Golfinhos e humanos trabalham juntos para pescar no Brasil | notícias inteligentes

Um golfinho dá um sinal para um pescador em Laguna, Brasil.
Bianca Romeo, Departamento de Ecologia e Zoologia, Universidade Federal de Santa Catarina

No sudeste do Brasil, pescadores locais percorrem as águas turvas em busca de tainhas migratórias. Seria difícil encontrar os traças por conta própria. Mas os humanos estão recebendo ajuda de um aliado incomum: golfinhos selvagens.

Com as redes nas mãos, os pescadores esperam pacientemente enquanto suas parceiras baleias conduzem os peixes em direção à costa. Um sinal dos golfinhos – geralmente mergulhando fundo – indica quando eles devem lançar suas redes.

Essa parceria de caça foi transmitida de geração em geração, durando mais de um século. Embora os pesquisadores soubessem que os humanos se beneficiavam desse emparelhamento, eles não podiam confirmar se os golfinhos também se beneficiavam. Agora, em um novo estudo publicado segunda-feira no Anais da Academia Nacional de CiênciasOs pesquisadores sugerem que os cetáceos que caçam com humanos têm maiores taxas de sobrevivência em comparação com aqueles que não caçam.

“A cooperação entre humanos e animais selvagens em geral é um fenômeno raro em escala global”, disse. Maurício Cantorbiólogo da Oregon State University e autor do artigo, disse a SELF O jornal New York TimesAsh Albin. Os humanos geralmente se beneficiam e a natureza paga o preço. Mas essa interação já dura mais de 150 anos.

Usando drones, sonar e gravação acústica subaquática, a equipe de pesquisa registrou a equipe de caça interespécies em ação. Eles descobriram que, quando os pescadores lançam suas redes em sincronia com os sinais do golfinho, os cetáceos aumentam suas taxas de cliques de ecolocalização para criar um “zumbido terminal” – um sinal de que estão se chocando contra a presa. Quando os caçadores não estavam em sincronia com os golfinhos, essa resposta era menos comum.

Os golfinhos se aproveitaram de peixes desorientados depois que os pescadores os lançaram, até mesmo arrancando alguns diretamente das redes.

Os pescadores também tiveram mais sucesso quando trabalharam com golfinhos. Quando os golfinhos estavam presentes, os pescadores tinham 17 vezes mais chances de pegar peixes e pegaram quase quatro vezes mais tainhas quando cronometraram os sinais dos cetáceos. 86% dos 4.955 fossos capturados durante o período de estudo vieram de “interações simultâneas” – quando ambos os predadores coordenaram suas ações perfeitamente entre si.

“Os golfinhos beneficiam os pescadores reunindo cardumes de tainhas em sua direção, estabelecendo pontos temporários de alta qualidade antes de dar um sinal e sinalizando quando a presa está ao alcance das redes dos pescadores”, escreveram os autores. “Durante as entrevistas com os pescadores mais experientes, 98% relataram que os golfinhos obtêm benefícios de forrageamento de interações sincronizadas.”

O estudo também revelou que os golfinhos que caçam com humanos têm uma taxa de sobrevivência 13% maior em comparação com outros golfinhos nariz-de-garrafa. Esses golfinhos cooperativos têm maior probabilidade de ficar perto da costa, o que reduz a chance de se envolverem em equipamentos de pesca ilegais.

“Este estudo mostra claramente que tanto os golfinhos quanto os humanos prestam atenção no comportamento uns dos outros, e que os golfinhos fornecem uma pista de quando devem lançar as redes”, disse. Stephanie Kingum biólogo que estuda comunicação com golfinhos na Universidade de Bristol, na Inglaterra E ele não estava envolvido na pesquisa, diz Christina Larsson Agência de notícias. “Este é um comportamento colaborativo realmente incrível.”

Mas os pesquisadores dizem que essa parceria está em risco. As mudanças nas temperaturas da superfície do mar estão reduzindo as populações de tainhas e afetando para onde elas vão, de acordo com Andrew Jeong, escrevendo para Washington Post. “Mais frequentes do que não, [sea temperatures] sobe, tornando menos provável que uma tainha apareça em terra.” Damien FarrenCoautor e ecologista da Australian National University correspondência. Além disso, os botos estão ameaçados pela poluição e as operações de pesca comercial estão extrapolando a tainha.

Mas a relação entre botos e homem pode ser protegida se o Brasil a declarar patrimônio cultural, diz Virgínia Morel ciências.

“É uma interação que vai além dos benefícios materiais”, diz Kantor. vezes. “Tentar preservar a diversidade cultural também é uma forma indireta de preservar a biodiversidade.”

READ  Festival Brasília Corta apresenta novos filmes em realidade virtual

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *