O que você precisa saber sobre as novas variantes do vírus Corona | Notícias da pandemia de coronavírus

Na mesma época, as primeiras vacinas contra COVID-19 foram aprovadas e obtidas em dezembro de 2020, as autoridades de saúde do Reino Unido anunciaram a descoberta de uma nova cepa do vírus.

Relatórios iniciais baseados em evidências iniciais limitadas indicaram que poderia ser mais contagioso. Poucos dias depois, foi anunciado que outro tipo de vírus Corona havia sido descoberto na África do Sul, que na época registrava mais de 15.000 casos diários de COVID-19, o maior número da África.

E em janeiro, outra espécie foi descoberta no Brasil, que se originou no estado do Amazonas.

De acordo com o Dr. Dipti Gordasani, epidemiologista clínico e professor sênior da Queen Mary University of London, uma variante chamada D641G foi desenvolvida em fevereiro e março do ano passado em Wuhan, China, onde foi confirmado o primeiro caso conhecido de COVID-19 . Em dezembro de 2019.

“Essa variável foi associada a um aumento de cerca de 20-30% na portabilidade, que está rapidamente se tornando a alternativa dominante no mundo”, disse Jordanian à Al Jazeera.

“Isso destaca a resiliência desse vírus.”

Mas vamos começar do começo.

Qual é a alternativa?

As variantes são mutações de vírus. Todos os vírus sofrem mutação quando se copiam para se espalhar e prosperar. A maioria das mutações é insignificante – algumas podem realmente prejudicar o vírus e outras podem produzir uma variante que o torna mais transmissível.

Para dividir ainda mais, uma mutação é uma mudança no material genético do vírus – ou o que é chamado de RNA.

O vírus se espalha dentro do corpo ao se anexar a uma célula e depois entrar nela. Em seguida, eles fazem cópias de seu RNA, o que os ajuda a se reproduzir. Se houver um erro de transcrição, o RNA muda e isso é o que os cientistas chamam de mutação.

Brooke Nichols, professora associada da Escola de Saúde Pública da Universidade de Boston, disse que as mutações ocorrem com mais frequência com vírus de RNA porque o RNA “não tem a capacidade de“ revisar ”e, como tal, não pode corrigir erros que ocorrem durante a reprodução do vírus”.

“Isso pode se tornar um problema quando o vírus seleciona as mutações que permitem que o vírus se reproduza com mais eficiência”, disse Nichols à Al Jazeera.

READ  Um estudo israelense mostra que a infecção súbita por COVID-19 após a vacinação pode levar a sintomas de longo prazo

“Por exemplo, se uma pessoa foi infectada anteriormente, o vírus pode escolher mutações que podem evitar aquela imunidade anterior, ou escolher mutações que permitem que o vírus seja mais transmissível.”

Como as variáveis ​​afetam os humanos?

A doença coronavírus sofreu várias mutações desde o início da epidemia.

As três variantes descobertas no Reino Unido, África do Sul e Brasil sofreram alterações na proteína spike. Esta é a parte do vírus que se liga às células humanas e as torna melhores na infecção e disseminação de células.

Embora os cientistas concordem que as mutações nas três variantes tornam o vírus Corona mais contagioso, não há evidências de que elas realmente exacerbem a doença ou tenham maior probabilidade de causar a morte.

“As variantes não parecem tornar a doença coronavírus mais mortal”, disse Nichols. No entanto, as variantes tornam o vírus mais transmissível. Isso pode significar que mais pessoas podem ser infectadas mais rapidamente – e, portanto, ainda sobrecarregando os sistemas de saúde.

B 1.1.1.7

Em 14 de dezembro, as autoridades de saúde do Reino Unido relataram uma nova variante da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A variante, chamada B117, foi descoberta pela primeira vez em setembro em Kent, sudeste da Inglaterra. Em dezembro, a cepa respondia por 60 por cento dos novos casos de COVID-19 no Reino Unido, tornando-se a versão mais comum do coronavírus no país.

Embora as evidências preliminares sugiram que a variante pode ser até 30 por cento mais letal do que a cepa dominante anterior, os especialistas dizem que os dados são limitados e ainda há muita informação para determinar a extensão da infecção.

Foi inicialmente relatado que a variante poderia ser até 70 por cento mais transmissível, mas a pesquisa mais recente da Public Health England situa entre 30-50 por cento.

Pesquisas iniciais parecem mostrar que as vacinas são eficazes contra essa variante. Na semana passada, os testes de Novavax e Johnson & Johnson mostraram que eles eram 86 por cento e 66 por cento eficazes, respectivamente.

READ  No campo foi encontrada uma parte rochosa que se transforma em um antigo meteorito de 4,6 bilhões de anos

No final de janeiro, os cientistas disseram que experimentos mostraram que a vacina Moderna parecia funcionar contra a alternativa.

A cepa do Reino Unido foi descoberta em mais de 50 outros países, incluindo China, Índia e Estados Unidos

Recentemente, especialistas disseram que a variante tem uma mutação presente na variante sul-africana – E484K, que supostamente ajuda o vírus a escapar de partes do sistema imunológico e de anticorpos.

B1351

Uma equipe médica cuida de um paciente Covid-19 em uma enfermaria especial no Arweb Medical Center, onde a África do Sul atingiu um milhão de casos [File: Shafiek Tassiem/Reuters]

Dias após o anúncio da nova variante no Reino Unido, autoridades sul-africanas disseram em 18 de dezembro que uma nova espécie está se espalhando rapidamente no Cabo Oriental, no Cabo Ocidental e em KwaZulu-Natal.

A variante B1351 apareceu pela primeira vez no país em outubro e desde então se tornou a cepa de coronavírus dominante na África do Sul.

A variante também é encontrada em 32 outros países, incluindo o Reino Unido.

A pesquisa mostra que a variante também contém a mutação E484K, bem como a mutação N501Y – que parece torná-la mais transmissível.

Ensaios recentes mostraram que algumas vacinas são menos eficazes contra essa variante do que outras.

A empresa farmacêutica sueca britânica disse que a vacina, desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, parece oferecer proteção limitada.

A Novavax disse que dados preliminares de testes clínicos mostraram que sua vacina era 60 por cento eficaz para aqueles que não tinham HIV. A Johnson & Johnson disse que os ensaios clínicos conduzidos na África do Sul mostraram que sua vacina é 57 por cento eficaz na prevenção de casos moderados a graves de COVID-19. Ambas as vacinas não foram aprovadas pelos reguladores.

Em 25 de janeiro, a Moderna, cuja vacina está sendo lançada em todo o mundo, disse que estava desenvolvendo uma dose de reforço após descobrir que sua vacina era menos eficaz contra a variante sul-africana. Uma terceira injeção de reforço está sendo testada.

B11248

O tipo de coronavírus detectado no Japão com origem no estado brasileiro do Amazonas já é prevalente em sua capital, Manaus, reforçando as suspeitas iniciais de que possa ser mais contagioso. [Marcio James/AFP]

Em meados de janeiro, uma nova espécie separada foi descoberta em viajantes vindos do Brasil para o Japão.

As origens da variante B11248 remontam ao estado do Amazonas, no norte do Brasil, onde foi descoberto pela primeira vez em sua capital, Manaus, em dezembro.

READ  Depois de 8 voos ao espaço em um ano, é assim que o Falcon 9 se parece

Ele também tem uma mutação E484K.

“O que sabemos tem mutações independentes e compartilhadas com o Reino Unido e a África do Sul”, disse o Dr. Dipti Gordasani.

E ela continuou, dizendo que essa variável em particular levanta preocupação “porque foi associada em laboratório a uma diminuição significativa na equação de anticorpos direcionados às variantes anteriores”.

Durante a primeira onda do vírus no Brasil no ano passado, 76% dos residentes de Manaus foram expostos ao vírus.

“Mas ainda estamos testemunhando grandes ondas de lesões e não está claro no momento por que isso acontece”, disse Gordasani. “Pode ser porque estamos lidando com uma nova variante, por isso é mais transmissível, o que aumenta o limite da imunidade de rebanho. Mas também pode ser que essa variante evite, pelo menos para algumas pessoas, a resposta imunológica à variante anterior.”

Ele disse que o substituto estava presente em 51% das amostras coletadas de pacientes com coronavírus em dezembro. Em meados de janeiro, ele apareceu em 91% das amostras.

Os cientistas não entendem por que essa espécie é tão explosiva no Brasil e por que carrega um conjunto tão perigoso de mutações.

As vacinas terão sucesso com as novas cepas?

As mutações ajudam o vírus a escapar ou não é reconhecido pelos anticorpos.

No entanto, as vacinas treinam o sistema imunológico para atacar várias partes diferentes do vírus. Ou seja, os anticorpos da vacina têm como alvo muitas partes da proteína do pico, portanto, mesmo que parte do pico tenha sofrido mutação, as vacinas ainda fornecem um certo grau de proteção.

Em 27 de janeiro, a Pfizer disse que sua vacina era um pouco menos eficaz contra variantes no Reino Unido e na África do Sul.

Mesmo nos piores cenários, as vacinas que usam a tecnologia de mRNA, como a vacina Pfizer-BioNTech e Moderna, podem ser reprojetadas e modificadas para melhor corresponder em semanas ou meses, se necessário, dizem os especialistas médicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *