OMS diz que reforços COVID são necessários, revertendo chamada anterior

GENEBRA (AFP) –

Um grupo de especialistas convocado pela Organização Mundial da Saúde disse na terça-feira que “apóia fortemente o acesso urgente e generalizado” a doses de reforço, revertendo a insistência anterior da agência da ONU de que reforços não são necessários e contribuem para as desigualdades nas vacinas.

A Organização Mundial da Saúde disse em comunicado que seu grupo de especialistas concluiu que a imunização com vacinas licenciadas contra COVID-19 fornece altos níveis de proteção contra doenças graves e morte em meio à circulação global da variante omicron altamente contagiosa.

Ela disse que a vacinação, incluindo o uso de reforços, é especialmente importante para pessoas em risco de doenças graves.

No ano passado, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu a regulamentação da doação em doses de reforço, enquanto dezenas de países começaram a administrar as doses, dizendo que os países ricos deveriam doar imediatamente essas vacinas para os países pobres. Os cientistas da OMS disseram na época que continuariam a avaliar os dados recebidos.

Desde então, numerosos estudos científicos provaram que doses de reforço de vacinas aprovadas ajudam a restaurar a imunidade diminuída e a proteger contra o perigoso COVID-19. Programas de apoio em países ricos, incluindo Grã-Bretanha, Canadá e Estados Unidos, são creditados por impedir que o aumento de infecções oomicron se espalhe para hospitais e cemitérios.

A Organização Mundial da Saúde disse que continua monitorando a disseminação global de omicron, incluindo… Versão “anônima” conhecido como BA.2, que foi documentado para reinfectar algumas pessoas após um caso inicial de omicron. Há pesquisas mistas sobre se causa doenças mais graves, mas as vacinas parecem ser igualmente eficazes contra ela.

READ  A Vida do Telescópio Espacial Hubble: NASA Fix Powering Backup Instruments

A Organização Mundial da Saúde indicou que as vacinas COVID-19 atualmente autorizadas são todas baseadas na cepa descoberta pela primeira vez em Wuhan, China, há mais de três anos.

“Desde então, houve uma evolução contínua e significativa do vírus e é provável que essa evolução continue, dando origem a novas variantes”, disse a agência. Ela acrescentou que as vacinas contra o coronavírus provavelmente precisarão ser atualizadas.

___

Acompanhe todas as matérias da AP sobre a pandemia em: https://apnews.com/hub/coronavirus-pandemic.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *