Tia Charlie: “Brasil – de onde vêm as nozes!”

A farsa tem sido um elemento básico do teatro britânico e, por extensão, da comédia britânica de forma mais ampla. Enraizado em uma palavra francesa para recheio, ela própria descendente do latim facire (“rechear”), no século 18 o contexto culinário havia desaparecido, deixando-nos com algo aproximadamente próximo de sua definição amplamente atual: “uma peça cômica ou filme em quais personagens se envolvem em situações incomuns. Em primeiro lugar, as galas eram geralmente um longo show, uma pausa muito necessária nos épicos, muitas vezes profundamente frustrantes, aos quais o público está sujeito.

Mesmo quando o gênero se expandiu para oferecer duas ou três peças por direito próprio, os temas permaneceram os mesmos: sátira social, casamentos de conveniência, personagens amplos e reconhecíveis e humor enraizado em classe, gênero e sexualidade. quando chegar a hora tia de charlie Estreada no Theatre Royal, Bury St Edmunds em 1892, a abundante comédia de farsa bem trabalhada tornou-se uma forma amada de entretenimento.

tia de charlieA história do próprio autor Brandon Thomas é um conto maravilhoso de um “menino fazendo o bem”. Nascido em Liverpool em 1865, filho de um sapateiro, Thomas não tinha ligações com o mundo do teatro, mas mesmo assim era um dândi e, enquanto ganhava a vida como jornalista, iluminava o music hall, cantando canções. Eventualmente, ele se juntou à companhia do Sr. e da Sra. Kendall e trabalhou como ator por muitos anos, escrevendo ao mesmo tempo.

Tia de Charlie (Grande Coração). Arthur Linden (Arthur Askey). Direitos autorais: Gainsborough Pictures 1928 Limited

Embora tenha escrito ou co-escrito dezenas de outras peças, tia de charlie Thomas provaria ser o mais bem-sucedido – e o mais duradouro. Foi também um exemplo curioso de uma narrativa inventada. mundo tia de charlie Thomas não tinha nenhuma experiência direta, além de tocar piano em salas de estar de classe alta. Ele trabalha dentro dos já bem estabelecidos tropos do gênero, em vez de reconfigurar sua própria vida para a peça: seus principais protagonistas, Charlie Wickham e Jack Chesney, estudantes de Oxford com olhos para o flerte, são estereótipos. Esta é uma sobremesa delicadamente polida. A diversão está no mecanismo. É um exercício de planejamento completamente descarregado.

No centro da peça está uma exploração teatral da sexualidade. Quando a rica tia brasileira de Charlie, Doña Lucia d’Alvadorez, adia sua visita, Charlie e Jack convencem seu amigo Lord Fancourt Babberly (“Babs”) a se passar por ela, para que possam seguir em frente com uma tentativa planejada de entreter dois jovens, senhoras elegíveis. Travestis ultrajantes logo se seguem, bem como sotaques bizarros e mal-entendidos ridículos. The Importance of Being Earnest, de Oscar Wilde, que estreou três anos depois de Charlie, deve algo a ele.

É uma prova do sucesso do trabalho de Thomas que ainda está frequentemente em produção – tanto profissionalmente quanto em círculos dramáticos amadores. Não é de surpreender que adaptações para o cinema e a televisão também tenham sido tentadas, inclusive por Eric Sykes em 1979, mas com resultados mais mistos. Capturar a energia e o dinamismo de uma produção teatral na tela pode ser um desafio. O teatro enquadra o material – um espaço cativo, com um público cativo, e uma tensão que se traduz numa atmosfera quase tangível. Essa sensação intrínseca de maior contenção não pode ser facilmente recriada em filme.

Tia de Charlie (Grande Coração). Fotos mostradas da esquerda para a direita: Stinker Burton (Richard Murdoch), Arthur Linden (Arthur Askey), Albert Brown (Graham Moffat). Direitos autorais: Gainsborough Pictures 1928 Limited

Tia de Charlie (Grande Coração) é um dos mods de maior sucesso. Embora respeitoso com o material de origem, esta é uma recontagem solta. O enredo básico foi retrabalhado para mostrar a estrela, “grande coração” Arthur Askey. No filme, Arthur, Stinker e Albert são pecadores, que foram expulsos da faculdade. Donna Lucia d’Alvadorez se torna tia Lucy, e a trama gira em torno do trio tentando salvar as instalações da universidade. Ascii, ridiculamente arrastado, com um cocô incompatível saindo do canto da boca, prospera na pantomima.

Em última análise, o quanto você gosta do filme depende de sua atitude em relação ao material original vitoriano. A visão original do escritor é sagrada ou essas atualizações são maneiras legítimas de apresentar peças clássicas a um novo público? De qualquer forma, este clássico em preto e branco oferece informações valiosas sobre o filme original atemporal de Brandon Thomas e sobre a comédia britânica dos anos 1940.

READ  Mercadoria promocional do Homem-Aranha 3 com Doctor Strange, novo terno preto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *