Rússia nega esforços da Ucrânia em Bakhmut britânico para enviar mísseis de cruzeiro | Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

A Rússia negou que as forças ucranianas tenham conseguido um avanço na sangrenta batalha por Bakhmut, enquanto o Reino Unido se tornou o primeiro país a fornecer mísseis de cruzeiro de longo alcance para a Ucrânia.

A Ucrânia solicitou mísseis de longo alcance de seus aliados ocidentais por meses, mas só recebeu armas de curto alcance, pois seus apoiadores temem que armas mais avançadas possam ser usadas para atingir alvos dentro do território russo e aumentar ainda mais o conflito.

O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, disse na quinta-feira que os mísseis de cruzeiro Storm Shadow – que têm um alcance de mais de 250 km (150 milhas) em comparação com os HIMARS fornecidos pelos EUA de cerca de 80 km (50 milhas) – seriam enviados para a Ucrânia.

“Não vamos ficar parados enquanto a Rússia mata civis”, disse Wallace a membros do parlamento ao anunciar que mísseis Storm Shadow estavam sendo oferecidos a Kiev.

Wallace disse que os mísseis de cruzeiro estão sendo enviados para uso dentro do território ucraniano, o que significa que recebeu garantias de Kiev de que não serão usados ​​para atingir alvos dentro da Rússia.

O Kremlin disse anteriormente que o fornecimento de tais mísseis pelo Reino Unido exigiria uma “resposta apropriada de nossos militares”.

Na quinta-feira, o Ministério da Defesa da Rússia foi forçado a negar relatos de que as forças ucranianas estavam progredindo na luta de meses por Bakhmut.

“Declarações individuais no Telegram sobre um ‘avanço’ em vários pontos da linha de frente não correspondem à realidade”, afirmou o ministério em comunicado.

Blogueiros militares pró-Moscou indicaram que a tão esperada contra-ofensiva ucraniana começou silenciosamente, enquanto o chefe do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, disse esta semana que as forças russas se retiraram de algumas áreas de Bakhmut e que as forças ucranianas avançaram para o norte e para o sul. do país. A cidade, enquanto ele também disse que foi o início do ataque.

READ  África do Sul diz que é de seu "interesse" investigar alegações de armas russas

Em um vídeo postado no aplicativo de mensagens Telegram na terça-feira, Prigozhin disse que as forças russas estavam fugindo de suas posições em Bakhmut devido à “estupidez” de seus comandantes.

“Hoje tudo está sendo feito para que a linha de frente entre em colapso”, disse.

No comunicado, o Ministério da Defesa da Rússia disse que as forças russas repeliram vários ataques ucranianos durante o dia, acrescentando que a batalha em andamento ocorreu perto de Malinivka, na região leste de Donetsk, e envolveu força aérea e artilharia. Acrescentou que as forças russas “continuam a libertar as partes ocidentais” de Bakhmut.

O Institute for the Study of War, um think tank com sede em Washington, disse que as reações de Prigozhin e do Ministério da Defesa da Rússia aos movimentos da Ucrânia em Bakhmut “refletem o pânico crescente no espaço de informação russo” sobre a tão esperada contra-ofensiva ucraniana.

A implantação de forças russas de baixa qualidade nos flancos em torno de Bakhmut indica que o Ministério da Defesa russo [Ministry of Defence] Ele abandonou em grande parte o objetivo de cercar um grande número de forças ucranianas lá.

Zelensky: Mentalmente estamos prontos

Em meio a especulações de que a contra-ofensiva ucraniana já havia começado, o presidente Volodymyr Zelensky teria dito que a Ucrânia precisava de mais tempo antes que a operação contra a Rússia pudesse começar.

READ  O advogado de Putin, Yevgeny Satanovsky, diz que escreveu uma 'lista de morte' de funcionários ocidentais na TV estatal russa

“Estamos mentalmente prontos…”, disse Zelensky à BBC. “Em termos de equipamentos, ainda não chegou tudo”, disse.

“com [what we have] Podemos ir em frente e ter sucesso. Mas perdemos muitas pessoas. Eu acho que isso não é aceitável. Então precisamos esperar. “Ainda precisamos de mais tempo”, teria dito ele na quinta-feira.

Patrick Bury, professor sênior de segurança da Universidade de Bath, no Reino Unido, disse que não ficou surpreso com os comentários de Zelensky.

“Se você é Zelensky”, disse ele, “você faz tudo o que pode para ter certeza de ter tudo o que precisa” antes de lançar a ofensiva.

“Por outro lado, eu não ficaria surpreso se começasse nas próximas semanas, dependendo da lama. … até a semana passada, ainda era uma das primaveras mais chuvosas que eles tiveram lá em anos…

O analista militar ucraniano Oleksandr Musienko disse que os aliados de Kiev precisam entender que o contra-ataque “pode ​​não levar a uma evacuação completa das forças russas e à derrota final da Rússia em todas as áreas ocupadas”.

“Temos que estar prontos para a guerra continuar até o próximo ano – ou pode terminar este ano”, disse Musienko à Rádio NV da Ucrânia.

“Tudo depende de como as batalhas se desenvolverão. Não podemos garantir como o contra-ataque se desenvolverá.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *