Motins no Brasil e 6 de janeiro | Notícias, esportes, empregos

Os Estados Unidos há muito são um modelo para o mundo, inspirando pessoas em outras nações a abandonar a opressão e seguir nosso caminho, criando sociedades estáveis, duráveis ​​e democráticas baseadas no estado de direito e apresentando uma transferência de poder ordenada e pacífica. .

Portanto, talvez não seja surpresa que alguns brasileiros tenham tentado aprender com os Estados Unidos no domingo. Foi a lição errada.

Negadores eleitorais da extrema direita no Brasil se revoltaram na capital, Brasília, em nome do ex-presidente derrotado Jair Bolsonaro, destruindo a sede do governo naquele país e copiando a insurreição de 6 de janeiro de 2021 e a tentativa de golpe que o presidente Trump mente sobre sua eleição . A derrota culminou com o saque do Capitólio por seus apoiadores.

Este violento espetáculo foi um dia vergonhoso para a nação sul-americana, mas também envergonha os Estados Unidos, que correm o risco de abandonar seu papel de farol da democracia e ocupar seu lugar entre as nações onde os resultados eleitorais têm sido duvidosos, e as decisões reais são entregues às massas e aos autocratas ou gangues sombrias que tentam manipulá-los.

Dois anos após a insurreição americana, após audiências aprofundadas e um relatório do Comitê Selecionado da Câmara investigando o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio, as evidências mostram que o então presidente Trump combinou suas alegações flagrantemente falsas de que foi negada a reeleição devido a fraude eleitoral com planeja anular o voto e manter o cargo.

E se estiver relaxando. As evidências apresentadas ao comitê mostram que Trump fez planos para instalar funcionários do Departamento de Justiça que anunciariam falsamente irregularidades na votação. Ele foi convidado a considerar a declaração da lei marcial e a coleta de máquinas de votação. Ele chamou seus partidários a Washington e, sabendo que muitos deles estavam armados, disse-lhes que fossem ao Capitólio. Ele observou os tumultos por mais de três horas antes de pedir a seus apoiadores que parassem. O vice-presidente Mike Pence e os membros do Congresso estavam em perigo.

READ  A fazenda de artesanato adota uma abordagem "slow food" - Medford News, clima, esportes e notícias de última hora

No Brasil, Bolsonaro não negou ter perdido para Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 30 de outubro, e concordou em ceder o cargo ao rival na hora marcada, em 1º de janeiro. Dizendo que a votação foi fraudada ou pelo menos não confiável.

Ao contrário de Trump, ele não estava pronto para atacar. Foi na Flórida, estado natal de Trump.

Mas essas são diferenças cosméticas. É como se os hooligans brasileiros pensassem, “Bem, se os norte-americanos podem acreditar no que quiserem, apesar dos fatos, e agir de acordo com isso, por que não nós?”

Até agora, apesar das conclusões do comitê da Câmara e do processo de quase 1.000 pessoas, nem Trump nem qualquer um de sua equipe foram presos por responder ao ataque de 6 de janeiro.

Se responsabilizados, talvez o próximo lote de negadores eleitorais e insurgentes em outras partes do mundo seja dissuadido por um modelo americano que responsabilize os perpetradores perante o estado de direito quando chegar a hora.

E se não, talvez os Estados Unidos voltem a ser o país mais imitado do mundo. Mas não de um jeito bom.

* Editorial convidado para o Los Angeles Times.


As últimas notícias de hoje e muito mais na sua caixa de entrada



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.