Outro grande doador afirma que retomará o financiamento à agência da ONU para ajudar os palestinianos à medida que a fome aumenta em Gaza

NICÓSIA, Chipre (AP) – Outro grande doador da agência de ajuda da ONU aos palestinos disse no sábado que retomará o financiamento, semanas depois de mais de uma dúzia de países terem retido centenas de milhões de dólares em apoio em resposta às alegações israelenses contra a organização.

O golpe na Suécia ocorreu como Um navio transportando toneladas de ajuda humanitária Preparava-se para deixar Chipre com destino a Gaza depois de doadores internacionais abrirem um corredor marítimo para abastecer a região bloqueada, que então enfrenta fome generalizada. Cinco meses de guerra.

O presidente cipriota, Nikos Christodoulides, disse aos repórteres na noite de sábado que o navio partiria “nas próximas 24 horas”. José Andres, fundador da World Central Kitchen, disse à Associated Press que todas as licenças necessárias foram obtidas, inclusive de Israel, e que as circunstâncias do atraso na partida estavam principalmente relacionadas ao clima.

A decisão de financiamento sueca segue decisões semelhantes antes União Europeia E Canadá como Uma agência das Nações Unidas conhecida como UNRWA Ele alerta que poderá entrar em colapso e deixar a já desesperada população de Gaza, que totaliza mais de dois milhões de pessoas, com ainda menos assistência médica e de outra natureza.

“A situação humanitária em Gaza é devastadora e as necessidades são agudas”, disse o ministro sueco do Desenvolvimento, Johan Forssell, acrescentando que a UNRWA concordou com uma maior transparência e controlos mais rigorosos. A Suécia dará à UNRWA metade dos 38 milhões de dólares em financiamento prometidos este ano, com mais por vir.

Israel acusou 12 dos milhares de funcionários da UNRWA de envolvimento em atos de violência Participação nos ataques do Hamas em 7 de outubro Em Israel, que resultou na morte de 1.200 pessoas e na manutenção de cerca de 250 outras como reféns. Países incluindo os Estados Unidos rapidamente Financiamento suspenso A UNRWA dispõe de aproximadamente 450 milhões de dólares, quase metade do seu orçamento para este ano. As Nações Unidas lançaram investigações e a UNRWA concordou em realizar auditorias externas para restaurar o apoio dos doadores.

No Na véspera do RamadãMoradores famintos de Gaza lutam por pacotes de alimentos deixados por aviões militares dos EUA e da Jordânia – A Método de Entrega Que grupos humanitários descrevem como lamentavelmente inadequados em comparação com a entrega terrestre. Mas o número diário de camiões de ajuda que entram em Gaza desde a guerra tem sido muito inferior aos 500 que entraram antes de 7 de Outubro devido a… Restrições israelenses e questões de segurança.

As pessoas corriam pelos bairros devastados da Cidade de Gaza enquanto a ajuda descia de pára-quedas. “Tenho órfãos e quero alimentá-los!” Uma mulher chorou.

Outro cidadão, Moamen Mahra, disse: “A questão da ajuda é brutal e ninguém a aceita”, alegando que a maior parte da ajuda lançada por via aérea cai no mar. “Queremos métodos melhores.”

O Exército dos EUA disse que seus aviões lançaram mais de 41 mil “equivalentes a uma refeição” e 23 mil garrafas de água em… Norte de GazaÉ a parte do bolso mais difícil de acessar.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que outras duas pessoas ficaram feridas, incluindo uma criança de dois meses Ele morreu em consequência de desnutriçãoO que eleva para 25 o número total de mortes devido à fome na guerra. O porta-voz do ministério, Ashraf Al-Qudra, disse que o número inclui apenas pessoas que foram transferidas para hospitais.

No geral, o ministério disse que pelo menos 30.878 palestinos foram mortos desde o início da guerra. Não faz distinção entre civis e combatentes nas suas estatísticas, mas afirma que as mulheres e as crianças constituem dois terços dos mortos. O ministério faz parte do governo dirigido pelo Hamas e os seus números de guerras anteriores correspondem em grande parte aos das Nações Unidas e de especialistas independentes.

A abertura do corredor de entrega marítima, juntamente com os lançamentos aéreos, mostrou uma frustração crescente Com a crise humanitária em Gaza E uma nova vontade de contornar as restrições israelitas. O corredor marítimo é apoiado pela União Europeia, pelos Estados Unidos, pelos Emirados Árabes Unidos e outros países envolvidos. A Comissão Europeia afirmou que as agências da ONU e a Cruz Vermelha também desempenhariam um papel.

O presidente Joe Biden disse no sábado que acredita que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, está “prejudicando mais Israel do que ajudando” na forma como está conduzindo a guerra contra o Hamas em Gaza. Falando a Jonathan Capehart, da MSNBC, o presidente dos EUA expressou apoio ao direito de Israel de perseguir o Hamas após o ataque de 7 de outubro, mas disse sobre Netanyahu que “deve prestar mais atenção às vidas inocentes que são perdidas como resultado das ações tomadas”. “

O navio, pertencente ao grupo de ajuda espanhol Open Arms, deverá fazer um voo de teste para testar a passagem já neste fim de semana. O navio esperava no porto cipriota de Larnaca. Israel disse que acolheu com satisfação o corredor marítimo, mas alertou que exigiria verificações de segurança.

O fundador da Open Arms, Oscar Camps, disse que o navio que reboca uma barcaça carregada com 200 toneladas de arroz e farinha levaria de dois a três dias para chegar a um local não revelado onde a World Central Kitchen estava construindo um cais para recebê-lo.

Biden anunciou separadamente um plano para construir uma doca temporária em Gaza para ajudar a entregar ajuda, destacando como os Estados Unidos devem unir-se em torno de Israel, o seu principal aliado no Médio Oriente e o maior beneficiário da ajuda militar dos EUA. Israel acusa o Hamas de apreender alguns carregamentos de ajuda.

Autoridades dos EUA disseram que pode levar semanas até que o cais esteja pronto para operação. Avril Benoit, diretora executiva da filial americana da instituição de caridade médica Médicos Sem Fronteiras, criticou o plano dos EUA em um comunicado, chamando-o de “distração flagrante do problema real: a campanha militar indiscriminada e desproporcional de Israel e o bloqueio punitivo”.

Sigrid Kaag, coordenadora humanitária e de reconstrução da ONU em Gaza, disse que a ajuda aérea e marítima não pode compensar a falta de rotas de abastecimento terrestre.

Entretanto, os esforços para alcançar um cessar-fogo antes do Ramadão pareciam estar estagnados. O Hamas disse na quinta-feira que a sua delegação deixaria o Cairo até a próxima semana.

Os mediadores internacionais esperavam aliviar parte da crise imediata através de um cessar-fogo de seis semanas, que teria resultado na libertação de alguns dos reféns israelitas que o Hamas mantém, na libertação de alguns prisioneiros palestinianos por Israel e na permissão de acesso de grupos de ajuda a um grande afluxo de refugiados. Ajuda a Gaza.

Acredita-se que militantes palestinos mantenham cerca de 100 reféns e os restos mortais de outros 30 capturados durante o ataque de 7 de outubro. Dezenas de reféns foram libertados em uma trégua de uma semana em novembro.

No Líbano, a mídia oficial disse que cinco pessoas foram mortas e pelo menos nove ficaram feridas num ataque aéreo israelense contra uma casa na cidade de Khirbet Selm, no sul do país.

A região fronteiriça libanesa-israelense tem testemunhado confrontos quase diários entre o Hezbollah libanês e as forças israelenses durante os últimos cinco meses.

Os ataques israelitas mataram cerca de 300 pessoas, a maioria combatentes do Hezbollah e grupos aliados, mas também cerca de 40 civis. Do lado israelense, pelo menos nove soldados e 10 civis foram mortos.

___

Encontre mais cobertura AP em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *