Uigures chineses: Parlamento holandês se torna o segundo em uma semana a acusar Pequim de genocídio em Xinjiang

Ativistas e especialistas em direitos da ONU dizem que pelo menos um milhão de muçulmanos estão detidos em campos na remota região oeste de Xinjiang. Ativistas e alguns políticos ocidentais acusam a China de usar tortura, trabalho forçado e esterilização.

A China nega qualquer violação dos direitos humanos em Xinjiang e diz que seus campos oferecem o treinamento profissional necessário para combater o extremismo.

E a proposta holandesa afirmava que “um genocídio da minoria uigur está ocorrendo na China”, parando diretamente de dizer que o governo chinês é o responsável.

A embaixada chinesa em Haia disse na quinta-feira que qualquer indício de genocídio em Xinjiang era “uma mentira descarada” e que o parlamento holandês “manchou deliberadamente a reputação da China e interferiu abertamente nos assuntos internos da China”.

Canadá aprovou uma decisão de marcação não vinculativa O tratamento dado aos uigures pela China Genocídio no início desta semana.

A proposta holandesa afirma que as medidas tomadas pelo governo chinês, como “medidas destinadas a prevenir nascimentos” e “criação de campos penais”, se enquadram na Resolução 260 da ONU, comumente conhecida como Convenção do Genocídio.

O partido conservador do primeiro-ministro Mark Rutte votou contra a decisão.

‘Grande preocupação’

O secretário de Estado Steve Block disse que o governo não quer usar o termo “genocídio”, já que a situação não foi declarada como tal pelas Nações Unidas ou por um tribunal internacional.

“A situação dos uigures é de grande preocupação”, disse Block a repórteres depois que a proposta foi aprovada, acrescentando que a Holanda espera trabalhar com outros países nesse sentido.

O autor da proposta, o legislador Chord Shurdsma, do partido centro-esquerda D-66, sugeriu separadamente pressionar o Comitê Olímpico Internacional para retirar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 de Pequim.

READ  O número de mortes por vírus na Índia ultrapassou 300.000, o terceiro maior do mundo

“Reconhecer as atrocidades que estão ocorrendo contra os uigures na China pelo que eles são, isto é, genocídio, impede o mundo de olhar para o outro lado e nos força a agir”, disse ele à Reuters em resposta por e-mail a perguntas.

Em nota em seu site, a embaixada chinesa em Haia disse que o número de uigures em Xinjiang tem crescido nos últimos anos e que eles estão desfrutando de um padrão de vida mais elevado e de uma vida média mais longa.

“Como você chamaria isso de genocídio?” Ele disse. “As questões relacionadas a Xinjiang nunca são sobre direitos humanos, raça ou religião. Em vez disso, são sobre o combate ao terrorismo violento e ao separatismo.”

O embaixador chinês nas Nações Unidas em Genebra acusou as potências ocidentais na quarta-feira de usar a questão uigur para interferir nos assuntos internos de seu país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.