Lula enfrenta muitos desafios enquanto o Brasil assume a presidência do G20 Notícias de negócios e economia

Com o Brasil assumindo a presidência do G20 no dia 1 de dezembro, substituindo a Índia, Luiz Inácio Lula da Silva enfrentará o desafio de cumprir a sua promessa de salvaguardar os interesses do Sul Global no meio de duas guerras em curso e de uma economia global em desaceleração.

Lula também assume o comando num momento de amargas divisões internas dentro do grupo, um legado deixado pelo presidente cessante, Narendra Modi, cuja equipa, ansiosa por forçar uma declaração conjunta, ignorou detalhes diplomáticos em reuniões fechadas.

Apesar destes obstáculos, Lula está a avançar e anunciou as três principais prioridades do Brasil como presidente do G20: a inclusão social e a luta contra a fome, a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis em favor das energias renováveis ​​e a reforma da governação económica global.

G20 – O G20 – é um fórum para as maiores economias do mundo coordenarem questões-chave da política global. Entre eles, os países do G20 representam 85% da produção global e dois terços da população mundial.

O G20 é composto pela União Europeia e por outros 19 países e é uma mistura de economias avançadas e emergentes. Na Cimeira de Liderança do G20, em Setembro, a Índia convidou a União Africana – que representa 55 países de todo o continente – a tornar-se membro do grupo.

Isto foi visto como uma medida para sublinhar o papel autodenominado de Modi como “a mãe da democracia… para mitigar o défice de confiança global” entre países ricos e pobres.

O G20 foi criado em 1999, na sequência da crise financeira asiática. Originalmente concebido como um conselho de ministros das finanças para discutir políticas macroeconómicas, o seu âmbito expandiu-se desde então para incluir questões que vão desde o desenvolvimento global às alterações climáticas e à igualdade de género.

Em contraste, os críticos consideraram o G20 um espaço de conversação ineficaz. Em mais de 200 reuniões, o grupo reuniu-se em torno da sua declaração anual. Fora isso, Nova Deli emitiu apenas uma declaração conjunta sobre a UA.

Num contexto de escalada de tensões geopolíticas, a África do Sul e o Brasil criticaram publicamente o bombardeamento israelita de Gaza. Por seu lado, a China acolheu em Novembro uma delegação de países islâmicos que apelava a um cessar-fogo. Noutros lugares, o conflito na Ucrânia também prejudicou os esforços para construir consenso.

READ  Com o aumento da demanda, a América Latina contrata pilotos, mas depois que os voos atrasam é preciso recuperar o atraso

Apesar de manter uma posição neutra neste conflito, a Índia tornou-se mais crítica em relação à Rússia nos últimos meses. Modi também reduziu as suas compras militares a Moscovo e fortaleceu as relações diplomáticas com o Ocidente.

Vladimir Putin, que tem um mandado de captura internacional emitido por crimes de guerra, recusou-se a participar na reunião de Setembro em Nova Deli. O presidente chinês, Xi Jinping, também esteve ausente do evento, em meio à escalada das tensões geopolíticas com a Índia e ao aprofundamento das relações com a Rússia.

Isso não impediu a Índia de “transformar a cimeira anual num comercial para o culto à personalidade de Modi”, disse Jayati Ghosh, professor de economia na Universidade de Massachusetts Amherst. “Na prática, foi uma presidência ineficaz”, uma vez que o país anfitrião estava mais interessado em melhorar a sua imagem interna do que em enfrentar os desafios globais.

Ela acrescentou: “Enquanto Modi tenta projectar a Índia como uma superpotência global, ele está a passar o bastão da liderança sem falta de problemas… A economia global está a abrandar, as alterações climáticas aproximam-se e os conflitos na Ucrânia e na Palestina minaram o Norte- Relações do Sul.”

Lula também chega ao poder num momento de amargas divisões internas dentro do grupo, um legado do presidente cessante, Narendra Modi. [File: Evelyn Hockstein/AFP]

Antes de entregar o poder esta semana, Lula disse numa cimeira virtual dos líderes do G20, dizendo: “Espero que sim [Israeli-Palestinian ceasefire] O acordo poderia abrir caminho para uma solução política duradoura para o conflito.”

O Brasil há muito mantém seu apoio a uma solução de dois Estados. Desde os ataques do Hamas em 7 de Outubro, e o subsequente bombardeamento israelita de Gaza, Lula tem apelado repetidamente a um fim rápido e definitivo dos combates.

Em Outubro, o Brasil liderou um projecto de resolução do Conselho de Segurança da ONU apelando à suspensão temporária do conflito, mas os Estados Unidos vetaram-no.

“A posição de Lula sobre Israel é sensível, mas ele é indiscutivelmente o melhor estadista do mundo para tentar impedir o massacre”, acrescentou Ghosh.

Noutros lugares, o presidente brasileiro provocou a ira dos líderes ocidentais quando sugeriu que a Rússia e a Ucrânia partilhavam a responsabilidade conjunta pelo seu conflito. Ele apoiou publicamente Xi Jinping e Vladimir Putin na participação na cimeira do G20 no Rio de Janeiro no próximo ano.

Crescimento global equitativo

Na cimeira do G20 em Nova Deli, em Setembro, o Presidente Lula instou os líderes a tentarem eliminar a fome no mundo até 2030.

“Parte disso pode ser alcançado através do estabelecimento de uma força-tarefa global para combater a fome”, disse à Al Jazeera um funcionário do governo brasileiro, que pediu para permanecer anônimo.

“O grupo de trabalho procurará mobilizar apoio em áreas como a investigação agrícola de baixo carbono e a melhoria do seguro agrícola, especialmente em países com insegurança alimentar… o que exigirá mais financiamento dos países ricos”, disse a fonte. Não está claro qual a probabilidade de isso acontecer.

Lula também apoiou a ideia de uma alíquota mínima global de imposto corporativo de 15%. Um plano da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), concebido em 2021 para reprimir a evasão fiscal e pôr fim a décadas de “rivalidade” fiscal entre governos, poderia gerar anualmente pelo menos 150 mil milhões de dólares em receitas fiscais globais adicionais.

Quase 140 governos assinaram o acordo da OCDE e estão em diferentes fases para transformar a proposta em lei.

Ao expandir o esquema da OCDE, o Brasil também quer aumentar o investimento na transição verde. O responsável referiu que Lula quer que o G20 atribua mais dinheiro a projectos de energias renováveis ​​e conservação da natureza.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, acena durante sua visita ao Centro Internacional de Mídia na conclusão da cúpula do G20
Índia transforma cúpula do G20 em ‘comercial para o culto à personalidade de Modi’ [File: Dar Yasin/AP Photo]

Reforma das instituições multilaterais

Durante muitos anos, Lula tem feito lobby por um papel mais forte para os organismos multilaterais, como as Nações Unidas, na tentativa de resolver os desafios globais. No entanto, o seu compromisso com a diplomacia vai além de uma propensão para o consenso.

Na Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque, em Setembro, Lula defendeu a necessidade de remodelar o sistema de governação global. “Representação desigual e distorcida à frente do FMI [International Monetary Fund] O Banco Mundial é inaceitável.”

READ  O analista financeiro Charles Niner alerta para o fim do dólar americano e suas consequências - Bitcoin Economics News

Em 2022, o FMI forneceu 160 mil milhões de dólares em Direitos de Saque Especiais, a moeda de reserva do Fundo, aos países europeus e apenas 34 mil milhões de dólares a toda a África.

“A alocação injusta de DES é apenas parte do problema”, diz Rogério Stoddart, ex-representante brasileiro no Banco Mundial.

“Os limites das cotas de financiamento também são muito pequenos para empréstimos de emergência”, disse Stoddart. Ele aludiu aos programas do Fundo Monetário Internacional, como o Fundo de Resiliência e Sustentabilidade, onde o limite máximo para subvenções aos países é fixado em 150 por cento dos seus compromissos de capital para o fundo.

“Isso limita a quantidade de dinheiro disponível para desastres climáticos, especialmente em países de baixa renda. “Acho que Lula tentará aumentar as cotas dos países para empréstimos de emergência e tentará reduzir as condições associadas a esses programas”, acrescentou. observando que seu sucesso não foi claro, pois isso vem sendo tentado há anos.

Studdart também rejeitou a abordagem “cautelosa” do Banco Mundial para lidar com os riscos.

“O banco pode angariar mais dinheiro para os países em desenvolvimento ajustando o rácio empréstimo/capital”, disse ele. Um índice mais alto aumenta a capacidade do banco de emprestar, mas acarreta um risco maior de não reembolso.

Os seus comentários são consistentes com um relatório do G20 publicado em Julho que afirmava que, ao aumentar ligeiramente os empréstimos, grupos como o Banco Mundial poderiam libertar milhares de milhões de dólares adicionais em novos empréstimos. “O Brasil replicará as conclusões do relatório”, disse Stoddart.

Para Ghosh, professor de economia, “Lula não é nada senão realista. Embora a presidência anterior do G20 se tenha centrado mais na política interna, Lula é o candidato ideal para tentar restaurar alguma estabilidade na ordem mundial dividida de hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *