Ministério da Fazenda do Brasil corta PIB de 2023 devido a taxas de juros mais altas pela Reuters

BRASIL (Reuters) – O Ministério da Fazenda do Brasil cortou nesta sexta-feira sua estimativa para o crescimento econômico neste ano, citando o impacto sobre a atividade e o crédito de taxas básicas de juros mais altas, e disse que vê perspectivas de flexibilização monetária apesar das expectativas de inflação mais alta.

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do ministério agora espera que o PIB cresça 1,61%, ante 2,1% em novembro. A projeção para o próximo ano também foi reduzida de 2,5% para 2,34%.

A secretaria disse em nota que as estimativas anteriores, feitas no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, “subestimaram os efeitos deflacionários da política monetária no ciclo econômico e no mercado de crédito”.

O ministro de Política Econômica, Guilherme Melo, disse que a recente falência da varejista Americana devido a um escândalo contábil multibilionário pode ser parcialmente explicada pela rápida mudança na política monetária.

“É fato que hoje o Brasil tem a taxa de juros mais alta do mundo, e isso tem afetado o mercado de crédito, tanto o bancário quanto o não bancário”, disse ele em entrevista coletiva nesta sexta-feira, acrescentando que eventos como o o escândalo de Americana, “aumentaram os spreads”. Isso prejudicou ainda mais o potencial de captação de recursos das empresas.”

Milo destacou que o custo do crédito é muito alto, o que dificulta as empresas a realização de suas atividades e investimentos.

O banco central, cujo comitê de definição de taxas se reúne na quarta-feira, aumentou as taxas de juros para 13,75%, de uma baixa recorde de 2% em março de 2021 para combater a inflação.

O novo presidente esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva tem criticado consistentemente o nível da taxa básica de juros do banco, que tem se mantido estável em uma alta de seis anos desde setembro, argumentando que isso prejudica o crescimento da atividade e ameaça uma crise de crédito.

READ  “Parceiros Estratégicos”: Um olhar sobre as prósperas relações comerciais entre a Arábia Saudita e o Brasil | Notícias de negócios e economia

A Secretaria também vê agora a inflação subindo, em 5,31% em 2023 e 3,52% em 2024, acima de 4,6% e 3%, respectivamente.

A meta oficial de inflação é de 3,25% este ano e 3% em 2024, uma margem de mais ou menos 1,5 ponto percentual.

Apesar das expectativas, Milo afirmou que “não houve descompasso” no corte de juros com inflação acima da meta, argumentando que a política monetária demorou a fazer efeito.

“Certamente esperamos (afrouxamento monetário) este ano. Mas quanto mais cedo melhor”, disse ele.

Receba as notícias que você deseja

Leia as notícias de ação do mercado com um feed personalizado para as ações nas quais você está interessado.

Baixe o aplicativo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *