O aumento do vírus está forçando o fechamento de São Paulo na reabertura de Buenos Aires

São Paulo (Associated Press) – Uma onda de casos COVID-19 interrompeu os passos do samba na maior cidade do Brasil, enquanto a capital argentina ruma para a terra do tango.

As duas maiores cidades de cada um dos países vizinhos da América do Sul estão caminhando em direções opostas, refletindo como aqueles que afrouxam as restrições apesar das advertências dos cientistas veem um aumento da pandemia, enquanto outras cidades que mantêm medidas de distanciamento social conseguem reabrir seu economias. .

O governador João Doria disse a repórteres na quarta-feira que São Paulo, onde vivem quase 12 milhões de habitantes, está se preparando para as duas piores semanas de sua história em meio à pandemia e ao risco crescente de colapso de seu sistema de saúde antes resiliente. Os pacientes do COVID-19 ocupam mais de 75% dos leitos de terapia intensiva da cidade, e algumas enfermarias – como as do Hospital Albert Einstein privado – estão lotadas pela primeira vez.

Doria anunciou que todo o estado, onde vivem 46 milhões de pessoas, enfrentará o maior nível de restrições no sábado para impedir a propagação do vírus. Isso significa que todos os bares, restaurantes, shoppings e qualquer outro estabelecimento considerado não essencial estarão fechados pelo menos até 19 de março.

Enquanto isso, os cerca de 3 milhões de residentes de Buenos Aires estão desfrutando de um relaxamento das restrições que lhes são impostas, com permissão para assistir aos cinemas a partir desta semana. Na quarta-feira, dados oficiais mostraram que apenas 26% dos leitos de terapia intensiva são ocupados por pacientes do COVID-19. A baixa taxa de internação também permitiu que as autoridades locais reabrissem, em meados de fevereiro, bares e restaurantes até as 2h – algo que uma cidade famosa por sua cultura sempre buscou durante seu horário de funcionamento.

READ  Telescópio espacial Hubble da NASA com defeito: a solução de problemas identifica uma possível solução

Isso significa que as populares churrascarias de Buenos Aires estão reacendendo o fogo, enquanto as de São Paulo estão apagando o fogo.

Os cassinos de Buenos Aires também reabriram no final de 2020, e as autoridades estão debatendo se a cidade louca por futebol poderá retornar aos estádios em breve. No Brasil, apesar da tentativa de Bolsonaro de permitir o retorno dos torcedores, nenhuma autoridade local está considerando seriamente a abertura de estádios. A Praça NeoQuímica, com 48 mil lugares, na zona leste de São Paulo, está sendo usada como posto de vacinação.

Boas notícias vieram da região de São Paulo na terça-feira, quando o futebolista Pelé recebeu sua primeira dose da vacina COVID-19. O homem de 80 anos espalhou a notícia em seus canais de mídia social.

“A epidemia ainda não acabou.” O três vezes vencedor da Copa do Mundo disse: “Devemos manter a disciplina para preservar vidas para que muitas pessoas tomem a vacina.” “Quando você sair, por favor, não esqueça sua máscara e guarde uma distância social. ”

Seu apelo é significativo – mesmo um ano após o início da pandemia – já que Bolsonaro continua a questionar a eficácia das máscaras.

A distância entre os dois países parece ter aumentado durante a pandemia, já que Bolsonaro e o argentino Alberto Fernandez adotaram métodos opostos para lidar com a crise. O primeiro reduziu os riscos de doenças e insistiu em manter a economia em movimento, enquanto o segundo adotou uma abordagem mais cautelosa.

Fernandez impôs uma das medidas de quarentena mais longas do mundo entre março e outubro, apesar dos riscos de prejudicar uma economia já em recessão.

Na semana passada, o Brasil registrou 35 mortes por COVID-19 por milhão de habitantes, quase três vezes o da Argentina.

READ  Outros 344 casos de COVID-19, 14,3.000 novas vacinas foram relatados no domingo em Utah

A agitação em São Paulo piorou após as celebrações secretas do carnaval em meados de fevereiro. Embora as celebrações e desfiles de rua tenham sido cancelados, muitos Polystas, como são conhecidos os moradores, viajaram ou participaram de comícios sem máscara. A cidade recusou-se a conceder dias de férias tradicionalmente permitidos durante o período de carnaval, na tentativa de evitar que as pessoas festejassem.

Isidoro Silvera, 34, conseguiu mesa de garçom em uma pizzaria no centro de São Paulo há dois meses, após quase um ano desempregado. Ele está chateado com o fechamento iminente de seu restaurante.

“Aqueles que fazem a entrega não serão feridos, mas eu e muitos outros ficaremos feridos”, disse Silvera com tristeza, enquanto assistia a um noticiário na TV sobre a paralisação. Não sei o que dizer para minha esposa e filha. Tenho medo de perder meu emprego de novo, embora trabalhe em um lugar que toma todas as precauções. “

Não muito longe dali, os cinemas da principal avenida Paulista estão vazios, como desde o início da pandemia.

A facilidade da Argentina não significa que o vírus esteja completamente sob controle. Na quarta-feira, os números oficiais mostraram 262 mortes e mais de 8.700 novas infecções no país. A liberação da vacina é lenta. Mas a escuridão avassaladora vista em São Paulo parece muito diferente de Buenos Aires.

Bautista Sundblatt, 8, estava animado para entrar em um cinema no bairro de Toni Palermo, em Buenos Aires, para ver “Bad Boys Forever”, com um saco de pipoca em uma das mãos e um refrigerante na outra.

Sua mãe, Martina, disse: “Ele está muito animado.” “Há muito tempo que esperávamos. São alguns lugares, está tudo cuidado. Ele é fanático por cinema. Ainda temos um longo caminho a percorrer, mas aos poucos vamos chegando onde queríamos.”

READ  Dentes da velha Jersey encontram indícios na mistura de neandertais

___ Ray é informado de Buenos Aires.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *