O setor de serviços em dificuldades ressalta a desaceleração econômica do Brasil no terceiro trimestre

A economia brasileira dá sinais claros de desaceleração e novos dados sobre o setor de serviços confirmam esta tendência.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor contraiu 0,3% em relação ao mês anterior – quando já estava em contração. Nos 12 meses até Setembro, o sector cresceu 4,4 por cento, abaixo do crescimento de 5,3 por cento registado em Agosto.

Setembro foi o mês com a terceira menor produção de receita neste ano, depois de janeiro e abril, afirma Rodrigo Lobo, analista do IBGE. Lobo diz que não houve “nada de especial” por trás do declínio. O sector também contraiu em 17 dos 27 estados do país, mostrando uma desaceleração generalizada.

O setor de serviços representa metade dos empregos formais do Brasil e cerca de 70% do produto interno bruto do país. Quando vacila, toda a economia se sente estigmatizada. Mas os sinais de que a economia está a perder força estão por todo o lado.

Produção industrial Tem permanecido estável nos últimos 12 meses. As vendas no varejo apresentam tendência de queda. O índice mensal de atividade econômica divulgado pelo Banco Central – que acompanha os indicadores iniciais do país…

Fabian Zeola Menezes e Gustavo Ribeiro

Fabian, ex-editor-chefe do LABS (Latin American Business Stories), tem mais de 15 anos de experiência em reportagens sobre negócios, finanças, inovação e cidades no Brasil. Este último recentemente a trouxe de volta à sala de aula e fez com que ela fizesse mestrado em Gestão Urbana pela PUCPR. Na TBR, você monitora a política econômica, as empresas revolucionárias e as pessoas que impulsionam a inovação na América Latina.

READ  Lula conseguirá resolver a bagunça financeira do Brasil?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *