Microsoft concorda em parar de agrupar o Teams com o Office

A Microsoft deixará de forçar os clientes de seu popular software Office a instalar automaticamente o aplicativo de videoconferência e mensagens Teams em seus dispositivos, em uma medida destinada a impedir uma investigação antitruste formal por parte dos reguladores da UE.

A gigante da tecnologia dos EUA fez a concessão para evitar uma investigação formal, disseram duas pessoas com conhecimento direto da decisão, após uma reclamação de 2020 do rival Slack que alegou que a prática da Microsoft de agrupar os dois serviços era anticompetitiva.

Essas pessoas disseram que, no futuro, quando as empresas comprarem o Office, poderão fazê-lo com ou sem o Teams, se quiserem, mas o mecanismo de como isso será feito ainda não está claro.

As pessoas enfatizaram que as negociações ainda estão em andamento e que o acordo não é certo.

A medida faz parte dos esforços da Microsoft para tentar evitar o que seria sua primeira investigação antitruste em mais de uma década, depois de tentar evitar batalhas legais com a Comissão Europeia que se mostraram contundentes no passado.

Em 2008, a comissão acusou a Microsoft de tirar proveito de sua posição dominante para forçar os usuários a baixar o Internet Explorer, agregando-o ao Windows às custas dos concorrentes. A empresa fez um acordo com a comissão e ofereceu aos usuários uma escolha de navegadores, mas em 2013 a União Europeia multou a empresa em 561 milhões de euros por não cumprir a promessa.

Ainda não está claro se a oferta da gigante da tecnologia para o Teams será suficiente para acalmar as preocupações dos reguladores. O Slack, que já foi adquirido pela Salesforce, pediu às autoridades da UE que forçassem a Microsoft a vender o Teams separadamente de seu software Office.

READ  Os ex-desenvolvedores do Stormgate da Blizzard querem que os jogadores comprem o estúdio

Na época, David Schellhase, Conselheiro Geral da Slack, disse: “Estamos pedindo à UE que seja um árbitro imparcial, verifique os fatos e faça cumprir a lei”.

A reclamação de Slack surgiu quando a mudança para trabalhar em casa se acelerou. Aplicativos como Teams e Slack explodiram em uso durante o auge da pandemia de coronavírus, criando uma oportunidade de bilhões de dólares e usuários, à medida que as empresas usavam cada vez mais ferramentas que permitiam o trabalho remoto.

A Microsoft disse: “Estamos cientes de nossas responsabilidades na UE como uma grande empresa de tecnologia. Continuamos a trabalhar em colaboração com a Comissão em sua investigação e estamos abertos a soluções práticas que atendam às suas preocupações e atendam bem aos clientes”.

A Comissão, braço executivo da União Europeia, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *