O Brasil caminha para a coprodução internacional

BUENOS AIRES – O Brasil está voltando como uma potência produtiva na América Latina. Na segunda-feira, em Ventana Sur, representantes das principais autoridades federais, estaduais e municipais, além de um grande produtor, delinearam alguns rumos que a gigante gostaria de tomar ao retornar.

Aquilo importa. As duas palavras que os quatro palestrantes repetiram em mesa redonda no primeiro dia no Ventana Sur, “Panorama da indústria audiovisual brasileira e oportunidades de cooperação com São Paulo”, foram “coprodução internacional”.

Para outras potências latino-americanas e seus parceiros na Europa, o Brasil pode contribuir novamente com muitas coisas.

Em 11 de maio, a Lei Paulo Gustavo, uma iniciativa de recuperação pós-pandemia, destinou R$ 2,8 bilhões (US$ 571 milhões) aos setores audiovisuais do Brasil. Isso agora foi entregue aos 27 estados e 5.000 cidades do Brasil, para que eles usem como quiserem, seja em incentivos à produção e distribuição ou na criação de uma economia local do conhecimento, disse André Ricardo Araujo Virgens, coordenador geral da Secretaria Nacional do Audiovisual do Brasil, que faz parte do Ministério das Relações Exteriores da cultura. diverso Em Ventana Sur.

A política faz parte do movimento do Tratado Federal em direção à descentralização, uma das preocupações do presidente Lula.

Liliana Croco, coordenadora da Unidade de Promoção Cultural do Estado de São Paulo, confirmou que São Paulo – estado e municípios – recebeu R$ 300 milhões (US$ 61,2 milhões) da Lei Paulo Gustavo e está “finalizando as linhas de financiamento”.

Croco acrescentou que o estado de São Paulo tem uma das maiores produções do Brasil, mas mesmo assim quer crescer, pois o cinema e a televisão não são apenas uma cultura, mas uma indústria forte.

READ  Quanto às apostas, o Brasil é um forte candidato a se classificar em primeiro lugar

Ela enfatizou que graças a incentivos bem estabelecidos e à lei, o apoio direto ao setor triplicou.

O Fundo Setorial do Audiovisual do Brasil, o fundo central de apoio, está injetando um adicional de R$ 1 bilhão (US$ 204,1 milhões) para 2022 e outro R$ 1 bilhão para 2023 no setor audiovisual, elevando a injeção financeira total para 2023 para R$ 4,8 bilhões (US$ 972 milhões ). Milhão de dolares) ).

O pagamento do incentivo da FSA está “a caminho, embora ainda não tenha sido finalizado”, disse Araujo Vergenz, tendo sido lançados convites à apresentação de candidaturas para diversas linhas de financiamento.

Por meio de uma parceria exemplar entre o estado de São Paulo e a Câmara Municipal, São Paulo agora administra um incentivo em dinheiro de US$ 8 milhões para atrair filmagens internacionais em todo o estado, oferecendo descontos que variam de 20% a 30% das despesas elegíveis até um máximo de 3,2, disse Luiz Toledo. Um milhão de reais. , Diretor de Investimentos e Parcerias Estratégicas da Spcine, Agência de Promoção da Cidade de São Paulo.

João Rooney, Luiz Toledo e Liana Crocco
Crédito: Jennifer Haslop/Ventana Sur 2023

Ele acrescentou que o incentivo em dinheiro se mostrou tão popular que seu orçamento se esgotou em menos de 24 horas, atraindo fotógrafos que investiram um total de US$ 50 milhões em São Paulo.

Uma das grandes dúvidas é se o adversário da terceira fase, em São Paulo, será anunciado em breve e se terá novos critérios.

Os participantes concordaram que a chave para estes investimentos é a produção conjunta internacional.

“Estamos num momento de mudança, de mudança constante, de reconstrução, o que significa que estamos mais uma vez a retomar iniciativas que foram interrompidas nos últimos anos”, disse Arajo Vergens. Exemplo: ratificação de um novo acordo de coprodução com a França.

Outras iniciativas são em grande parte novas, como o acordo quadrilateral de coprodução entre os quatro países do Mercosul: Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. “Se tudo correr bem, este acordo será assinado na cimeira do Mercosul na próxima semana em tempo recorde”, disse Arajo Vergennes.

“Nosso desafio é a coprodução”, disse ele, uma política fortemente apoiada por Guelma Gonzaga, secretário do audiovisual do Brasil, que também foi coordenada com a agência Ancine.

Tendo o Mercosul como “ponto de partida”, acompanhado de outros acordos agora negociados, “podemos atingir com mais força outros segmentos, não só na área da coprodução, mas também na distribuição”. em breve poderemos anunciar novos elementos.” Para esta edição, é uma prática mais eficaz”, disse, lembrando que a coprodução pode criar a base para todo um ecossistema do setor audiovisual.

“Quantas pessoas aqui nesta sala produziram coproduções internacionais?” perguntou Rooney, coprodutor da Ocean Films, que esteve por trás do filme brasileiro vencedor do Oscar “Pequeno Segredo”, e membro do conselho da Bravi, uma associação de produtores independentes no Brasil que tem cerca de 7.000 membros ativos.

Apenas algumas mãos se levantaram. “O Brasil está atrás de muitos países menores por causa de seu tamanho [internal] “O mercado”, disse Ronnie. “Temos a responsabilidade de crescer, tendo em conta a nossa infra-estrutura para oportunidades de negócio”, acrescentou, citando uma viagem familiar ao Japão e à Coreia que permitiu aos produtores compreender que tipo de projectos poderiam oferecer aos potenciais parceiros lá, “o que é crucial .” específico.”

A coprodução é fundamental, permitindo que os parceiros retenham parte da propriedade intelectual e concorram com a indústria internacional, disse Toledo.

Rooney observou que o Brasil estava prestes a negociar a regulamentação da propriedade intelectual, uma vez que esses serviços estavam abertos à coprodução e, portanto, ao compartilhamento da propriedade intelectual.

Toledo observou que o incentivo em dinheiro de São Paulo permite que empresas brasileiras recebam até 30% dos ganhadores de descontos em dinheiro, abrindo portas para a coprodução minoritária.

Espere que mais projetos brasileiros e de maior escala comecem a chegar em Ventana Sur.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *