Reino Unido contribui para fundo de defesa da Amazônia do Brasil, diz PM Sunak notícias ambientais

O presidente brasileiro Lula da Silva, que prometeu acabar com o desmatamento na Amazônia, deu as boas-vindas a uma promessa de US$ 101 milhões para o Fundo Amazônia.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, disse que o Reino Unido contribuirá com mais de US$ 101 milhões (£ 80 milhões) para o Fundo Amazônia do Brasil, uma iniciativa que visa deter o desmatamento na extensa floresta tropical da América do Sul.

Sunak fez a promessa na sexta-feira depois de conversar em Londres com o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que o primeiro-ministro britânico disse ter “mostrado grande liderança em mudanças climáticas”.

“Temos muitos interesses em comum”, disse Sunak a Lula na reunião na Downing Street, 10, referindo-se ao aumento do comércio e à luta contra a crise climática.

“Tenho o prazer de anunciar que estaremos investindo em seu Fundo Amazônia e elogiar sua liderança nesta iniciativa”, disse ele.

O presidente brasileiro, que está no Reino Unido para a coroação do rei Carlos III no fim de semana, também elogiou as conversas.

“Tivemos uma boa conversa sobre nossas relações comerciais, proteção ambiental e paz mundial”, disse Lola livros no Twitter.

O líder de esquerda, que derrotou por pouco o ex-presidente de extrema direita Jair Bolsonaro no segundo turno da eleição em outubro, prometeu lutar pelo “não desmatamento” na Amazônia, cerca de dois terços da qual estão no Brasil.

READ  Portugal pressiona para reunião da UE com Biden antes de julho - EURACTIV.com

O desmatamento aumentou sob Bolsonaro, que promoveu maior desenvolvimento econômico na Amazônia e facilitou as proteções ambientais.

Em 2019, Bolsonaro dissolveu o comitê gestor que selecionava projetos sustentáveis ​​para financiamento por meio do Fundo Amazônia, levando Alemanha e Noruega a congelar suas doações.

A floresta tropical é fundamental para a luta global contra a mudança climática, e grupos de direitos humanos denunciaram as políticas do governo Bolsonaro por levarem a um aumento na destruição, bem como a ameaças crescentes contra as comunidades indígenas da região.

Mas no final de janeiro, apenas algumas semanas após a posse de Lula, a Alemanha anunciou que forneceria novamente US$ 38 milhões ao fundo Amazônia.

O governo alemão também prometeu US$ 87 milhões em empréstimos a juros baixos a agricultores para restaurar áreas degradadas, bem como US$ 34 milhões a estados brasileiros na Amazônia para proteger a floresta tropical.

Com o novo governo e a equipe do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e [Environment] Ministra do Desenvolvimento, Marina Silva, Temos uma grande oportunidade de proteger a floresta e oferecer uma nova perspectiva para as pessoas que vivem lá”, disse na época a ministra do Desenvolvimento da Alemanha, Svenja Schulze.

No mês passado, o presidente dos EUA, Joe Biden – que se encontrou com Lula na Casa Branca em fevereiro – anunciou que apresentaria um pedido ao Congresso para contribuir com US$ 500 milhões em cinco anos para o fundo e atividades relacionadas.

O Brasil disse que a França e a Espanha também demonstraram interesse em contribuir.

Na sexta-feira, ele agradeceu a Lula Sunak e disse que é hora de “normalizar” as relações entre o Reino Unido e o Brasil, acrescentando que “muito pode ser feito em termos comerciais”.

O presidente brasileiro também reiterou que os países com grandes florestas precisam de apoio – especialmente dos países desenvolvidos – para protegê-las, ao mesmo tempo em que reafirmou o compromisso do Brasil com o desmatamento zero até 2030.

READ  TSDSI assina acordos com 5G Brasil e MTSFB para cooperação mútua no desenvolvimento de padrões e novidades para Telecom e ET Telecom

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *