O Brasil não fez nenhum pedido aos Estados Unidos em relação a Bolsonaro, ministro Torres

BRASÍLIA (Reuters) – O governo brasileiro disse nesta sexta-feira que não fez nenhum pedido aos Estados Unidos sobre o ex-presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça que as autoridades estão procurando depois que apoiadores do ex-líder invadiram prédios importantes na capital. .

O Supremo Tribunal Federal ordenou a prisão do ex-ministro Anderson Torres, que disse que iria se entregar, mas agora está na Flórida, assim como Bolsonaro.

Dezenas de congressistas dos EUA pediram aos EUA que revogassem o visto de Bolsonaro depois que seus apoiadores invadiram Brasília no início deste mês.

O novo ministro da Justiça, Flavio Dino, disse em entrevista coletiva que esperará até a próxima semana para reavaliar o caso Torres, indicando que uma tentativa de extradição pode ocorrer caso o ex-ministro não se entregue.

O desembargador Alexandre de Moraes, do STF, expediu o mandado de prisão contra Torres, após invadir prédios públicos em Brasília no último domingo. Torres era ministro da Segurança de Brasília e foi demitido poucas horas depois do ataque.

Na quinta-feira, a polícia encontrou na casa de Torres um projeto de portaria que parece ser uma proposta para interferir no resultado das eleições de outubro, que Bolsonaro perdeu.

O ex-procurador-geral, que diz estar de férias em Orlando, alegou que o documento relatado provavelmente estava entre outros em uma pilha que havia sido descartada e “vazada” em sua ausência para criar uma “narrativa falsa”.

Bolsonaro, por sua vez, viajou para os Estados Unidos às vésperas do término de seu mandato, evitando passar a faixa presidencial ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua posse. Até o momento, ele não foi formalmente investigado pelo vandalismo de domingo.

READ  Fulham fechou acordo de £ 17,2 milhões para o meia português João Balenha, do Sporting de Lisboa

Dino confirmou que não houve nenhuma providência em relação ao ex-presidente também.

Reportagem de Ricardo Brito; Edição por Stephen Grattan e Alistair Bell

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *