Finalmente sabemos o que está acontecendo com aquela nuvem estranha, longa e frequente em Marte

Em 2018, uma câmera apareceu a bordo Marte A missão rápida viu uma nuvem alta e estranhamente frágil, subindo pela superfície do Planeta Vermelho.

De longe, a trilha de nevoeiro de 1.500 quilômetros (930 milhas) quase parecia uma nuvem de fumaça, aparentemente emergindo do topo de um vulcão morto há muito tempo.

Olhando para as imagens arquivadas, os pesquisadores rapidamente perceberam que isso já vinha acontecendo há algum tempo. A cada poucos anos, na primavera ou no verão, essa nuvem curiosa retorna, antes de desaparecer novamente. Uma pluma transitória foi capturada pela câmera em 2009, 2012, 2015, 2018 e novamente em 2020.

Um estudo recém-publicado descobriu os motivos pelos quais essa nuvem longa e inexplicável continua a ir e vir em Marte. Para fazer isso, os pesquisadores compararam as notas de alta resolução da coluna de 2018 com outras notas arquivadas, algumas das quais datam da década de 1970.

Aqui está a história da nuvem. Todos os anos, no início da primavera ou verão no hemisfério sul de Marte, a nuvem alongada Arsia Mons começa a tomar forma.

Ao amanhecer, o ar denso da base do vulcão Arsia Mons começa a subir a encosta oeste. Conforme as temperaturas caem, esses ventos se expandem e a umidade se condensa dentro deles em torno das partículas de poeira, criando o que chamamos aqui na Terra. Nuvem orográfica.

Todas as manhãs, ao longo de vários meses de observações, os pesquisadores observavam esse processo se repetir. A uma altitude de cerca de 45 quilômetros, o ar começa a se expandir e, pelas próximas 2,5 horas ou mais, a nuvem é puxada para oeste pelo vento a 600 quilômetros por hora (380 mph), antes de finalmente se separar do vulcão.

READ  Observe a jornada de bilhões de anos da placa tectônica da Terra

Em seu maior tamanho, a pluma pode ter 1.800 quilômetros (mais de 1.100 milhas) de comprimento e 150 quilômetros (quase 100 milhas) de largura. Ao meio-dia, quando o sol está em seu zênite, a nuvem terá evaporado completamente.

Nuvens de gelo não são exatamente estranhas a Marte, mas nuvens sobre Arsia Mons continuam a se formar no verão, quando a maioria das outras nuvens já não existe. Na verdade, na maioria das vezes, este vulcão em particular tem uma nuvem pousada em cima dele, enquanto outras não se espalham ao redor – mas apenas sob certas condições se espalham em uma longa linha. (Todos os anos, no início do inverno, esta nuvem pode Também forma uma espiral.)

Vislumbre da nuvem alongada de Mons em Arsia Mons. (Agência Espacial Europeia)

Então, se essa longa coluna acontece diariamente por um período de tempo a cada ano, por que temos apenas notas esporádicas sobre ela?

A razão para isso, dizem os pesquisadores, é que muitas câmeras orbitando Marte ocasionalmente sobrevoam esta área pela manhã, e as observações geralmente são planejadas, o que significa que muitas vezes tiramos fotos desta nuvem por acidente.

Felizmente, a velha câmera a bordo da missão Mars Express – a Visual Surveillance Camera (VMC) que tinha o poder de uma webcam de 2003 – ainda tinha uma vantagem que a tecnologia mais recente não tinha.

“Apesar [the camera] Ele tem uma resolução espacial baixa, tem um amplo campo de visão – essencial para ver o quadro geral em diferentes horas locais do dia – e é ótimo para rastrear o desenvolvimento de recursos durante um longo período de tempo e um pequeno intervalo de tempo, ” Ele explica Astrônomo Jorge Hernandez Bernal, da Universidade do País Basco em Bilbao, Espanha.

READ  Atualização do COVID-19 do Condado de San Diego - 16/02/2021 | Notícia

“Como resultado, podemos estudar a nuvem inteira em muitos ciclos de vida.”

O estudo representa a primeira exploração detalhada da nuvem Arsia Mons e, embora os cientistas digam que ela possui propriedades semelhantes às nuvens orográficas da Terra, seu enorme tamanho e dinâmica estão completamente vivos em comparação com o que vemos em nosso planeta.

“Entender essa nuvem nos dá uma oportunidade empolgante de tentar replicar a formação de nuvens usando modelos – modelos que irão melhorar nosso conhecimento dos sistemas climáticos em Marte e na Terra”, Diz Astrônomo Agustin Sánchez-Lavega, também da Universidade do País Basco.

Agora que sabemos quando a nuvem está ocorrendo, isso também nos permite apontar outras câmeras mais poderosas em órbita para o lugar certo na hora certa, nos fornecendo um vislumbre de perto. Pode não demorar muito até as fotos a seguir.

O estudo foi publicado em Journal of Geophysical Research.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *