O Google está deixando de usar “cookies” para rastrear usuários

O Google se livrou dos “cookies” de rastreamento de usuários que permitem ao gigante da web veicular anúncios personalizados, mas também gerou uma violação por parte dos defensores da privacidade.

No mês passado, o Google revelou resultados de testes que mostram uma alternativa à longa prática de rastreamento, alegando que isso pode melhorar a privacidade online e ainda permitir que os anunciantes enviem mensagens relevantes.

“Essa abordagem efetivamente oculta os indivíduos na multidão e usa o processamento no dispositivo para manter o histórico da web de uma pessoa privado no navegador”, explicou Chetna Bendra, gerente de produto do Google, revelando o sistema denominado Federated Learning of Cohorts (FLoC).

“Os resultados indicam que, quando se trata de construir públicos com base em interesses, o FLoC pode fornecer um sinal alternativo eficaz para cookies de terceiros.”

O Google planeja começar a testar a abordagem do FLoC com anunciantes ainda este ano usando seu navegador Chrome.

“A publicidade é essencial para manter a web aberta a todos, mas o ecossistema da web está em risco se as práticas de privacidade não acompanharem as mudanças de expectativas”, acrescentou Bendra.

O Google tem muitos incentivos para mudar. A gigante da Internet nos Estados Unidos está sendo criticada pela privacidade do usuário e está totalmente ciente das tendências na legislação que protege os direitos das pessoas aos dados.

O medo crescente de rastrear cookies reforçou a legislação de direitos da Internet, como a Lei Geral de Proteção de Dados na Europa, e fez o gigante da Internet criar uma maneira de direcionar anúncios de forma eficaz sem saber muito sobre ninguém.

– ‘Pesadelo de privacidade’ –

Alguns tipos de cookies – que são arquivos de texto armazenados quando um usuário visita um site da Web – são adequados para logins e navegação em sites visitados com frequência.

READ  O Slack remove rapidamente a capacidade de enviar mensagens a estranhos com convites DM sobre questões de assédio

Qualquer pessoa que abre uma página de registro online apenas para inserir automaticamente seu nome e endereço, conforme apropriado, tem cookies de agradecimento. Mas outros tipos de cookies são vistos por alguns como ultrajantes.

“Cookies de terceiros são um pesadelo para a privacidade”, disse Bennett Sievers, especialista técnico da Electronic Frontier Foundation, à AFP.

“Você não precisa saber o que todo mundo fez apenas para colocar um anúncio para eles.”

Ela acreditava que a publicidade baseada em contexto poderia ser eficaz. Por exemplo, ser alguém que pesquisa receitas em um site de culinária que exibe anúncios de utensílios de cozinha ou mercearias.

O Safari e o Firefox já eliminaram os cookies de terceiros, mas eles ainda são usados ​​pelo navegador mais popular do mundo – o Chrome.

O Chrome foi responsável por 63% do mercado global de navegadores no ano passado, de acordo com a StatCounter.

“É uma responsabilidade legal e competitiva do Google continuar a usar cookies de terceiros, mas eles querem que sua atividade publicitária continue a prosperar”, disse Sayvers.

Cypher e outros estão preocupados com o uso do Google de uma fórmula secreta para agrupar usuários de Internet em grupos e dar-lhes emblemas de “grupo” do tipo que será usado para direcionar mensagens de marketing sem saber exatamente quem eles são.

“Há uma possibilidade de que isso exacerbe muitos problemas de privacidade”, disse Sayvers, indicando que o novo sistema poderia criar crachás de “grupo” de pessoas que podem ser visadas com pouca transparência.

“Existe uma caixa preta para o aprendizado de máquina que inclui cada pedacinho de tudo que você fez, até mesmo em seu navegador, e exibe um pôster dizendo que você é esse tipo de pessoa”, disse Sayvers.

READ  Discord termina negociações com a Microsoft

“Os anunciantes irão decifrar o que significam essas classificações.”

E ele esperava que os anunciantes finalmente deduzissem tags que incluem idades, gêneros ou etnias específicas e quais pessoas são suscetíveis a visões políticas extremistas.

Os profissionais de marketing da Open Web Business Alliance estão fazendo campanha contra o movimento coletivo do Google, questionando sua eficácia e argumentando que isso forçará mais anunciantes a entrar em seu “jardim murado”.

“As propostas do Google são ruins para os proprietários de mídia independente, ruins para a tecnologia de publicidade independente e ruins para os profissionais de marketing”, disse o diretor da Alliance James Roswell em um comunicado.

gc / rl

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *