Portugal eleva os serviços de segurança ao fim da lista de vacinas prioritárias em meio à falta de suprimentos

LISBOA (Reuters) – O chefe da força-tarefa de vacinação de Portugal foi citado como tendo dito que Portugal irá redirecionar sua campanha de vacinação COVID-19 para grupos de idade vulneráveis ​​e longe de funcionários importantes do estado, como polícia e bombeiros devido à escassez de suprimentos de vacina .

Portugal, como muitos países da União Europeia, tem demorado a iniciar o seu programa de vacinação. Esperava receber 4,4 milhões de doses até o final de março, mas a falta de suprimentos significava que apenas 2,5 milhões chegariam até lá.

“Este é um exemplo de adaptação da nossa estratégia às circunstâncias … Focando em salvar vidas, agora que se encontram os profissionais de saúde de maior prioridade”, disse Henrique Gouveia e Melo ao Expresso.

Portugal inicialmente se concentrou na vacinação de profissionais de saúde e cuidados de saúde da linha de frente e, na semana passada, expandiu sua lista de grupos de alta prioridade para incluir militares, bombeiros, serviços de segurança e algumas figuras políticas importantes, incluindo ministros, promotores e alguns legisladores.

Mas Gouveia e Melo disse que 90% das doses agora irão para pessoas com mais de 80 ou mais de 50 anos com problemas de saúde pré-existentes.

Os oficiais do esquadrão de vacinação não puderam ser encontrados imediatamente para confirmar seus comentários.

Dados do governo mostram que Portugal vacinou totalmente apenas 2% dos seus 10 milhões de habitantes até agora. Das cerca de 700.000 doses que chegaram a Portugal, foram administradas cerca de 580.000.

O governo disse que pretende vacinar totalmente 70% das pessoas até o final do verão.

Os bombeiros têm pressionado para serem os primeiros a serem vacinados, já que sua função no transporte de pacientes para hospitais os coloca em risco de contrair o vírus.

READ  Governo apela à destituição de diretores da Aneel e do ONS | Política

Gouveia e Melo assumiu a presidência da força-tarefa de vacinação neste mês, depois que seu antecessor teve de renunciar na fila para receber as doses da vacina.

Portugal, que relatou 792.829 casos de COVID-19 e 15.754 mortes, viu um aumento devastador no número de casos no início de 2021. O número diário de vítimas diminuiu nas últimas semanas, uma vez que o bloqueio nacional está em vigor desde 15 de janeiro e está definido para continue até pelo menos março. (Preparado por Victoria Waldersi, editado por Andre Khalil e Gareth Jones)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *