O cancelamento das assinaturas do D&D Beyond forçou a mão da Hasbro

Esclarecimento: Vicki Lita

Finalmente a editora de Dungeons & Dragons Wizards of the Coast Ele quebrou o silêncio Em relação à licença de jogo aberto na sexta-feira, tentando acalmar Tensões na comunidade de D&D E responda a perguntas levantadas após o Gizmodo dei a notícia Sobre o conteúdo do rascunho do documento da semana passada.

Em uma mensagem intitulada Atualização na Open Game License (OGL), que foi postado no site do D&D Beyond, o kit de ferramentas digital oficial da Wizards of the Coast, a empresa abordou várias preocupações levantadas depois que a licença do Open Gaming 1.1 vazou no início da semana e a trouxe de volta rapidamente. Mudanças notáveis ​​incluem a eliminação de estruturas de propriedade e esclarecimentos promissores Propriedade de direitos autorais e propriedade intelectual.

Mas pode ser muito pouco, muito tarde.

Apesar das garantias da subsidiária Hasbro, a Wizards of the Coast (WotC) pode já ter sofrido as consequências da Semana do Silêncio. Várias fontes dentro da WotC dizem ao Gizmodo que a situação dentro do castelo é terrível e que a Hasbro está menos preocupada com a imagem pública e mais com o tesouro IP em que o dragão está.

O resultado final parece ser o seguinte: depois de uma campanha liderada por fãs pelo cancelamento D&D Além das assinaturas que viralizaram, enviei uma mensagem para a WotC e para a Hasbro. De acordo com várias fontes, essas consequências financeiras imediatas foram a principal coisa que os forçou a revidar. A decisão de adiar a publicação da nova licença de jogo aberto e, em seguida, ajustar as mensagens em torno da oferta deveu-se a um “impacto demonstrável” no resultado final.

Segundo essas fontes, em reuniões e comunicações com os funcionários, as mensagens da direção da WotC eram de que os fãs estavam “exagerando” ao rascunho vazado e que, em alguns meses, ninguém se lembraria do alvoroço.

Licensees are pushing back

But despite any hopes that this all might blow over, well-known publishers who have previously used the OGL—some almost exclusively, such as Kobold Press, and MCDM— have already put out statements saying that they will either be moving away from all versions of the OGL, or explicitly offering up their own gaming licenses for their core games.

The “negative impact of implementing the new OGL might be a feature and not a bug for Wizards of the Coast,” said Charles Ryan, chief operating officer of Monte Cook Games. “A savvy third-party publisher might look at where 5e is in it life cycle,” he said, and if they were planning 5e products, reconsider their investment. Monte Cook Games released their own open, perpetual license for their acclaimed Cypher System last year.

Smaller indie presses have pulled together resources to help people make third-party content for small games. Rowan, Rook e Deckardpor exemplo, lançou Kit de ferramentas de resistênciaum documento destinado a ajudar os designers das regras de D&D da 5ª edição e a escrever conteúdo de terceiros para o aclamado RPG Pináculo.

Um editor terceirizado disse ao Gizmodo que esperava que o WotC atualizasse o OGL conforme indicado nos documentos vazados, mas não até 2025, durante o lançamento completo do DnDOne. Agora, muitos editores terceirizados avançaram na linha do tempo de migração após o desastre publicitário em torno da novidade vazada Masmorras e Dragões OGL.

Uma das maiores concorrentes da WotC, a editora independente Paizo, é proprietária Desbravador E localizador de estrelas RPGs, atualmente lidera uma campanha para criar um Open RPG Creative License (ORC) que será supervisionado por uma organização sem fins lucrativos. Outros editores, incluindo Kobold Press, Chaosium e Legendary Games, já se comprometeram com o esforço.

Outro editor terceirizado que pediu anonimato disse ao Gizmodo que sua empresa “já colaborou com outros editores terceirizados” para fornecer uma defesa legal para o original, por volta de 2000, OGL 1.0(a).

Texto do FAQ OGL 1.1 e 2.0

Na semana passada, o Gizmodo recebeu versões preliminares vazadas do “OGL 1.1” e, alguns dias depois, um documento de perguntas frequentes que se referia ao “OGL 2.0”. (Essa é uma distinção importante porque, embora o 1.1 possa ser visto como uma atualização do 1.0(a) original, chamar o novo contrato de 2.0 indicaria que ele está sendo imaginado como um contrato totalmente novo e separado.)

Uma das perguntas mais frequentes sobre o OGL 2.0 incluía uma declaração que esclareceu um dos pontos mais inflamatórios do OGL 1.1 vazado – se o OGL 1.0a original seria ou não revogado. O FAQ vazado dizia que “o OGL 1.0a permite apenas que os criadores usem versões “autorizadas” do OGL, o que permite que os Wizards selecionem qual de suas versões anteriores continuar permitindo o uso quando exercemos nosso direito de atualizar a licença. Como parte do OGL 2.0 lançamento, estamos revogando a licença OGL 1.0a de uso futuro e removendo de nosso site. Isso significa que OGL 1.0a não pode mais ser usado para desenvolver conteúdo para lançamento.”

Embora muitas pessoas tenham se apresentado para debater a legalidade dessa interpretação, incluindo o ex-CEO da WotC, Ryan Dancey, que ajudou a escrever o OGL 1.0 original, o FAQ continuou a conduzir essa linguagem. Além disso, a atualização de 13 de janeiro não indica explicitamente que a empresa não tentará revogar a licença OGL 1.0a. “Não acho que a licença OGL v1.0a possa ser revogada”, disse Dancey em um e-mail ao Gizmodo. “Não há nenhum mecanismo na licença para revogar a autorização.”

“Quando a versão 1.0a foi publicada e licenciada, a Hasbro & Wizards of the Coast o fizeram sabendo que estavam entrando em um regime de licenciamento perpétuo”, continuou Dancey. Todas as pessoas envolvidas no nível executivo – Peter Adkison (que era CEO da Wizards), Brian Lewis (que era consultor da In-house Wizards) e eu (que era o vice-presidente de RPGs de mesa) concordamos que a licença foi destinado.”

Embora o FAQ do OGL 2.0 tenha sido distribuído por várias equipes da Wizards of the Coast, fontes indicam que este FAQ não foi lançado em 12 de janeiro como planejado devido ao impacto das assinaturas canceladas e à crescente reação online.

O FAQ do OGL 2.0 também afirmou que “os documentos vazados eram rascunhos e parte do conteúdo que preocupava as pessoas já havia sido alterado nas versões mais recentes na época dos vazamentos”. No entanto, o que incomoda as pessoas – incluindo direitos autorais e royalties – ainda parece o mesmo que no FAQ para 2.0.

explicou Jessica Markrum, co-criadora Estúdios Unseelie. Mas esta não é uma linguagem “aberta”. E eles parecem estar usando o antigo visual OGL para fingir que 1.1 é uma licença de concessão aberta quando não é.”

Além disso, várias fontes relataram que editores terceirizados receberam o OGL 1.1 em meados de dezembro como um incentivo para assinar um “acordo de amor”, indicando que a WotC estava disposta a aceitar o OGL 1.1 já vazado e draconiano.

Trabalhos de conclusão de curso

De acordo com uma fonte anônima que estava na sala, no final de 2022, a Wizards of the Coast fez uma apresentação para um grupo de cerca de 20 criadores de conteúdo terceirizados que delinearam o novo OGL 1.1. Esses criadores também receberam ofertas que substituiriam o OGL 1.1 disponível publicamente; O Gizmodo recebeu uma cópia deste documento, chamada de “Folha de Termos”, que será usada para definir contratos personalizados específicos dentro da OGL.

Esses acordos “queridinhos” darão aos signatários o direito a pagamentos de royalties reduzidos – 15% em vez de 25% sobre o excesso de receita acima de $ 750.000, conforme declarado no OGL 1.1 – e um compromisso da Wizards of the Coast de comercializar esses produtos de terceiros para vários D&D está fora dos canais e plataformas, exceto nos “períodos de blecaute” em torno dos lançamentos da própria WotC.

Esperava-se que terceiros assinassem esses papéis do termo. Noah Downs.

Faça certo

Em uma “atualização de licença de jogo aberto” lançada na sexta-feira, a WotC prometeu que o novo OGL ainda está em desenvolvimento e não está pronto para o lançamento final “porque precisamos ter certeza de que acertaremos”. A empresa prometeu receber feedback da comunidade e continuar a fazer revisões no OGL, o que o fez funcionar tanto para a WotC quanto para seus editores terceirizados.

Mas pode ser tarde demais. Mesmo que os Wizards of the Coast estejam todos andando [the leaked OGL 1.1] Deixa um gosto tão amargo na minha boca que não quero trabalhar com a OGL no futuro, disse David Markowski da Unseelie Studios.

Enquanto isso, a campanha “#DnDBegone” incentivando os fãs a cancelar as assinaturas de D&D Beyond continuou a ganhar força no Twitter e em outros sites de mídia social.

Para excluir completamente uma conta do D&D Beyond, os usuários são direcionados a um sistema de suporte que solicita que eles enviem tickets para serem tratados pelo atendimento ao cliente: Fontes da Wizards of the Coast confirmam que no início desta semana havia um valor de “cinco dígitos” de reclamação de boletos no sistema. Eles disseram que tanto a moderação quanto o gerenciamento interno dos problemas estavam “em frangalhos”, em parte devido ao fato de que a WotC havia reduzido recentemente a equipe de suporte do D&D Beyond.

A Wizards of the Coast mencionou em um FAQ inédito que as mudanças não foram feitas no OGL apenas por causa de alguns “ruídos altos”, o que é verdade. Levou milhares de votos. E a Wizards of the Coast claramente não fez as mudanças mais recentes por vontade própria. Todo o ecossistema de gamão exige que a Wizards of the Coast cumpra as promessas feitas em 2000. Agora, os fãs estão estabelecendo os termos.


Quer mais notícias do io9? Confira quando esperar o mais recente maravilhaE Guerra das EstrelasE Jornada nas Estrelas Lançamentos, o que vem a seguir DC Universe no cinema e na TVe tudo o que você precisa saber sobre o futuro Doutor quem.

READ  Starfield PSA: Você precisa definir missões importantes para chegar a essa coisa legal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *