O que está na agenda do G20 no Brasil? Comece observando onde a Índia parou.

O que está na agenda do G20 no Brasil?  Comece observando onde a Índia parou.

Em 2009, a novela Caminho das Índias Ganhou o primeiro Emmy Internacional do Brasil. O programa de sucesso retrata personagens indianos e brasileiros enfrentando a turbulência social e econômica nos países em rápida modernização das décadas de 1990 e 2000. No mesmo ano, os líderes do Brasil e da Índia encontraram-se com os seus homólogos da Rússia e da China na primeira cimeira do BRIC em Yekaterinburg, na Rússia. Nos seus primeiros dias, os fundadores dos BRICS, que acrescentaram a África do Sul no ano seguinte para se tornarem BRICS, queriam articular uma visão comum para as prioridades económicas dos mercados emergentes.

Quinze anos depois, o Brasil e a Índia continuam a trocar opiniões sobre questões globais importantes. Pela primeira vez desde a sua criação em 1999, o G20 deterá quatro presidências sucessivas de economias emergentes (Indonésia em 2022, Índia em 2023, Brasil este ano e África do Sul em 2025). Quando os ministros dos Negócios Estrangeiros do G20 iniciarem a sua reunião no Rio de Janeiro, na quarta-feira, espera-se que vejam as opiniões partilhadas entre a Índia e o Brasil reflectidas num elevado grau de continuidade entre as agendas do G20.

Coletivamente, os membros do G20 representam mais de 80% do PIB global, três quartos do comércio global e dois terços da população mundial. Além disso, o Fórum continua a ser a principal plataforma global para a coordenação de políticas internacionais. Durante o próximo ano, os programas e pesquisas do G20 do Atlantic Council acompanharão como o Brasil está liderando o grupo na abordagem de quatro áreas principais (descritas abaixo) e trabalharão para fortalecer a continuidade com a presidência da África do Sul em 2025 e dos Estados Unidos em 2026. .

Segurança alimentar e erradicação da fome

Tanto Nova Deli como Brasília procuraram realçar as necessidades dos mercados emergentes e das economias em desenvolvimento através dos seus papéis na definição da agenda no G20. Talvez nenhuma necessidade seja tão urgente e generalizada como a insegurança alimentar. De acordo com o Programa Alimentar Mundial. 783 milhões de pessoas Todas as partes do mundo enfrentarão fome crónica em 2023, a maioria delas nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento.

Sob a presidência do G20 da Índia Declaração de Nova Deli Foi adotado por todos os membros na Cimeira dos Líderes. Entre outras disposições, o acordo comprometeu os membros a cooperar na investigação agrícola, no acesso a fertilizantes, no reforço de capacidades e na transparência do mercado para promover a segurança alimentar entre as populações vulneráveis. Em particular, a Índia confirme Exportação e fornecimento de milho-miúdo, em linha com o “Ano Internacional do Milho-miúdo” lançado pela Assembleia Geral das Nações Unidas. O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, foi ainda nomeado Ele ganhou um Grammy por sua participação na música “Plenty of Millet”.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, redobrou sua atenção à dimensão social do desenvolvimento, concentrando-se na luta contra a pobreza, a desigualdade e a fome. A segurança alimentar ocupa um lugar central na sua política interna e externa. Como presidente do G20, ele fez exatamente isso Anunciar Brasília pretende lançar uma Aliança Global Contra a Fome e a Pobreza numa cimeira de líderes em Novembro. O Brasil é o segundo maior exportador agrícola do mundo e desempenha um papel fundamental nas cadeias de abastecimento globais – especialmente nas cadeias de abastecimento para mercados emergentes e economias em desenvolvimento. Espera-se que vejamos o Brasil alavancar o seu peso nos mercados globais para construir consenso sobre o caminho a seguir no combate à insegurança alimentar este ano.

Financiamento e desenvolvimento climático

No que diz respeito ao clima e às finanças sustentáveis, a presidência brasileira do G20 parece preparada para aproveitar o legado da Índia, ao mesmo tempo que introduz inovações e personalizações notáveis. o Quatro prioridades para o Grupo de Trabalho sobre Finanças Sustentáveis ​​para 2024 Articula os interesses específicos do Brasil e o mandato geral do G20 de “construir um mundo justo e um planeta sustentável”. Por exemplo, instrumentos financeiros para Soluções baseadas na natureza Este ambiente está recebendo mais atenção do que nunca no Brasil, o que não deveria surpreender num país que contém dois terços da floresta amazônica e cerca de 15% a 20% da biodiversidade mundial.

Aproveitando a participação ativa do Brasil em diversas instituições financeiras internacionais, os especialistas financeiros brasileiros também colocam um forte foco técnico na coordenação simplificada entre bancos multilaterais de desenvolvimento e fundos verticais. A Troika da Índia, Brasil e África do Sul, que preside o G20, continuará a promover prioridades-chave para financiar o desenvolvimento do Sul Global, tais como Apenas uma transição Planos mistos e financiamento para adaptação (ver trabalho relacionado do Atlantic Council sobre este assunto aqui). Além disso, o Brasil tem uma oportunidade única de vincular a cúpula do G20 deste ano com a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas conhecida como COP30, que será sediada em Belém em 2025. O Brasil pode coordenar sua presidência de ambas as plataformas para catalisar o progresso contínuo em Belém em conquistas históricas. das recentes COPs, incluindo o Fundo para Perdas e Danos que foi anunciado durante a 28ª Conferência das Partes realizada no ano passado em Dubai.

Infraestrutura pública digital

Outra área de continuidade e alinhamento entre as presidências do G20 da Índia e do Brasil é o fornecimento de infraestrutura pública digital por meio de pagamentos, identidade e outras redes digitais criadas pelo estado para digitalizar e modernizar a prestação de serviços públicos. Através da plataforma Bix do Brasil e da Interface Unificada de Pagamentos da Índia, por exemplo, ambos os países obtiveram um tremendo sucesso na construção de ecossistemas de pagamentos digitais e no aumento da conectividade digital e financeira.

Através do Grupo de Trabalho de Pagamentos, os estados membros do G20 estabeleceram metas para modernizar os pagamentos para bancos centrais e instituições multilaterais. Estas metas abordam o custo, a transparência e a velocidade dos pagamentos globais. Em 2023, o custo dos pagamentos de retalho a empresas e indivíduos em todos os países excede o custo anteriormente definido 3 por cento Visando um quarto das jurisdições em todo o mundo. Da mesma forma, o custo médio das conversões é Mais que o dobro da meta De 3 por cento. Estas métricas medem o progresso alcançado pelo G20 e identificam as ações que os Estados-Membros ainda precisam de tomar para atingir estes objetivos até 2027 (para pagamentos de retalho transfronteiriços) e 2030 (para remessas).

Tanto a Índia como o Brasil estão a posicionar-se como líderes entre os mercados emergentes no fornecimento de infraestruturas públicas digitais, e o G20 fornece uma plataforma para mostrar os seus modelos de pagamento e identidade digital ao resto do mundo. Embora ambos os países vejam a adopção destas plataformas como um mecanismo para aumentar a inclusão financeira e estabelecer a democracia digital, a adopção de infra-estruturas públicas digitais numa escala mais ampla também colocará desafios. O G20 deve unir-se para fornecer quadros sólidos em matéria de privacidade de dados, proteção do consumidor, segurança cibernética, concorrência e cooperação público-privada. Estas serão discussões contínuas, que serão refletidas nas próximas metas no futuro.

Instituições financeiras internacionais

Durante a sua presidência do G20, a Índia iniciou um conjunto de processos e estruturas através… Declaração de Nova Deli Que se comprometeu a “prosseguir reformas para bancos multilaterais de desenvolvimento melhores, maiores e mais eficazes”. O anúncio também incluía parágrafos para melhorar os quadros de adequação de capital dos bancos multilaterais de desenvolvimento, o que alcançaria duzentos mil milhões de dólares adicionais em empréstimos durante a próxima década. Os esforços da Índia concentraram-se na qualidade e quantidade do financiamento fornecido pelas instituições financeiras internacionais e receberam o apoio dos Estados Unidos, o maior contribuinte do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

O Brasil acrescenta às prioridades da Índia o foco na boa governança e no aumento da influência dos mercados emergentes no processo de tomada de decisão das instituições financeiras internacionais. No entanto, os interesses divergentes entre os Estados Unidos e a China, as duas maiores economias do mundo, e as crescentes tensões geopolíticas entre a Rússia e as economias ocidentais dificultarão progressos significativos na governação económica global.

A Índia aprendeu muito no final do ano passado nas negociações para aumentar a quota do FMI – ou o capital que um país contribui para a instituição, que está ligado ao poder de voto desse país. Os Estados Unidos propuseram um aumento nas quotas que deixaria inalteradas as ações com direito a voto – uma proposta que suscitou críticas da China e de outras economias de mercado emergentes que se sentem sub-representadas no FMI. Em última análise, os países concordaram com o aumento “proporcional” dos recursos das quotas apoiado pelos EUA, empurrando, na verdade, a questão da expansão do poder de voto do FMI para os mercados emergentes para uma data posterior.

Tal como aconteceu com a presidência da Índia no G20, as conquistas do Brasil nesta área serão provavelmente incrementais, mas significativas. Por exemplo, o Brasil pode apresentar ideias inovadoras para aumentar as parcerias de financiamento privado e introduzir melhorias mensuráveis ​​nas operações das instituições financeiras internacionais e nas avaliações de impacto no desenvolvimento. Estes aumentos irão acumular-se, especialmente com a transferência da presidência do G20 em 2026 para os Estados Unidos, o maior acionista de sempre em diversas instituições financeiras internacionais. A reforma é uma prioridade atual para os Estados Unidos, como disse a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, no Conselho do Atlântico em abril de 2022 e noutros lugares, e o tema estará no topo da agenda quando os próximos ministros das finanças do G20 se reunirem durante a reunião do FMI-Banco Mundial em abril. . Reuniões de primavera em Washington, D.C.


Mrojanc Busary é diretor associado do Centro de Geoeconomia do Atlantic Council.

Ananya Kumar é Diretora Associada de Criptomoedas do Center for GeoEconomics.

Bebe Chang é membro sênior do Adrienne Arsht Center for Latin America do Atlantic Council.

Valentina Sader é vice-diretora do Centro Adrienne Arsht para a América Latina do Atlantic Council.

Leitura aprofundada

Imagem: Nova Delhi, 10 de setembro (ANI): O primeiro-ministro Narendra Modi entrega o martelo da presidência do G20 ao presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva durante a terceira sessão da Cúpula do G20, em Bharat Mandapam, Pragati Maidan, em Nova Delhi no domingo. (foto de Annie)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *