Fusão de direita visa formar o maior partido político do Brasil

BRASÍLIA (Reuters) – Os dois partidos políticos de direita decidiram na quarta-feira unir forças para se tornar o maior do país, com planos de apresentar uma alternativa ao presidente Jair Bolsonaro nas eleições do próximo ano.

Os Democratas (DEM) e o Partido Social Liberal (PSL), ao qual Bolsonaro aderiu antes de sua campanha de 2018, terão 82 cadeiras na câmara baixa de 513 membros, um agrupamento maior do que o Partido dos Trabalhadores (PT) de esquerda por 53.

A fusão ainda não foi aprovada pela mais alta autoridade eleitoral do Brasil, mas o novo partido, chamado União Brasil, pode alterar a corrida presidencial de 2022 que agora parece polarizada entre a extrema direita Bolsonaro e o ex-presidente de esquerda Luis Inácio Lula da Silva.

Lula, que fundou o Partido dos Trabalhadores e atuou como presidente de 2003-2010, está bem à frente nas pesquisas de opinião sobre o Bolsonaro, cuja popularidade despencou devido ao tratamento do segundo surto de COVID-19 mais mortal do mundo, alto desemprego e desemprego avaliar. Inflação alta.

O partido União Brasil será liderado por Luciano Pivar, chefe do PSL, que cresceu do nada e se tornou o maior da Câmara dos Deputados na onda conservadora que elegeu Bolsonaro à presidência.

Bolsonaro retirou-se do PSL em 2019 em uma disputa pelo controle do partido e seus crescentes cofres de campanha.

O líder do Movimento Democrático pela Democracia, Antonio Carlos Magalhães Neto, ex-prefeito de Salvador e estrela em ascensão de uma poderosa família baiana, será o novo secretário-geral do partido.

“Este partido nasceu com a missão de restaurar o otimismo no Brasil e restaurar a confiança dos brasileiros na democracia”, disse ele em um discurso em uma conferência que anunciou a fusão.

READ  O Ministério das Relações Exteriores atualiza conselhos de viagem para Portugal, Espanha, França, Dubai e muito mais

Ele disse a repórteres que espera que o novo partido apresente seu candidato presidencial no ano que vem, apoiado por uma renovada coalizão de direita desafiando Bolsonaro, que atualmente não tem partido.

(Reportagem de Anthony Boudl) Edição de Grant McCall

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *