Primeiro Ministro israelense: Medicamentos são entregues a reféns em Gaza sob um novo acordo

  • Escrito por Natasha Brisky
  • BBC Notícias

Comente a foto,

Famílias de reféns disseram que alguns detidos estavam em “perigo imediato” sem tratamento médico regular

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que um novo acordo permitirá a entrega de medicamentos aos reféns israelenses mantidos pelo Hamas em Gaza.

Isso aconteceu depois que famílias de alguns reféns visitaram o Catar e disseram aos mediadores que seus entes queridos precisavam de uma receita importante, informou a CBS News.

As entregas ainda não começaram e não está claro como o medicamento será transportado.

Israel acredita que cerca de 105 reféns ainda estão vivos em Gaza.

Estima-se que 240 pessoas foram capturadas nos ataques do Hamas em 7 de outubro, mas 105 delas foram posteriormente libertadas pelo Hamas durante um cessar-fogo de seis dias no final de novembro, e acredita-se que pelo menos 25 pessoas tenham morrido.

O Hamas e Israel manifestaram a sua vontade de permitir que os medicamentos cheguem aos reféns, informou a CBS News, parceira internacional da BBC, citando uma fonte diplomática.

A fonte acrescenta que os mediadores estão a trabalhar com ambas as partes e com organizações não governamentais internacionais para compreender os medicamentos necessários, a sua quantidade e como distribuí-los.

De acordo com comunicado divulgado na sexta-feira pelo Gabinete do Primeiro Ministro israelense, o medicamento será entregue nos próximos dias.

O comunicado também afirma que o acordo foi alcançado depois que David Barnea, diretor da agência nacional de inteligência de Israel, Mossad, contatou o Catar.

Um funcionário palestino disse à BBC que ocorreram discussões sobre o envio de ajuda médica para Gaza, parte da qual cobriria “as necessidades dos reféns israelenses em Gaza”.

Numa carta enviada ao Gabinete de Defesa de Israel após o cessar-fogo terminar no ano passado, o grupo familiar de reféns disse ter “fortes informações de inteligência sobre a presença de sequestradores cuja condição se deteriorou e que agora correm grave perigo”.

Afirmaram que pelo menos um terço dos reféns tinha doenças subjacentes e necessitava de tratamento médico regular, sendo perigoso permanecer sem esse tratamento.

Desde os ataques de 7 de Outubro, mais de 23.350 pessoas foram mortas em Gaza – a maioria delas crianças e mulheres – durante operações militares de retaliação lançadas por Israel, segundo o Ministério da Saúde dirigido pelo Hamas.

Israel afirma que cerca de 1.300 pessoas, a maioria delas civis, foram mortas no ataque do Hamas.

READ  Avião vira após queda de avião no aeroporto de Mogadíscio, Somália

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *