Novo presidente brasileiro da Petrobras pede aceleração do processo de exploração de petróleo

Presidente da empresa brasileira de petróleo e gás Petrobras, Magda Chamberriard, durante entrevista coletiva no Rio de Janeiro em 27 de maio de 2024. Foto: Pablo PORCIUNCULA / AFP
Fonte: Agência France-Presse

O novo chefe da Petrobras do Brasil disse na segunda-feira que era importante para a empresa estatal “acelerar” a exploração de petróleo, inclusive em uma polêmica bacia offshore perto da foz do rio Amazonas.

A ex-reguladora Magda Chamberillard assumiu o cargo de CEO da gigante petrolífera na sexta-feira, depois que o presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva demitiu seu antecessor.

Na sua primeira conferência de imprensa, a senhora de 66 anos disse que explorar “novas fronteiras” era fundamental para a sobrevivência da empresa e abordou uma questão que dividiu a administração Lula e irritou os ambientalistas.

“Os esforços exploratórios desta empresa… devem ser acelerados”, disse ela.

“O foco é garantir a continuidade do crescimento dos ativos petrolíferos da Petrobras. Isso significa que é necessário continuar a exploração de petróleo na costa brasileira. Isso inclui a margem tropical e a costa do Amapá”, disse ela.

Leia também

A vida na água e na lama: os colombianos estão cansados ​​das constantes inundações

A Margem Equatorial é uma bacia localizada próxima à foz do Rio Amazonas e é considerada a fronteira mais promissora do Brasil para a exploração de petróleo, pois estudos indicam que contém enormes depósitos de petróleo bruto.

Está localizado perto de áreas na Guiana, Guiana Francesa e Suriname que recentemente fizeram grandes descobertas de petróleo.

No entanto, os ambientalistas alertam para os efeitos potencialmente devastadores nesta área ambientalmente sensível.

O projeto gerou uma batalha dentro do governo Lula, e a licença de exploração da Petrobras foi negada pela Agência de Proteção Ambiental, IBAMA, em maio do ano passado.

Grupos ambientalistas há muito que se opõem a projectos de exploração de petróleo bruto na área onde o rio Amazonas se encontra com o Oceano Atlântico, alertando que poderiam representar riscos para a barreira de recifes de água doce que foi descoberta ali em 2016.

READ  JDE Peet's concluiu com sucesso a aquisição

Chamberillard disse que o Ministério da Energia do sétimo maior país produtor de petróleo do mundo “gostaria de explorar” esta área.

Leia também

Tribunal montenegrino rejeita ordem de extradição de magnata das criptomoedas

“Precisamos conseguir licença para exploração. Teremos que conversar com o Ministério do Meio Ambiente e mostrar o que a Petrobras oferece em termos de cuidado ambiental, muito mais do que a lei exige”, disse Champyard.

As jazidas em águas profundas que o Brasil explorou nos últimos 15 anos atingirão seu pico em 2030, disse ela.

“Temos que ter cuidado com as reservas e as importações estão fora de questão”, disse ela.

Chamberillard foi nomeada depois que seu antecessor, Jean-Paul Prats, foi demitido no início deste mês, após uma disputa entre a Petrobras e os acionistas sobre dividendos.

Ela é a sexta CEO da empresa em menos de três anos, após um período turbulento que incluiu um grande escândalo de corrupção na década de 2000.

Fonte: Agência France-Presse

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *