Pelo menos 78 pessoas foram mortas em um tumulto no Iêmen em um evento de caridade do Ramadã

A debandada de multidões em um evento de distribuição de ajuda financeira durante o mês sagrado do Ramadã na capital do Iêmen, Sanaa, deixou pelo menos 78 mortos e 73 feridos, de acordo com oficiais Houthi e testemunhas oculares.

SANA’A, Iêmen – Uma multidão parecia estar em pânico por tiros e uma explosão elétrica em um evento de distribuição de ajuda financeira durante o mês sagrado do Ramadã na capital do Iêmen na noite de quarta-feira, matando pelo menos 78 pessoas e ferindo pelo menos 73, O Relatórios do Guardian, britânicos. Testemunhas oculares e oficiais Houthi.

A tragédia foi a mais mortal no Iêmen em anos e não está relacionada à longa guerra do país, e ocorreu antes do feriado de Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã no final desta semana.

Os Houthis armados atiraram para o ar na tentativa de controlar a multidão, aparentemente atingindo um fio elétrico, fazendo-o explodir, segundo duas testemunhas, Abd al-Rahman Ahmed e Yahya Mohsen. Isso provocou pânico e as pessoas, incluindo muitas mulheres e crianças, começaram a correr, disseram eles.

Vídeos postados nas redes sociais mostraram dezenas de cadáveres, alguns imóveis, outros gritando enquanto as pessoas tentavam ajudar. Imagens separadas das antiguidades divulgadas por oficiais Houthi mostraram manchas de sangue e os sapatos e roupas das vítimas espalhados no chão. Os investigadores foram vistos vasculhando a área.

A debandada ocorreu no antigo centro da cidade de Sanaa, onde centenas de pessoas pobres se reuniram para um evento de caridade organizado por comerciantes, de acordo com o Ministério do Interior administrado por Houthi.

READ  Canal de Suez: Egito apreendeu do navio Evergiven mais de US $ 900 milhões em conta de compensação

Testemunhas disseram que as pessoas se reuniram para receber cerca de US$ 10 cada de uma instituição de caridade financiada por empresários locais. Pessoas ricas e empresários costumam distribuir dinheiro e comida, especialmente para os pobres, durante o Ramadã.

Porta-voz do Ministério do Interior Brig. Abdel-Khaleq Al-Aghri culpou a debandada na “distribuição aleatória” de fundos sem coordenação com as autoridades locais.

Um alto funcionário da saúde, Mutahar al-Marwani, disse que 78 pessoas foram mortas, de acordo com o canal de satélite al-Masirah dos rebeldes. Pelo menos 73 outras pessoas ficaram feridas e foram levadas ao Hospital Al-Thawra em Sanaa, de acordo com o vice-diretor do hospital, Hamdan Bagheri.

Os rebeldes rapidamente fecharam uma escola onde ocorria o evento e impediram que pessoas, inclusive jornalistas, se aproximassem.

O Ministério do Interior disse que prendeu dois dos organizadores e que o assunto está sendo investigado.

Os Houthis disseram que pagariam cerca de US$ 2.000 em compensação a cada família que perdesse um parente, enquanto os feridos receberiam cerca de US$ 400.

A capital do Iêmen está sob o controle do movimento Houthi, apoiado pelo Irã, desde que eles saíram de seu reduto no norte em 2014 e derrubaram o governo reconhecido internacionalmente.

Isso levou a coalizão liderada pela Arábia Saudita a intervir em 2015 para tentar restaurar o governo.

Mais de 21 milhões de pessoas no Iêmen, ou dois terços da população do país, precisam de assistência e proteção, de acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. Entre os necessitados, mais de 17 milhões são particularmente vulneráveis.

READ  Putin admite que a China tem "perguntas e preocupações" sobre a vacilante invasão da Ucrânia pela Rússia

As Nações Unidas disseram em fevereiro que levantaram apenas US$ 1,2 bilhão de uma meta de US$ 4,3 bilhões em uma conferência destinada a fornecer fundos para aliviar a crise humanitária.

___

Magdy narrou do Cairo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *