Tite promete dançar durante a Copa do Mundo em homenagem à cultura do futebol brasileiro

Se o Brasil voltasse a conquistar o mundo, seria como reis dançantes. Se ao longo das décadas os Silicao se tornaram a personificação do talento e do dinamismo com a bola nos pés, a vontade de se expressar quando a bola está na rede atraiu críticas até agora na Copa do Mundo. Se o chute de Richarlison contra a Sérvia poderia ser o gol do torneio, o quádruplo do Brasil contra a Coreia do Sul ficou mais famoso pelos exercícios de rotina que se seguiram, certamente em meio a uma das polêmicas desnecessárias relacionadas aos eventos no Catar.

A Copa do Mundo pode ser um lugar onde as culturas do futebol se encontram. O Brasil tende a ser aclamado por seu apelo estético e fator de entretenimento, embora não de um irlandês particularmente mal-humorado cujos comentários se tornaram globais. A reação previsível e o julgamento severo de Roy Keane foram, sem surpresa, adaptados para uma audiência de televisão no Reino Unido, mas chegaram às manchetes no Brasil. O recado do diretor Titi era que o lado dele – e até ele – continuaria dançando. Kane e outros assassinos como ele podem estar interpretando mal a psique do Brasil. Certamente, os favoritos da Copa do Mundo não acham que sua capacidade de desfrutar de gols se desvie de suas tentativas de vencê-los ou mostre qualquer desrespeito pelos adversários.

“Nós dançamos quando um gol é marcado porque é a cultura brasileira”, disse Tite. “Não é desrespeitoso, é assim que fazemos as coisas como cultura… continuaremos a fazer as coisas do nosso jeito.”

READ  O mais recente drama instigante da Netflix - Designers

Sua participação nas festividades mostrou uma conexão com seus jogadores. Sua carreira como técnico, que remonta a 1990, se estende além da maior parte de sua carreira, com a notável exceção dos jogadores aposentados Thiago Silva e Dani Alves, mas parte da habilidade de Tite está em sua capacidade de construir relacionamentos com essas quatro décadas em que foi um júnior. . .

“Acho que esta é uma conexão que tenho com a geração mais jovem”, disse ele. “Tenho 61 anos e trabalho com jogadores de 21 ou 22 anos; podem ser meus netos e tenho uma ligação com eles. E se tiver que escolher entre os que me conhecem e os que não, claro que Vou escolher aqueles que me conhecem e se eu tiver que dançar para me conectar com eles, continuarei dançando.”

Tete fez o ponto válido de que ele tem diferentes classes de eleitores. O gerente de um país louco por futebol com mais de 200 milhões de pessoas fica automaticamente sob pressão. Mas Tite disse que seus torcedores têm a compreensão necessária das características do futebol do país.

“Não vou fazer comentários para quem não conhece a história brasileira, a cultura brasileira e o jeito de viver de cada um de nós, deixo esse barulho de lado. Quero minha ligação com o meu trabalho, com aqueles com quem me associo: esses são os pessoas a quem dou meu coração e com quem me preocupo.”

Falar Titi conscientemente faz parte de algo maior; O legado futebolístico do time de maior sucesso na história da Copa do Mundo se estende além de qualquer indivíduo. Os diretores definitivamente sentem as subtramas. Os times brasileiros costumam ter jogadores, de Pelé a Neymar, passando por Garrincha, Jairzinho, Zico, Romário, Ronaldo, Ronaldinho, Rivaldo e Kaká. Algumas festas são mais pragmáticas do que suas predecessoras, algumas são abençoadas com menos talento mágico e nenhuma é tão celebrada quanto o conjunto repleto de estrelas de 1970, mas todos os fios perpassam.

READ  O que a Inglaterra pode aprender críquete com a seleção feminina brasileira?

“Este não é o meu time, é a Seleção Brasileira”, disse Tite. “A identidade do futebol brasileiro não sou eu. Começou há muito tempo com comunidades desesperadas treinando meninos para que produzissem um bom futebol mesmo com todos os riscos envolvidos. Enfrentamos desafios e críticas, mas esse é o futebol em que acreditamos.”

Titi dança com Richarlison e seus compatriotas brasileiros

(Reuters)

A equipe de Tite marcou apenas três gols na fase de grupos antes de marcar quatro antes do intervalo contra a Coreia do Sul. Isso coincidiu com o retorno de Neymar de lesão. Agora ele pode igualar o recorde de Pelé de 77 gols pela Seleção, enquanto o Brasil, que caiu nas quartas de final em três das últimas quatro Copas do Mundo, tenta vencer a Croácia e chegar apenas à sua segunda semifinal desde a quinta Copa do Mundo título. . 2002. Tite estava no comando quando deixou este palco para a Bélgica há quatro anos, mas embora ele possa se tornar apenas o sexto técnico a levá-los à glória mundial, os jogadores são mais estimados do que os treinadores. Certo sobre isso, em sua opinião.

“Quando fazemos uma pintura, toda a pintura é dos atletas. Eles são os retratados nesta pintura e nós [the coaching staff] Eles são apenas participantes, mas o tabuleiro são os próprios jogadores. Mas se a imagem final é do Brasil dançando com a Copa do Mundo, será um cara em sua sétima década tentando dançar com seus jogadores. E ele não vai se desculpar por isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *