O Brasil no centro das atenções: Por que o G20 é importante?

Desde a ascensão do G20 para coordenar acções políticas globais na sequência dos desafios económicos globais, a Câmara de Comércio dos EUA tem desempenhado um papel de liderança fundamental no apoio ao envolvimento do sector privado no processo anual do G20.

Este ano, com o Brasil assumindo a presidência do G20, a Câmara Americana amplia suas contribuições às discussões políticas do G20. Tal como nos anos anteriores, a Câmara defende os interesses das empresas americanas no cenário global. Abaixo, exploramos por que o G20 é importante agora e por que queremos que você se envolva.

História do G20

O G20 nasceu da crise financeira e tornou-se uma plataforma proeminente para a cooperação económica global. Esta aliança, que inclui 19 países, a União Europeia e a União Africana desde o ano passado, representa as principais economias do mundo. Juntos, estes países representam aproximadamente 90% do PIB global, 80% do comércio global e dois terços da população mundial. Todos os anos, a presidência do G20 é rotativa, permitindo ao país anfitrião moldar a agenda global. Em 2024, essa responsabilidade recai sobre o Brasil.

Conheça o anfitrião, Brasil

O Brasil ocupa o centro do cenário mundial com grande impulso. O Brasil é indiscutivelmente pioneiro e líder na América Latina e é classificado como a nona maior economia do mundo (2023). Este ano, o país não só acolhe o G20, mas também se prepara para acolher a Cimeira do G20OP30 em 2025. A Câmara dos EUA tem extensos programas planejados para ambos os eventos.

A presidência do Brasil chega num momento crítico para o multilateralismo. Os últimos anos testemunharam um declínio na confiança entre os países em desenvolvimento e desenvolvidos e um aumento nos desafios globais. Este contexto sublinha a necessidade urgente de uma acção unida para abordar questões económicas globais prementes. Sob a liderança do Brasil, isso significará uma focar No combate à fome e à pobreza, na aceleração da transição para a energia sustentável, na promoção de bioeconomias sustentáveis ​​e na remodelação dos sistemas comerciais e dos fluxos de investimento para alcançar os objetivos de desenvolvimento.

A relação entre os Estados Unidos e o Brasil

A relação bilateral, em uma palavra, é… forte. O comércio de bens e serviços dos EUA com o Brasil totalizou cerca de US$ 120,7 bilhões em 2022. Os investimentos dos EUA no Brasil também são significativos, ultrapassando US$ 145 bilhões e representando 23% do investimento estrangeiro direto total no país. Esses investimentos, principalmente em indústrias manufatureiras de capital intensivo, promovem a criação de muitos empregos formais de alta qualidade no Brasil. Também proporciona oportunidades indiretas a muitas pequenas, médias e microempresas e é vital para várias cadeias de valor. Coletivamente, os investimentos americanos estão desempenhando um papel fundamental na industrialização do Brasil e no crescimento da sua economia formal.

E os Estados Unidos?

Além desses fortes laços, os Estados Unidos planejam trabalhar em estreita colaboração com o Brasil durante a sua presidência do G20. Os Estados Unidos terão como objectivo aproveitar as conquistas da presidência da Índia, aguardar com expectativa o mandato da África do Sul em 2025 e depois preparar-se para a sua presidência em 2026. Antes de 2026, os Estados Unidos concentrar-se-ão na assistência aos países em desenvolvimento, na abordagem das crises globais e no fortalecimento cooperação internacional . Promover iniciativas sustentáveis ​​nas áreas da saúde, alterações climáticas, sustentabilidade alimentar e transformação digital. Muitos dos projetos que o Brasil e os Estados Unidos planejam implementar juntos exigirão a participação do setor privado para terem sucesso.

Em que nos concentramos

Todos os anos, o B20, a contrapartida comercial do G20, avança com contribuições da Câmara dos EUA Recomendações políticas Em áreas vitais como o comércio, a energia, o clima, a transformação digital e o financiamento de infraestruturas. Além das recomendações do G20, o foco da Câmara incluirá a defesa de:

  • Reforma do financiamento do desenvolvimento A administração Biden está a trabalhar ativamente para reestruturar o Banco Mundial, complementando-o com a mobilização de financiamento adicional para o desenvolvimento. O objectivo da Câmara é ajudar a remodelar a infra-estrutura financeira global, tornando-a mais propícia ao desenvolvimento sustentável e economicamente benéfico dos intervenientes dos sectores público e privado.
  • Sustentabilidade alimentar O combate à fome é um dos maiores desafios que a humanidade enfrenta. A Câmara dos EUA está empenhada em encontrar soluções inovadoras para o duplo desafio de satisfazer a crescente procura de alimentos e garantir a sustentabilidade ambiental. Nosso foco está no fortalecimento de um sistema que garanta uma cadeia de abastecimento alimentar segura, eficiente e confiável. Ao fazê-lo, esforçamo-nos para acabar com a fome e desenvolver comunidades saudáveis ​​em todo o mundo.
  • Riscos ambientais e climáticos Como parte do nosso compromisso de enfrentar a eficiência energética e os desafios climáticos, trabalharemos para promover soluções empresariais seguras, prósperas e amigas do ambiente. Nosso foco está no desenvolvimento de práticas sustentáveis ​​que beneficiem a economia e o meio ambiente.
  • comérciocontinuidade Reconhecendo o consenso entre os líderes do G20 sobre a importância crítica da sustentabilidade do comércio global, comprometemo-nos a reforçar o papel vital desempenhado pela empresa privada. O nosso objetivo é permitir transformações económicas sustentáveis ​​e promover o crescimento em linha com as visões e objetivos definidos pelo G20.

Mais está chegando

A presidência do Brasil no G20 apenas começou. A Câmara dos EUA participará activamente e adaptará os seus programas em resposta às Calendário do G20. Ao longo do ano, trabalharemos com a Confederação Nacional da Indústria do Brasil, CNI, para garantir que a voz do setor privado seja proeminente. As iniciativas da Câmara começarão com o evento inaugural do B20, em 29 de janeiro, no Rio de Janeiro, seguido de conversações de alto nível em Brasília com sherpas dos principais ministérios do governo brasileiro.

A Câmara continuará a compartilhar mais informações sobre sua participação no G20 sob a liderança do Brasil. Vamos, Corajoso!

Sobre os autores

READ  Brasil tem superávit comercial de US$ 8,8 bilhões em junho Por Reuters

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *