O Olímpico dá às crianças das favelas no Brasil uma chance de lutar

Movimentos inteligentes: Flávio Canto expande os horizontes das crianças da favela © Rodrigo Oliveira

Comecei no judô quando estava prestes a completar 14 anos. Sete anos depois, participei da minha primeira Olimpíada no Brasil. Meus destaques incluíram vencer sete campeonatos de judô nos EUA, um bronze olímpico em Atenas em 2004 e ser classificado como número um do mundo de 2006 a 2007.

Durante esses anos comecei a ver os muros invisíveis que existem no Rio de Janeiro. Comecei a dar aulas de judô na Rocinha, uma das maiores favelas da América Latina. Alguns anos depois, juntei-me a um grupo de amigos e fundei o Instituto Ricau para ajudar as crianças que vivem em favelas a se conectarem por meio do esporte e da educação e conseguirem, digamos, faixa-preta dentro e fora do tatame.

Foi emocionante ver que o que estávamos fazendo teve mais impacto do que eu jamais poderia esperar. Eu não sabia como os esportes são importantes quando se trata de mudar vidas. Não falávamos muito sobre soft skills na época, mas você pode desenvolver muitas delas praticando esportes. Perdemos um aluno nosso, de 16 anos, que foi assassinado; Está enterrado em nossa camisa de base. Naquele momento, percebi que estávamos fazendo algo realmente poderoso.

Este ano comemoramos os 20 anos da nossa instituição, o Instituto Reação, que dirijo. Todos nós do Conselho de Administração somos voluntários e temos 120 funcionários trabalhando em 13 favelas em cinco estados do Brasil. Tínhamos cerca de 20.000 alunos.

A ideia é ajudar essas crianças a acreditarem que podem ser quem quiserem – temos advogados, médicos, engenheiros e campeões olímpicos que saem de nossos programas.

READ  O governo brasileiro reduz sua previsão de crescimento do PIB

Como crescemos tanto, de repente tive que gerenciar uma equipe muito maior de mais de 100 funcionários e quase 4.000 alunos. Senti que era hora de voltar para a aula, inspirado pelos meus amigos da diretoria.

eu escolhi o brasil Fundação Dom Cabral E fiz três programas que me ajudaram de várias formas: Gestão Avançada, em parceria com dentro; Liderança transformacional e desenvolvimento de conselhos.

O que mais gostei foi do software de gestão avançada. Eu estava com cerca de 30 CEOs, alguns deles de empresas muito grandes no Brasil. Como parte do curso foi realizado no Inside, na França, o grupo tornou-se intimamente associado. Quando acabou, todos visitamos a empresa de cada participante – eles também vieram à nossa, o que foi muito útil para mim.

Flávio Canto’ © Rodrigo Oliveira

Todos os programas que realizamos no Reação têm o mesmo ímpeto da empresa, em termos de medição de impacto. O programa me ajudou a desenvolver habilidades como entender a cultura e as pessoas – e contar as histórias por trás da estratégia corporativa.

Não foi um programa longo: com aulas, durou cerca de um mês e meio. Também tínhamos muitos livros para ler e estudar. Não posso ficar muito tempo fora, porque minha vida aqui é muito corrida, então prefiro fazer os cursos onde você tem duas semanas de estudo intensivo.

Um dos pontos principais para mim foi a importância de construir a equipe certa. Antes de ir para os cursos, eu queria ser bom em todas as partes da organização. Os cursos me ajudaram a entender cada parte – de marketing a finanças – um pouco melhor. Mas também me ajudaram a entender o que eu precisava para escolher as pessoas certas para cada trabalho.

Também desenvolvi uma melhor consciência de minhas melhores e piores características como líder e sou capaz de entender o tipo de pessoa de que mais preciso em minha equipe para complementar minhas deficiências.

Nossa organização precisa de cerca de R$ 10 milhões (US$ 1,98 milhão) todos os anos, por isso estamos acostumados a pedir dinheiro. A melhor conquista dos ciclos foi o desenvolvimento de outro mecanismo de captação de recursos. Temos agora uma startup, a Cicclo, que oferece aulas particulares depois da escola em esportes, mas também em outras áreas como robótica, inglês e espanhol. Dessa forma, não apenas arrecadamos dinheiro para a fundação, mas também levamos crianças das favelas e dos cursos pós-escolares – que vêm de algumas das escolas mais caras do Brasil – e criamos times para que possam jogar futebol juntos.

Um dos meus principais problemas começa na escola. Crianças pobres não reconhecem crianças ricas e vice-versa. Quando as crianças em escolas caras falam sobre fazer algo de bom para as crianças nas favelas, é sobre doar brinquedos ou telefones velhos, e eles crescem vendo os pobres como pessoas inferiores do que eles. Quando você pratica esportes e os coloca no mesmo time, você faz com que eles tenham uma perspectiva diferente sobre as diferenças que eles têm.

O objetivo é que a startup Cicclo se torne tão grande que possa financiar totalmente a empresa e, esperançosamente, financiar outra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *