Golfinhos no Brasil ajudam pescadores a pescar tainha, mas talvez não por muito tempo

Suspensão

Em uma pitoresca cidade costeira no sul do Brasil, as pessoas se unem aos golfinhos selvagens há mais de 140 anos para pescar a tainha, o peixe prateado que é fonte de renda para os habitantes da cidade e alimento para mamíferos marinhos amigáveis. Esses pescadores artesanais têm operações de pequena escala, envolvendo famílias que carregam a prática por gerações.

Vagando com águas que chegam até a cintura na costa de Laguna, no Brasil, os pescadores observam pacientemente o aparecimento de golfinhos nariz-de-garrafa e enviam sinais indicando onde está a tainha. Esses sinais incluem os golfinhos fazendo arcos, pulando rapidamente e voltando para a água. Ao sinal, os pescadores lançam suas redes.

Em troca, os golfinhos ganham um almoço fácil, comendo algumas das armas que escapam das redes. Os golfinhos que participam desses rituais têm uma chance 13% maior de sobrevivência do que os golfinhos que não participam, de acordo com um novo estudo de uma equipe internacional de pesquisadores e pesquisadoras. Publicados Em Proceedings of the National Academy of Sciences na segunda-feira.

Para a pesquisa, os cientistas usaram drones e gravações de áudio subaquáticas para documentar como a prática foi realizada.

Agindo como cães pastores, golfinhos no Brasil ajudam pescadores a pegar tainha

Mas a tradição, um raro exemplo de uma relação mutuamente benéfica entre humanos e animais desabitados, pode se extinguir em breve devido ao declínio no número de tainhas causado pela mudança climática e pela caça comercial excessiva, de acordo com o estudo revisado por pares.

Isso, por sua vez, pode causar um declínio significativo na população local de golfinhos, disseram os pesquisadores.

READ  Portugal faz poucos progressos na prevenção da corrupção entre deputados e juízes - Euractiv

“Uma subpopulação de 60 golfinhos poderia facilmente cair para uma dúzia ou mais golfinhos em poucos anos, no pior cenário possível”, disse Damien Farren, professor de ecologia na Universidade Nacional Australiana e um dos três pesquisadores que co-escreveram o estudo. ele disse em uma entrevista por telefone.

Os golfinhos que se envolvem nessa simbiose incomum provavelmente terão vidas mais longas, em parte porque não precisam encontrar equipamentos de pesca perigosos, onde podem se tornar capturas acessórias de métodos de pesca comercial muitas vezes ilegais, como deriva ou redes de emalhar, que você pode envolver golfinhos e afogá-los.

Enquanto isso, a superfície do mar mudou As temperaturas não só levam a menos batatas; Eles também levam cardumes de rifles para diferentes partes da praia. Farren disse que isso significa que o número de batatas disponíveis para os pescadores locais colherem está diminuindo.

Embora os cientistas não cheguem a um acordo sobre os números que mostram a rapidez com que as temperaturas da água do mar estão mudando, “na maioria das vezes as temperaturas aumentam, tornando menos provável que uma tainha chegue à costa”, diz ela. disse Farren.

Isso significa que os pescadores pegam menos peixes e os golfinhos recebem almoços menores e em menor quantidade.

Farren disse que essa prática funciona há gerações porque beneficia humanos e golfinhos. Os pescadores podem pegar até uma tonelada de batatas em uma rede fina, enquanto os golfinhos precisam apenas de três ou quatro brocas, que podem crescer até quatro quilos ou mais, para ficarem cheias.

“O que torna essa interação incomum é o fato de ser mutuamente benéfica, e não competitiva”, disse Farren em um comunicado.

READ  Os turistas alertaram para a espera de filas de seis horas no aeroporto a partir de segunda-feira, enquanto Portugal se prepara para receber 3.000 britânicos por dia.

“Isso o torna de grande interesse científico”, disse ele, “porque pode nos ajudar a entender as condições sob as quais a cooperação pode evoluir e sob quais condições ela pode se extinguir”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *