Residentes estrangeiros do Japão entram com uma ação judicial contra o governo por suposto perfil racial

Philip Fung/AFP/Getty Images

Os três demandantes compareceram perante o Tribunal Distrital de Tóquio em 29 de janeiro de 2024.


Tóquio
CNN

Três residentes estrangeiros no Japão entraram com uma ação judicial contra o governo do país por alegado perfil racial, destacando o debate em curso sobre a identidade e nacionalidade japonesas.

Os demandantes entraram com a ação no Tribunal Nacional de Tóquio e realizaram uma entrevista coletiva com seus advogados na segunda-feira, segundo a Agência de Notícias de Tóquio. Emissora pública NHK.

O processo alega que a polícia os interrogou com base na raça, cor da pele, nacionalidade e outros factores, constituindo discriminação e violação da constituição do Japão, informou a NHK.

Eles estão buscando uma compensação de 3 milhões de ienes (cerca de US$ 20.355) por pessoa do governo nacional, do governo metropolitano de Tóquio e do governo da província de Aichi.

A NHK informou que um dos demandantes veio da Índia para o Japão depois de se casar com sua esposa e viveu lá por mais de 20 anos. Desde então, ele tem sido parado e interrogado repetidamente por policiais nas ruas, às vezes duas vezes por dia. Ele disse, de acordo com o que foi relatado pela Japanese Broadcasting Corporation (NHK), que a situação havia piorado tanto que às vezes ele ficava com medo de sair de casa.

“Acho que as pessoas no Japão têm a imagem de que estrangeiros que se parecem com estrangeiros cometem crimes”, disse outro demandante, um cidadão japonês nascido no Paquistão, durante a conferência de imprensa.

Ele acrescentou, de acordo com o que foi relatado pela Corporação Japonesa de Radiodifusão: “Eu estava cooperando com (a polícia) porque pensei que era importante manter a segurança pública, mas quando isso aconteceu não uma, mas mais de 10 vezes, eu realmente comecei a tenho dúvidas.”

READ  Aranhas e cobras invadem casas australianas enquanto fogem de enchentes recordes

O terceiro demandante é um homem nascido nos Estados Unidos que disse esperar aumentar a conscientização sobre o assunto entre a população japonesa. De acordo com a Reuters.

Philip Fung/AFP/Getty Images

Os três demandantes e sua equipe jurídica saem do Tribunal Distrital de Tóquio em 29 de janeiro de 2024.

Quando contactado pela CNN, o governo de Aichi recusou-se a comentar o caso específico – mas disse que os polícias recebem formação em “respeito pelos direitos humanos” e são obrigados a cumprir as suas funções de acordo com a lei de direitos humanos da província.

O governo de Tóquio também se recusou a comentar o caso, mas disse que aprovou uma lei de direitos humanos em 2019, proporcionou formação adequada à sua polícia e estava a “realizar atividades educativas para respeitar os direitos humanos dos cidadãos, incluindo cidadãos estrangeiros, e eliminar discriminação.”

O Japão é um país etnicamente homogéneo com níveis relativamente baixos de imigração, o que nos últimos anos levou as autoridades a pressionar por mais imigração. Residentes e trabalhadores estrangeiros Preencher as lacunas deixadas pelo envelhecimento da população.

O Japão está a lutar para equilibrar as suas opiniões conservadoras sobre a imigração com a necessidade de novos trabalhadores, mais jovens, apesar de 2018. Pesquisa de banco Mostrou que 59% dos japoneses acreditam que os imigrantes tornarão o país mais forte.

A elevada homogeneidade étnica do país significa que pessoas com aparência diferente podem atrair atenção indesejada e estigma de outras pessoas, mesmo que se identifiquem como japonesas – especialmente aquelas com pele mais escura.

Por exemplo, Pessoas que são “hafu” – a palavra japonesa para “metade”, referindo-se àqueles que são etnicamente meio japoneses – descreveram serem tratados como estrangeiros, mesmo sendo cidadãos japoneses.

READ  Moradores perto de Ottawa resgatam o motorista depois que um carro caiu no rio gelado Rideau

Número de Controvérsias ao longo dos anos Destacou esses preconceitos, levantando questões sobre os padrões de beleza e o que significa ser japonês. Em 2019, a empresa de macarrão Nissin pediu desculpas após ser acusada disso A estrela do tênis “Branqueadora” Naomi Osaka – que é descendente de japoneses e haitianos – em um anúncio animado a retratava com pele clara, cabelos castanhos e traços caucasianos.

E só este mês Concurso Nacional de Beleza Ela criou sensação ao coroar a modelo ucraniana Karolina Shino como a “beleza número 1 de todas as mulheres japonesas”. Alguns críticos questionaram se alguém que não fosse descendente de japoneses poderia representar os ideais de beleza do país.

Mas Shino, uma cidadã naturalizada que vive em Nagoya desde os 5 anos e fala japonês fluentemente, disse que se considera “completamente japonesa” e quer ser reconhecida como tal.

“Em última análise, vivemos numa era de diversidade – onde a diversidade é necessária”, disse ela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *