Gilmar Mendes lamenta a morte do juiz e diz que o feminicídio é endêmico

ministro STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes lamentou hoje, em redes sociaisMorte da juíza Vivienne Vieira do Amaral Arunensee, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), Ela foi esfaqueada até a morte na frente das filhas pelo ex-marido na véspera de Natal. O juiz confirmou que Mulheres são mortas É “endêmico do país” e precisa ser combatido.

O crime foi gravado em vídeo

O crime contra a juíza Vivienne Vieira de Amaral Arunensee, 45, ocorreu ontem, na véspera de Natal, e foi registrado em um videoclipe que foi compartilhado nas redes sociais.

Nas fotos é possível ouvir as crianças dizendo ao pai, Paolo Aronenzi, 52, para parar de esfaquear a mãe. Ele foi preso em flagrante pela General Motors (Guarda Municipal), enquanto Vivian foi encontrada abandonada e desmaiada.

O corpo de bombeiros foi chamado e constatou que o juiz morreu no local.

Registre uma lesão corporal

Em setembro deste ano, Vivian Ela registrou ferimentos físicos e a ameaça de seu ex-marido. A juíza foi escoltada entre outubro e novembro, mas pediu a retirada da proteção, alegando que não precisava mais de proteção.

A juíza foi morta ao acompanhar as filhas até a casa do pai, segundo policiais do TJ-RJ que integraram a equipe de escolta e auxiliaram na retirada do corpo pela família no IML.

Como denunciar casos de violência doméstica

As mulheres vítimas de abuso podem registrar um boletim de ocorrência de violência doméstica em qualquer delegacia de polícia, inclusive nas delegacias de polícia femininas que se especializam neste tipo de casos.

READ  ZIM Laboratories recebe subvenção para comercializar rizatriptano em Portugal e na Europa

Se você conhece uma mulher em risco, basta ligar para 180 gratuitamente. O canal do governo federal funciona 24 horas, inclusive feriados, sábados e domingos.

A ligação é anônima e o escritório central oferece orientação jurídica e psicológica e encaminha a solicitação de investigação aos órgãos de defesa da mulher. Também é possível ligar para a polícia no 190 em caso de emergência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *