O Secretário-Geral das Nações Unidas ativa o Artigo 99 relativo a Gaza Notícias do conflito israelo-palestiniano

António Guterres alertou para o agravamento do “desastre” em Gaza e apelou ao Conselho de Segurança para agir.

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, invocou o Artigo 99 da Carta da ONU e instou o Conselho de Segurança da ONU a tomar medidas sobre a guerra em Gaza.

Este raro passo do Secretário-Geral ocorre numa altura em que o Conselho de Segurança ainda não adoptou uma resolução apelando a um cessar-fogo entre Israel, o Hamas e os seus aliados.

O Conselho de Segurança é o órgão mais poderoso das Nações Unidas, composto por 15 membros, e está encarregado de manter a paz e a segurança internacionais.

Na sua carta ao Presidente do Conselho, Guterres destacou esta responsabilidade, dizendo acreditar que a situação em Israel e nos territórios palestinianos ocupados “pode exacerbar as ameaças existentes à manutenção da paz e segurança internacionais”.

Guterres – que tem apelado a um “cessar-fogo humanitário imediato” desde 18 de outubro – também descreveu o “horrível sofrimento humano, a devastação física e o trauma em massa em Israel e nos territórios palestinianos ocupados”.

Em resposta à carta de Guterres, os Emirados Árabes Unidos, membro do Conselho de Segurança, publicaram no X para dizer que tinham apresentado um novo projecto de resolução ao conselho e “pediram a adopção urgente de uma resolução de cessar-fogo humanitário”.

READ  Um adolescente surfista morreu após ser atacado por um tubarão na frente de seu pai na Austrália

Se o Conselho decidir agir de acordo com o conselho de Guterres e adoptar uma resolução de cessar-fogo, terá poderes adicionais à sua disposição para garantir que a resolução seja implementada, incluindo o poder de impor sanções ou autorizar o envio de uma força internacional.

Mas os cinco membros permanentes do conselho – China, Rússia, Estados Unidos, Reino Unido e França – têm poder de veto.

Os Estados Unidos vetaram em 18 de Outubro uma resolução que teria condenado o ataque do Hamas a Israel, ao mesmo tempo que apelava à suspensão dos combates para permitir a entrada de ajuda humanitária em Gaza. Outros 12 membros do Conselho votaram a favor da resolução, enquanto a Rússia e o Reino Unido se abstiveram de votar.

O desastre se aproxima

Guterres disse que a contínua inacção do Conselho de Segurança e a acentuada deterioração da situação em Gaza forçaram-no a activar o Artigo 99.º pela primeira vez desde que assumiu o cargo de chefia nas Nações Unidas em 2017.

Ele alertou que a ordem pública em Gaza poderá entrar em breve colapso em meio ao colapso total do sistema humanitário.

“A situação está a deteriorar-se rapidamente para uma catástrofe com consequências potencialmente irreversíveis para os palestinianos como um todo e para a paz e segurança na região”, escreveu ele.

“Tal resultado deve ser evitado a todo custo.”

READ  Putin visita a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos com a guerra entre Israel e o Hamas na agenda Notícias de política

Mas a activação do Artigo 99.º por parte de Guterres não foi bem recebida pelo embaixador de Israel nas Nações Unidas, Gilad Erdan.

Numa publicação no X, Erdan descreveu a carta como “mais uma prova” da “distorção moral e preconceito anti-Israel” de Guterres.

“O apelo do secretário-geral a um cessar-fogo é, na verdade, um apelo à preservação do regime terrorista do Hamas em Gaza”, disse Erdan, que também reiterou o seu apelo à demissão de Guterres.

A Carta das Nações Unidas concede apenas poderes limitados ao Secretário-Geral da ONU, que atua como principal responsável administrativo da ONU e é eleito pelos Estados membros.

O Artigo 99 da Carta das Nações Unidas confere ao Secretário-Geral o poder de “chamar a atenção do Conselho de Segurança para qualquer assunto que considere poder ameaçar a manutenção da paz e da segurança internacionais”.

“O facto de esta ferramenta não ter sido utilizada desde 1989 tem ressonância diplomática e simbólica aqui em Nova Iorque”, disse Daniel Forte, analista sénior de defesa e investigação da ONU no International Crisis Group, à Al Jazeera.

Mas Forte acrescentou que isto “não provocará uma mudança radical nos cálculos políticos dos membros mais poderosos do Conselho de Segurança”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *