Portugal promete cortes na dívida à medida que custos de empréstimos disparam

O ministro das Finanças de Portugal prometeu tirar seu país da “plataforma” das três economias mais endividadas da Europa para proteger famílias e empresas do impacto do aumento das taxas de juros.

Fernando Medina disse que é necessário reduzir a dívida pública do país mais rapidamente – a mais alta da zona do euro depois da Grécia e da Itália – para evitar que o aumento dos custos de empréstimos do governo afete a economia em geral.

“Diante da inflação crescente, sinais claros de desaceleração na Europa Central e Oriental e a perspectiva de taxas de juros mais altas, não podemos nos dar ao luxo de introduzir um fator de risco adicional”, disse ele a repórteres estrangeiros.

A dívida prometeu tornar a redução da dívida um “objetivo estratégico” após um forte aumento nos spreads da dívida do governo na zona do euro, enquanto o Banco Central Europeu se prepara para introduzir aumentos nas taxas de juros já em julho.

Em reuniões separadas com a mídia estrangeira e economistas no final da semana passada, Medina enfatizou que o alívio da dívida teria um impacto positivo nos bancos, empresas e famílias em um momento de incerteza global causada pela guerra na Ucrânia e gargalos na cadeia de suprimentos na China.

O seu objetivo é apoiado por Mario Centeno, Governador do Banco de Portugal, que na mesma conferência de economistas referiu-se à previsão do Fundo Monetário Internacional de que o rácio da dívida pública em relação ao PIB de Portugal seja inferior ao de França, Espanha e Bélgica até 2025 O caminho determinará o sucesso da economia portuguesa.

O governo ainda não estabeleceu metas específicas para a dívida este ano, mas o Fundo Monetário Internacional espera que a relação dívida/PIB de Portugal caia de 127,5% em 2021 para 104,5% em 2027.

READ  Espere a seringa de reforço encurtar

Economistas veem o controle dos gastos públicos como o maior desafio, com Centeno alertando que o aumento significativo nas contratações do setor público nos últimos dois anos não pode ser atribuído à pandemia. No entanto, um grande afluxo de fundos de recuperação da UE reduzirá significativamente o custo do investimento público a médio prazo.

Após atrasos causados ​​por eleições antecipadas em janeiro, espera-se que o parlamento dê a aprovação final nesta semana ao orçamento do governo para 2022, que visa reduzir a relação dívida/PIB para 120,7%. Centeno pediu que a redução da dívida continue sendo uma das metas dos “próximos cinco orçamentos”.

Em linha com outros países da UE, Portugal viu os rendimentos da dívida de curto prazo passarem de negativos para positivos em cerca de dois meses. “Os retornos aumentaram mais rápido do que o esperado”, disse Philip Silva, diretor de investimentos do Banco Carregosa. “Em dezembro, a maioria dos analistas esperava que levaria um ano para eles se moverem tanto quanto já fizeram.”

O spread do rendimento dos títulos do Tesouro italiano de 10 anos contra a Alemanha, que é visto como uma referência de risco econômico e político na zona do euro, subiu para mais de 200 pontos-base. Entre os países da zona do euro endividados, disse Silva, Portugal conseguiu se distanciar da Itália. Sua prevalência contra a Alemanha é de cerca de 120 pontos base, próxima à da Espanha.

A determinação renovada do governo socialista de buscar a prudência fiscal ocorre após anos de progresso constante na redução da dívida pública interrompida pela pandemia.

Quando o Covid-19 chegou, “a montanha da dívida começou a subir novamente”, disse Medina. Em 2020, a dívida em relação ao PIB atingiu um recorde de 135,2%.

READ  Os CTT - Correios De Portugal, SA (ELI: CTT) criam valor para o acionista?

As medidas de austeridade que Portugal sofreu durante a crise da dívida soberana europeia há mais de uma década também lançaram uma longa sombra, tornando a cautela fiscal uma prioridade para muitos eleitores, segundo pesquisas, bem como políticos.

As ambições de Medina de reduzir a dívida foram sustentadas por uma forte recuperação da pandemia. A Comissão Européia espera um crescimento anual do PIB de 5,8% este ano, a taxa mais alta da União Européia.

O ministro disse que Lisboa também está em plena conformidade com as regras de déficit e dívida do bloco, e pretende continuar assim, apesar de estar suspensa por mais um ano.

“A meta é positiva, mas precisaremos ver resultados”, disse Silva. “O verdadeiro teste será conter os gastos públicos.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.