O Comissário de Comércio da União Europeia cancela viagem ao Brasil à medida que diminuem as perspectivas de um acordo com o Mercosul

Mantenha-se informado com atualizações gratuitas

O Comissário de Comércio da União Europeia, Valdis Dombrovskis, cancelou uma viagem ao Brasil para finalizar o acordo comercial histórico do bloco com o grupo de países Mercosul da América do Sul, com perspectivas de um acordo ser concluído este ano diminuindo.

O Comissário de Comércio da UE estava programado para viajar ao Rio de Janeiro para participar de uma reunião dos países do Mercosul, que inclui Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, no dia 7 de dezembro.

Mas o tão esperado acordo enfrentou reveses, incluindo uma mudança de governo na Argentina e uma expressão pública de oposição por parte do Presidente francês, Emmanuel Macron.

Macron expressou um estado de incerteza sobre a conclusão do acordo após sua reunião com o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, na cúpula do clima COP28, realizada pelas Nações Unidas no sábado. O presidente francês disse estar preocupado com a falta de metas ambientais.

Sou contra o acordo do Mercosul com a União Europeia. É um acordo completamente contraditório com o que [Lula] O que fazemos no Brasil e com o que fazemos. “É um acordo que foi negociado há 20 anos e tentamos corrigi-lo, mas foi mal resolvido”, disse Macron.

“Não posso pedir aos nossos agricultores e fabricantes em França, mas também em toda a Europa, que façam esforços para implementar novas regras de descarbonização… e de repente dizer: ‘Vou remover todas as tarifas para permitir a entrada de produtos aos quais estas regras não se aplicam .’”

READ  Tamanho, escopo e previsão do mercado de cera de palma
Emmanuel Macron e Luiz Inácio Lula da Silva na cúpula do clima COP28 no sábado © Ludovic Marin/AFP via Getty Images

Os comentários de Macron frustraram os responsáveis ​​da União Europeia que esperavam estar prestes a chegar a um acordo que estava em negociações há duas décadas.

A próxima mudança de governo na Argentina também levantou dúvidas. O presidente eleito Javier Miley, um libertário radical, já criticou anteriormente o bloco do Mercosul como protecionista. A sua ministra dos Negócios Estrangeiros designada disse na semana passada que apoia o acordo com a União Europeia, e disse numa conferência empresarial: “Seria muito melhor chegar ao acordo do que não alcançá-lo”.

Mas Miley e sua administração devem tomar posse em 10 de dezembro, complicando ainda mais o cronograma do acordo, já que os nomeados comerciais do novo governo só tomarão posse depois da reunião do Mercosul no Brasil.

Dois diplomatas da União Europeia disseram que as hipóteses de chegar a um acordo este ano estavam a diminuir, enquanto um deles disse que as negociações sobre o acordo poderiam ruir completamente até ao verão de 2024.

Os negociadores enfrentaram uma série de reveses em relação ao desejo da UE de acrescentar mais compromissos ambientais desde o acordo provisório em 2019.

Um importante diplomata brasileiro disse que Brasília pretende “continuar trabalhando com… [European] “A Comissão e o novo governo argentino, porque estamos perto de chegar a um acordo.” O diplomata disse que o governo de Miley manifestou o desejo de avançar com o acordo.

Os próximos dias, que coincidem com o fim da presidência rotativa do Brasil no Mercosul, serão vitais para a finalização do acordo, que será o primeiro entre o bloco do Mercosul e um dos seus parceiros comerciais. Abrangerá países com uma população total de 780 milhões de pessoas.

READ  Uma semana antes da prévia econômica: semana de 22 de agosto de 2022

O presidente paraguaio, Santiago Peña, também alertou que o Mercosul poderá retirar-se se a UE não finalizar o tratado até 6 de dezembro.

Questões notáveis ​​incluem a concorrência nos contratos públicos e preocupações sobre a legislação da UE relativa à desflorestação e aos requisitos ambientais.

O presidente Lula deve chegar a Berlim no domingo para conversações com o chanceler alemão, Olaf Scholz. Ao contrário da França, o governo de coligação da Alemanha apoiou o acordo.

Luisa Santos, vice-diretora-geral do órgão industrial BusinessEurope, disse que o acordo foi importante para o crescimento económico do bloco.

“O Mercosul é ainda mais importante num momento em que a nossa economia enfrenta ventos contrários e as empresas lutam para se manterem competitivas. Não fazer o Mercosul é um grande erro do ponto de vista político, económico e de desenvolvimento sustentável”, afirmou Santos.

Um porta-voz da Comissão disse que a UE e o Mercosul “estão envolvidos em discussões intensas e construtivas com o objetivo de finalizar um acordo político, de cooperação e comercial”.

Acrescentaram: “As negociações continuarão com um espírito construtivo, com a ambição de concluí-las o mais rapidamente possível”.

Reportagem adicional de Michael Stott e Ciara Nugent

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *