiev não aceitará nenhum acordo com Moscou que inclua concessões territoriais. Ele disse que fazer concessões seria um tiro pela culatra para a Ucrânia porque a Rússia responderia com mais força após qualquer pausa nos combates.

“A guerra não vai parar (depois das concessões). Vai parar por um tempo”, disse Podolyak, o principal negociador da Ucrânia, à Reuters em uma entrevista em um gabinete presidencial fortemente vigiado.

“Eles iniciarão um novo ataque, que será mais sangrento e extenso.”

Reuters

Biden twitta vídeo de assinatura de pacote de ajuda de US$ 40 bilhões para a Ucrânia em meio a visita à Coreia do Sul

Presidente Joe Biden Ele twittou um vídeo dele assinando legislação autorizando Mais US$ 40 bilhões em ajuda dos EUA à Ucrânia em sua guerra contra a Rússia.

Biden aprovou o aumento da ajuda, que o Congresso aprovou por maioria esmagadora nesta semana, durante sua visita de Estado a Seul, na Coreia do Sul.

“Este projeto de lei nos permitirá continuar enviando assistência de segurança, econômica e humanitária ao povo da Ucrânia, enquanto eles continuam defendendo sua democracia e liberdade”, disse um tuíte da conta oficial de Biden no Twitter na Casa Branca.

Biden também assinou durante sua visita a Lei de Acesso ao Leite Infantil, projetada para aliviar a escassez nacional de fórmulas nos Estados Unidos.

Um funcionário da Casa Branca disse à NBC News que ambas as faturas foram enviadas para a Coreia do Sul por um funcionário do governo dos EUA em um avião comercial que já planejava voar para a Ásia para tarefas relacionadas ao trabalho.

– Dan Mangan

Trump não está na lista de americanos proibidos da Rússia, incluindo Biden e Harris

O ex-presidente Donald Trump fala com seus apoiadores durante um comício na I-80 Speedway em 1º de maio de 2022 em Greenwood, Nebraska. Trump apoia Charles Herbster na corrida para governador de Nebraska.

Scott Olson | Imagens Getty

A Rússia divulgou no sábado uma lista Quase 1.000 americanos estão permanentemente impedidos de entrar no país. Uma medida provavelmente em resposta às sanções impostas ao país após a invasão da Ucrânia em fevereiro.

A lista inclui o presidente Joe Biden, a vice-presidente Kamala Harris, Mark Zuckerberg do Facebook, Hillary Clinton e George Soros. Ele também nomeia 211 republicanos e 224 democratas da Câmara e do Senado.

Há também algumas omissões notáveis. O ex-presidente Donald Trump e Mike Pence, que atuou como vice-presidente, não foram incluídos. O ex-presidente Barack Obama também não está na lista.

Um porta-voz de Trump não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Consulte Mais informação aqui.

– Carmem Renick

Leia a cobertura ao vivo anterior da CNBC aqui:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.