Estônia frustra ataque de ‘guerra sombria’, disse a primeira-ministra Kaja Kallas à CNN

Nicholas Maeterlinck/Belga Mag/AFP/Getty Images

A primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, participa na cimeira do Conselho Europeu em Bruxelas, no dia 1 de fevereiro.



CNN

A Estónia frustrou uma operação de influência dirigida pela Rússia no seu território, disse a primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, à CNN.

A operação, que se estendeu até ao ano passado, incluiu uma série de ataques, incluindo o vandalismo dos carros do Ministro do Interior e de vários monumentos. O Serviço de Segurança Interna da Estónia prendeu 10 pessoas, incluindo cidadãos russos e estónios. Autoridades estonianas dizem que mais ataques estão planejados.

“Há uma guerra paralela sendo travada contra as nossas comunidades”, disse o primeiro-ministro Kallas à CNN. “O objetivo das operações de influência russas é influenciar a nossa tomada de decisões democráticas. Ao tornar públicos estes eventos, estamos a sensibilizar para que estas operações não tenham o impacto que a Rússia espera.”

Autoridades estonianas disseram à CNN que a operação foi realizada sob a supervisão – e em coordenação com – dos serviços de segurança russos. Os Estados Unidos e as agências de inteligência aliadas identificaram o Serviço Federal de Segurança (FSB), o principal serviço de segurança da Rússia e sucessor do KGB, como responsável por operações de influência semelhantes em vários países europeus nos últimos anos.

O governo da Estónia anunciou na terça-feira que os dez suspeitos foram detidos sob a acusação de “agir em nome de um serviço especial russo”. “Tanto quanto o Serviço de Segurança Interna da Estónia sabe, o seu objectivo era espalhar o medo e criar tensão na sociedade estónia”, dizia o comunicado.

Alguns dos suspeitos foram recrutados nas redes sociais, segundo Margot Palusson, diretora-geral do Serviço de Segurança Interna da Estónia.

A Rússia ainda não respondeu a estas alegações.

Anteriormente, Kallas publicou no X, anteriormente conhecido como Twitter, que “a Estónia conseguiu impedir uma operação híbrida levada a cabo pelos serviços de segurança russos no nosso território”, acrescentando: “Sabemos que o Kremlin tem como alvo todas as nossas sociedades democráticas”.

Callas disse à CNN que o seu governo está a conduzir a operação e que as ligações russas são públicas para mitigar o impacto dos ataques.

A Rússia realizou um ataque híbrido massivo à Estónia em 2007, envolvendo ataques cibernéticos orquestrados pela Rússia e agitação civil. A Estónia, aliada da NATO, juntou-se à aliança em 2004.

Analistas de inteligência dizem que diversas agências russas, incluindo o Serviço Federal de Segurança da Rússia e o Serviço de Inteligência Estrangeiro (SVR) da Rússia, estão envolvidas em operações híbridas em toda a Europa Oriental.

A Estónia foi um alvo particular devido à sua grande minoria de língua russa – aproximadamente 25% da população.

O Kremlin também está directamente envolvido na definição das operações de influência russa nos países vizinhos, de acordo com documentos da administração presidencial divulgados no ano passado.

Os documentos, alguns dos quais foram vistos pela CNN, estabelecem uma variedade de objectivos destinados a enfraquecer a orientação ocidental dos Estados Bálticos e da Moldávia.

Em Março do ano passado, a Casa Branca afirmou que “actores russos, alguns com ligações existentes à inteligência russa, estão a tentar organizar e usar protestos na Moldávia como base para indignação”. Levante fabricado Contra o governo da Moldávia.”

Os esforços nos três Estados Bálticos, todos membros da NATO e da União Europeia, têm sido geralmente menos significativos – centrando-se na mudança de opinião através dos meios de comunicação social e do activismo pró-Rússia.

Esta é uma história em desenvolvimento e será atualizada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *