Reforma tributária no Brasil: novas oportunidades para empresas norte-americanas

introdução Proposta de Lei n.º 68/2024 Sua submissão ao Congresso brasileiro representa um importante avanço na tão esperada reforma tributária do Brasil. Este projeto de lei, juntamente com outras propostas legislativas e uma proposta iminente do poder executivo, busca simplificar o complexo sistema tributário do Brasil para impostos sobre o consumo.

O Conselho Empresarial EUA-Brasil está acompanhando diligentemente esses desenvolvimentos e participando de discussões com o Executivo e o Congresso brasileiros para fornecer informações importantes à comunidade empresarial dos EUA.

Impacto potencial nas empresas

O projeto de lei tem o potencial de simplificar o cumprimento para empresas que operam em diversos setores. No entanto, permanecem preocupações sobre os detalhes específicos da implementação, especialmente no que diz respeito à garantia de um tratamento justo em todos os setores e à gestão harmoniosa do período de transição. As empresas também antecipam potenciais desafios em conformidade e relatórios, especialmente para aquelas com operações digitais.

O que está incluído no projeto de lei?

A Proposta de Lei n.º 68/2024 introduz vários elementos importantes:

1. Novos impostos: Foi criado um sistema duplo de imposto sobre o valor acrescentado (IBS e CBS) e de imposto especial de consumo (IS):

  • Imposto sobre Bens e Serviços (IBS): Unificação dos tributos estaduais e municipais (ICMS e ISS).
  • Contribuição social sobre bens e serviços (CBS): Consolidação dos impostos federais sobre consumo existentes (PIS e Cofins).
  • Imposto especial de consumo (IS): Um imposto sobre bens e serviços específicos considerados prejudiciais ou de luxo, como álcool, tabaco e bens de luxo. Isto pode ter impacto em setores como a hotelaria e o turismo, o que pode levar a mudanças nas estratégias de preços ou no comportamento do consumidor.

2. Impostos baseados no destino: Os impostos serão cobrados no seu destino (local de consumo). Esta mudança visa combater a chamada “guerra financeira”, onde os países competem para atrair empresas para fazer negócios no seu território. Esta mudança pode transformar o cenário competitivo para sectores como o retalho e os bens de consumo, uma vez que as empresas que anteriormente beneficiaram de políticas fiscais nacionais favoráveis ​​podem enfrentar novas estruturas de preços.

Além disso, o projeto de lei inclui disposições relativas à tributação relacionada com bens e serviços digitais, especificando que o imposto local aplicado aos serviços digitais depende do domicílio principal do destinatário, permitindo uma definição geográfica mais clara da responsabilidade fiscal.

3. Neutralidade fiscal: O projeto de lei enfatiza a neutralidade fiscal para evitar distorções nas atividades económicas ou nas decisões de consumo:

  • Impostos não cumulativos: Apenas o IBS e o CBS cobram IVA em cada fase da cadeia de abastecimento, evitando impostos em cascata. Isto pode beneficiar particularmente as indústrias transformadoras com longos ciclos de produção, simplificando o cumprimento e reduzindo a carga fiscal global.
  • taxa de imposto: Embora a proposta de lei não especifique taxas de imposto específicas, o Ministério das Finanças estima uma taxa média de 27,5% para novos impostos, tendo em conta possíveis alterações durante o processo legislativo.

4. Isenção de imposto: A proposta de lei prevê ainda isenções fiscais, tais como:

  • Exportação de bens e serviços: Esta isenção permite que fabricantes e exportadores mantenham a competitividade nos mercados globais.
  • Organizações de caridade e religiosas: Entidades como organizações religiosas, partidos políticos, sindicatos e organizações educacionais e sociais sem fins lucrativos estão isentas.
  • Transações financeiras e investimentosOperações envolvendo transações financeiras, incluindo investimentos em valores mobiliários, produtos financeiros e outros ativos. Esta medida poderá promover um ambiente favorável para o sector financeiro, promovendo o crescimento em vários sectores, incluindo a banca, a gestão de activos e os serviços financeiros.

5. Período de transição: Implementação faseada projetada para minimizar interrupções repentinas:

  • CBS: O sistema CBS será implementado de 2027 a 2035.
  • Síndrome do intestino irritável: O IBS será implementado entre 2029 e 2035.
  • Preços de referência: Estes são criados anualmente durante o período de transição para proporcionar consistência e previsibilidade.
  • Mecanismos de compensação: Para eventuais alterações que afetem as receitas do CBS ou do IBS durante o período de transição, garantindo uma carga fiscal estável em todos os setores.

Desafios no Congresso

O Congresso Brasileiro iniciou suas deliberações sobre a reforma tributária antes da introdução do Projeto de Lei nº 68/2024, estabelecendo grupos de trabalho que desenvolveram 13 projecto de lei relacionado com a reforma do imposto sobre o consumo.

A abundância de projetos de lei apresentados no Congresso destaca o desafio significativo que a administração brasileira enfrenta ao trabalhar com os legisladores para chegar a um acordo sobre um texto final coerente. Esta tarefa é particularmente desafiadora à luz das eleições municipais marcadas para este ano, que provavelmente perturbarão o trabalho do Congresso durante o segundo mandato. Estas condições criam uma janela crítica e limitada para acção e negociação, não só para a gestão, mas também para a comunidade empresarial abordar preocupações e melhorar a legislação proposta.

Perspectiva e recomendações da Câmara

O Conselho Empresarial EUA-Brasil tem apoiado consistentemente a reforma tributária no Brasil, conforme discutido no Reunião do Conselho com o Ministro da Fazenda do Brasil, Fernando HaddadDurante as Reuniões da Primavera em Washington, D.C., o Conselho apela ao seguinte:

  1. Imposto duplo: A consolidação dos impostos indiretos numa estrutura semelhante ao IVA é um passo positivo, simplificando o cumprimento das obrigações fiscais das empresas e reduzindo os encargos administrativos. No entanto, a Câmara sublinha a necessidade de uma gestão eficaz das isenções de IVA para evitar a dupla tributação.
  2. Administração fiscal: O Conselho apela a medidas que reduzam a burocracia, aumentem a transparência, reforcem a segurança jurídica e reduzam os litígios fiscais.
  3. Contratos de longo prazo: Dada a implementação faseada dos novos impostos, é necessário fornecer orientações claras sobre como lidar com os contratos de longo prazo existentes para evitar litígios e garantir transições suaves. O Conselho recomenda que o governo brasileiro estabeleça regras transitórias que respeitem os termos dos contratos existentes, ao mesmo tempo que proporcionem flexibilidade para renegociar os termos para acomodar a nova estrutura tributária. Esta abordagem ajudará a mitigar os riscos enfrentados pelas empresas e a promover um ambiente previsível para o planeamento e investimentos a longo prazo.
  4. Créditos fiscais: O novo sistema fiscal dá ênfase aos impostos não cumulativos, mas disposições complexas de atribuição de crédito podem impor encargos administrativos. A simplificação do processo de utilização do crédito garante que as empresas consigam gerir eficazmente as suas obrigações fiscais.
  5. Processamento específico do setor: Os regimes fiscais sectoriais específicos proporcionam benefícios específicos para determinadas indústrias. No entanto, as empresas de outros setores poderão enfrentar um tratamento menos favorável, o que poderá afetar a competitividade e o crescimento.
  6. Impostos sobre o setor digital: Recomendamos diretrizes claras para determinar quais plataformas estão sujeitas a responsabilidades fiscais e como, garantindo o cumprimento. Além disso, as regras de domiciliação, que determinam a responsabilidade fiscal com base no domicílio do destinatário, podem representar desafios de conformidade para as empresas dos EUA, o que pode ter impacto nas estratégias de preços e na competitividade. Aplaudimos as isenções fiscais para exportações de bens e serviços digitais para manter a posição global do setor. O envolvimento contínuo com as partes interessadas é fundamental para enfrentar estes desafios em evolução.
  7. Período de transição: O Conselho reitera a importância do período de transição para garantir a estabilidade e um acompanhamento cuidadoso para fazer face às consequências indesejadas. Elogiamos o Governo do Brasil por criar mecanismos de compensação para evitar cargas tributárias severas em vários setores.

O compartilhamento continua

A reforma tributária no Brasil representa um passo fundamental para a modernização do seu quadro tributário, harmonizando-o com os padrões internacionais e criando um clima de negócios favorável. O Conselho Empresarial EUA-Brasil continua comprometido em representar os interesses da comunidade empresarial dos EUA nas discussões com o governo brasileiro.

Ao fornecer conhecimentos especializados provenientes de experiências de reforma fiscal global e defender políticas que estimulem a criação de empregos, a expansão económica e os investimentos, o Conselho apoia iniciativas que beneficiam empresas norte-americanas e brasileiras.

Sobre os autores

READ  Um webinar virtual sobre a economia global e as perspectivas de risco para 2022

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *