Terry Gilliam reflete sobre Monty Python e o 'Teorema Zero'

EU“Desisti de tentar dar sentido à minha vida”, diz Terry Gilliam. “Estou apenas tentando entender o mundo em que esta vida está acontecendo.” O diretor do filme soltou uma risada estridente.

Por enquanto, o “mundo” de Gilliam está localizado no badalado restaurante do Tribeca Grand Hotel, em Manhattan, mas, como faz há décadas, o diretor continua analisando o sentido da vida no filme. Seus últimos filmes, Teorema zerofoca em um hater insatisfeito, interpretado por ele Django LivreChristoph Waltz, tentando encontrar significado na falta de sentido em um mundo surreal muito parecido com o nosso, apenas amplificado pela tecnologia. “O mundo está feliz, há locais de trabalho coloridos e as pessoas estão se divertindo e se movimentando”, diz Gilliam sobre o filme, escrito pelo professor universitário de inglês Pat Rushen. “Só há uma pessoa que tem um problema. É uma distopia para uma pessoa.

É uma nova perspectiva sobre um território familiar para o diretor, considerando que seus créditos como diretor incluem contos de fantasia impressionantes de batalhas entre humanos e mediocridade, como Brasil (1985), As Aventuras do Barão Munchausen (1988), Doze macacos (1995) e Medo e ódio em Las Vegas (1998), entre outros. Além do mais, ele é o mesmo diretor que passou os últimos 15 anos tentando fazer o filme definitivo “Eu Contra o Mundo”, O homem que matou Dom Quixote – Você pode assistir a série de contratempos fatídicos do projeto registrados no maravilhoso documentário Perdido em La Mancha (2002) – que passou a ser o próximo filme em potencial em sua programação, Knock on Wood.

Recentemente, com projetos como Teorema zero, uma reunião do Monty Python este ano e um livro de memórias que terminou recentemente, o homem de 73 anos tem pensado muito sobre o que tudo isso significa. O que ele descobriu não foi totalmente surpreendente.

Eu corrigi as pessoas ligando Teorema zero Um filme tão “distópico” Brasil. Como sua experiência fazendo filmes distópicos influenciou este filme?
“Distopia” parece uma palavra fácil de usar, porque ninguém faz filmes “utópicos”. [laughs]. Eu sabia que ele tinha algo a ver com Brasilmas apenas no sentido de que se trata de “agora”. Teorema zero Estou falando do mundo em que vivemos, que Brasil Foi isso. Não foi nada futurista. É mais fácil para mim tirar algo da contemporaneidade, porque assim posso editar as coisas. Depois de fazer um filme contemporâneo, ele precisa ser realista. E eu não quero isso [laughs].

Você vê uma conexão com Brasil Em comentários políticos?
Não existe um regime totalitário em Teorema zero. Existe um sistema institucional, e trata-se de empresas, não de governos. E isso é meio interessante, porque Brasil Na verdade, tratava-se de controle estatal e governamental. Vivemos em um mundo governado por corporações. Por que as pessoas acham que os políticos comandam o show? Eles não. Eles são um show de marionetes [laughs].

em Perdido em La ManchaVocê disse que seus filmes costumam ser sobre “realidade, fantasia, loucura e sanidade”. O que atrai você para esses tópicos com tanta frequência?
Estou tentando entender o mundo. Eu coleciono o que penso ser o mundo. Tento entender isso nos filmes, mesmo que sejam caricaturais ou grotescos. Então, toda vez que termino um filme e olho para trás, penso: “Não fiz certo”. Então eu tento novamente. É basicamente uma série de falhas na tentativa de fazer o que quero [laughs].

Você tem pensado muito nessas coisas, porque está trabalhando no seu currículo. Foi feito?
Está basicamente feito. É “semiautobiográfico”. Decidi chamá-lo de “Meu Diário”. É uma coleção de memórias, porque não está completa, minha memória está confusa. Eu estava olhando para ele outro dia e todas essas outras coisas continuavam surgindo de coisas que eu não coloquei lá, e eu não queria me incomodar. Não é importante [laughs].

O que você aprendeu sobre si mesmo ao escrever sua autobiografia?
Que eu estava fazendo muitas coisas em muitos lugares diferentes. O cara que me ajudou a montar tudo, Ben Thompson, ficou obcecado com o fato de que, nos meus primeiros dias, eu era uma espécie de personagem Zelig. Estive presente em todos os grandes acontecimentos da história [laughs]. Eu sempre parecia acabar nos lugares em momentos cruciais: como na grande marcha de Martin Luther King em Washington, eu estava lá. Festival Pop de Monterey, eu estava lá. Movimento pelos direitos civis, eu estava lá. É meio estranho. Foi mais interessante, para ele Assuma minha vida depois que eu a iniciei.

Você também refletiu recentemente sobre seu reencontro com Monty Python, embora antes de começar os ensaios você tenha descrito isso como “frustrante”.
Bem, sim, porque atrapalhou meus planos para o ano [laughs]. Eu tinha um plano muito claro para este ano. Então isso veio. Na época eu trabalhava como jornalista de uma ópera, e o entrevistador me pegou num momento em que eu estava muito estressado e cansado, então gostaram do fato de eu estar falando mal de todo o projeto.

Quando você veio?
Depois que entrei, foi ótimo. Tem sido muito legal, porque é toda noite [gasps] Foi como um show de rock 'n' roll: 16 mil pessoas na O2, nós no palco e só o público. Eu amo Ele Ela. Na verdade, foi bastante íntimo, surpreendentemente o suficiente para 16.000 pessoas. Foi como uma pequena reunião de amigos. Então acabou e, em duas semanas, foi como se nunca tivesse acontecido [laughs].

Qual foi a sensação de repetir a rotina da “Inquisição Espanhola”?
Algo como a “Inquisição Espanhola” é simplesmente bobo e divertido. Você não pode não apreciá-lo. Está ficando cada vez mais ridículo. Para mim, a única coisa que importa é que posso saltar mais alto que Mike Palin [laughs] Nas nossas entradas. Você não tem ideia de como isso é ridículo por aí. Essa foi a parte divertida. Tínhamos todos menos de 30 anos, fazíamos as coisas que fazíamos naquela época e saíamos impunes.

Para mim, o show foi apenas uma oportunidade de bancar o palhaço e ser muito bobo. Não importa o que eu faça lá. A animação foi para mim a minha verdadeira contribuição. E continuávamos dizendo que se fizéssemos esse tipo de coisa, digamos, em uma produção teatral do ensino médio, isso seria o fim da nossa carreira. As pessoas dirão: “Isso é um absurdo”. Mas acontece que somos lendas que conseguem fazer isso. Foi muito divertido.

Você falou muito sobre Graham Chapman?
Não, já dissemos o suficiente. Venha aqui. Ele tem a foto dele lá. Graham está morto há muito tempo. Somos um grupo de pessoas muito sem emoção. Mas foi bom ver o público responder cada vez que Graham aparecia na tela. “Parar!” Como se ele recebesse reações maiores do que nós. E ele está morto, seu bastardo preguiçoso [laughs]. A única maneira de superar isso é um de nós morrer no palco.

Você não quer isso.
Estou apenas bebendo para o resto da vida [laughs].

No “Brasil”, o que as pessoas não lembram é que metade do público vai embora. Agora é considerado um clássico, blá, blá, blá – besteira!

Deve ser bom encerrar um capítulo sobre Python.
Sim, tenho certeza que é isso. Acho que não faremos mais. Foi ótimo. Todos têm dinheiro suficiente agora para cobrir os próximos dois anos.

Agora você pode voltar para O homem que matou Dom Quixote.
Este é o meu plano, mas os planos não têm nada a ver com a realidade [laughs]. Veremos o que acontece. Não posso dizer nada agora, porque houve um pequeno soluço – de novo. A rocha de Sísifo que continua rolando para trás. Quando estávamos prestes a chegar ao topo da montanha… veríamos o que aconteceria. Não sou um campista feliz no momento [laughs].

Bem, por que você continua voltando para Quixote Depois de muitas tentativas fracassadas?
Ah, não sei, teimosia, burrice – realmente não sei mais. Na verdade, comecei a pensar: “Se não der certo desta vez, vou me livrar disso”. Perdi grande parte da minha vida fazendo isso. Se você vai jogar Quixote, você tem que ser tão louco quanto Quixote.

Isso acontece?
Quantos anos eu perdi? quinze? Sim, há um certo ponto. É uma espécie de insistência em ser louco e irracional. Toda pessoa sã ao meu redor diz: Fique longe dela. Mas estas são pessoas razoáveis [laughs].

voltou para teorema zero, A MPAA teve um problema com Christoph Waltz…
Vagabundo nu. Havia um teaser pôster tão lindo dele e de Mélanie Thierry flutuando no espaço, e a vista traseira dele. Era uma pequena parte do quadro; Eles não eram como “bunda na sua cara”. E agora eles proibiram porque você pode ver a bunda dele quebrar.

Esta é a sua interação mais estranha com a MPAA?
Sim, há muito tempo. Sempre que você se envolve com esses caras ou com qualquer censor, é sempre a mesma coisa. Talvez seja bom que eles tenham um emprego, porque são pessoas perigosas. Eles são todos pervertidos, estou convencido [laughs].

O que desafiou você no passado?
bater papo Foi a mesma coisa. Terry Jones é despedaçado por um monstro, você não vê. No chão, você vê sua cabeça e braços, e quando a câmera se afasta você percebe que todo o seu corpo agora é apenas um esqueleto. Foi em filetes como peixe. É só a cabeça e as mãos ainda estão lá. Ele era um caçador furtivo, e sua bolsa estava aos seus pés cheia de todos esses animais vivos, coelhos e raposas brigando e empurrando, e então uma borboleta pousou em seu nariz morto. Eles não queriam essa foto de todos os ossos. Eles queriam cortá-lo cada vez mais curto. Eu disse: quanto mais curto você corta, mais terrível fica. Você deixa de fora o comprimento e então fica engraçado. É um momento lindo e eles não conseguiam ver isso. Não entendo essas pessoas, por que fazem esse trabalho. Eles não parecem entender a vida ou o público.

As Aventuras do Barão Munchausen Estava cheio de nudez e foi classificado como PG.
Bem, se você olhar para isso, você pode pegar um mamilo de Uma [Thurman]. Eles não olharam com atenção suficiente. Todos os homens na plateia estavam olhando com atenção suficiente [laughs].

Comum

Olhando para trás, qual foi o filme mais satisfatório que você fez?
Eu realmente não penso neles dessa maneira. Cada um tem uma história diferente. Há filmes que são mais divertidos de fazer e outros que rendem muito mais dinheiro, o que me permite fazer mais filmes. Então tento não julgá-los mais.

Munchausen Eles não ganharam dinheiro, porque simplesmente jogaram fora. Medo e ódio em Las Vegas, não. No entanto, eles pareciam ter vidas infinitas agora. E o público continua e continua. Então essa é a coisa doentia. Bandidos do tempo, Rei Pescador E 12 macaco Eles foram sucessos instantâneos e foram os únicos que foram sucessos instantâneos. Outros demoraram.

A respeito Brasil?
Brasil Estará na minha lápide. eu sei que. mas com BrasilO que as pessoas não lembram é que metade do público irá embora. Agora é considerado um clássico, blá, blá, blá – tagarelice! Eles estavam saindo. Então, estou acostumado com alguns dos meus filmes não sendo apreciados na época.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *