Mercadona impulsiona investimento em Portugal

A cadeia de supermercados espanhola Mercadona pretende injetar 180 milhões de euros na sua subsidiária portuguesa para financiar os planos de expansão em curso no país ao longo de 2024.

O investimento adicional apoiará diretamente a abertura de 11 novas lojas na Guarda, Oliveira de Azemes, Coimbra (Solom e Eras), Leiria, Évora, Vila Nova de Gaia (Canellas), Sintra (Rio de Muro), Maya (Moreira), Seixal (Fernão Ferro) e Barreiro (Lavradio).

A Mercadona também prevê concluir o Centro Logístico Al Mairim em julho deste ano. É o segundo maior de Portugal e o maior da Península Ibérica.

Com esta última contribuição, o investimento total da Mercadona em Portugal ultrapassará os 1,26 mil milhões de euros. A empresa está comprometida com o crescimento de longo prazo na região, priorizando a integração em Portugal antes de entrar em novos mercados.

Operações em Portugal

Desde a sua chegada a Portugal em 2019, as operações da Mercadona têm alcançado resultados positivos. A empresa possui uma quota de mercado de 8% e obteve rentabilidade em 2023 (6,85 milhões de euros), apesar de um resultado operacional negativo (7,72 milhões de euros).

O lucro bruto total em 2023 foi de 35,53 mil milhões de euros, com Portugal a contribuir com 1,4 mil milhões de euros em vendas através das suas 49 lojas portuguesas.

Este sucesso reforça os objetivos da Mercadona, com o CEO Juan Roig a visar vendas de 1,9 mil milhões de euros em Portugal e um número de 60 lojas até ao final deste ano.

Desempenho anual

A Mercadona anunciou um aumento de 15% nas vendas, para 35,5 mil milhões de euros, no exercício de 2023, apoiado na sua estratégia de longo prazo de investimento em benefício dos diversos stakeholders.

READ  Telefonica Brasil SA - consenso indica potencial de alta de 21,2%

O investimento nesta estratégia, implementada em 2016, atingiu 10 mil milhões de euros nos últimos sete anos, incluindo 1,1 mil milhões de euros em 2023.

A empresa também obteve uma redução significativa nas emissões, diminuindo 38% durante o período de 2015 a 2022 tanto nas emissões diretas como na remoção de gases de efeito estufa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *