Turnê de Taylor Swift destaca negligência em relação a grandes eventos no Brasil

“Não sei qual será meu objetivo na vida depois de ver Taylor.” Ele disse Ana Clara Benevides no X (antigo Twitter), dez dias antes da pop star americana Taylor Swift iniciar seus shows de três dias no Rio de Janeiro, de 17 a 19 de novembro.

Dona Benevides viajou mais de 1.700 quilômetros desde sua cidade natal, no estado de Mato Grosso do Sul, e chegou cedo pela manhã ao Estádio Olímpico Nilton Santos, no Rio de Janeiro, onde foi realizado o show.

Durante o ato de abertura desta noite, “Miss Americana and The Heartbreak Prince”, a Sra. Benevides e sua prima se abraçaram. Foi um sonho tão esperado que se tornou realidade. Mas durante a segunda música, “Cruel Summer”, ela caiu no chão, inconsciente.

Poucos minutos depois, as equipes médicas confirmaram que a senhora Benevides havia falecido após sofrer uma parada cardíaca. de acordo com Relatório forense inicial, Ela havia sofrido uma hemorragia pulmonar. Mais exames estão sendo realizados para determinar a causa da morte. A senhora Benevides não tinha doenças pré-existentes e os especialistas dizem que a causa mais provável da sua morte foi uma reação à temperatura extrema.

Em uma forte onda de calor que viu as temperaturas subirem em média 5 graus Celsius, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, os termômetros no Rio de Janeiro ultrapassaram 40 graus Celsius no dia da estreia de Taylor Swift. O índice de temperatura dentro do estádio ficou próximo de 60 graus Celsius. De acordo com pesquisador de condições meteorológicas extremas Maximiliano Herrera, Este foi o “índice mais alto” da história das Américas.

READ  Economia argentina caiu 1% ao mês em fevereiro - Indec
Os fãs de Taylor Swift ficaram horas sob o sol quente. Fotografia: Eduardo Anizelli/Fulhapress

Torcedores dentro do estádio disseram que as saídas de ventilação foram cobertas para que quem estava do lado de fora não pudesse assistir gratuitamente à cerimônia. Uma placa de metal foi instalada perto da grade do palco para proteger a grama, mas criou um inferno que queimou os espectadores. Os fogos de artifício usados ​​durante a apresentação da cantora transformaram o estádio em uma fornalha.

Para piorar a situação, a Time for Fun (T4F), empresa que realiza o evento, proibiu os torcedores de entrar no prédio com garrafas de água. Copos plásticos com capacidade não superior a 200 mililitros foram vendidos por 8 reais (1,64 dólares americanos), quatro vezes o preço normal. A certa altura, Taylor Swift interrompeu o show sozinha Entrega de água Para as massas.

Mais de mil pessoas foram infectadas pela doença.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *