Escavações no local da cidade costeira de São Luís, Brasil, revelaram milhares de artefatos deixados por povos antigos até 9.000 anos atrás.

Arqueólogos descobriram 43 esqueletos humanos e mais de 100.000 artefatos em um local de escavação na cidade costeira de São Luís, no nordeste do Brasil.

Os cientistas há muito debatem quando e como os humanos chegaram e povoaram as Américas vindos da Ásia.

O sítio arqueológico é muito mais antigo do que o mais antigo assentamento “pré-Sambaki” documentado encontrado até agora na área, que remonta a 6.600 anos. As descobertas sugerem que as pessoas colonizaram esta parte do Brasil moderno pelo menos 1.400 anos antes do que se pensava anteriormente.

No entanto, os artefatos foram datados apenas com base em sua profundidade e a análise isotópica confirmatória ainda não foi realizada.

Wellington Lugg, arqueólogo-chefe da escavação, disse que a descoberta poderia “reescrever a história da colonização humana no Brasil”.

O sítio arqueológico foi encontrado quando uma equipe de trabalhadores da construção civil encontrou ossos humanos e fragmentos de cerâmica enquanto planejava construir um novo complexo habitacional na cidade costeira.

Coberto de plantas tropicais e na fronteira com a expansão urbana de São Luís, capital do estado do Maranhão, o terreno de seis hectares (15 acres) era conhecido como Rancho Rosan, em homenagem à filha de um falecido proprietário de terras local.

O arqueólogo Wellington Lugg diz que sua equipe descobriu quatro épocas diferentes de colonização no local no Brasil. Foto: WLage Arqueologia/AFP

Antes de construir um novo prédio de apartamentos, a empresa Wellington Lage, de 70 anos, W Lage Arqueologia, foi nomeada pela grande construtora brasileira MRV para realizar uma pesquisa no local. Ao fazer buscas no local, Lage descobriu que os ossos haviam sido recuperados na década de 1970, e um fragmento de mandíbula humana foi encontrado em 1991.

Lage e a sua equipa rapidamente encontraram muito mais: uma enxurrada de ferramentas de pedra, fragmentos de cerâmica, conchas decoradas e ossos.

READ  A compra estratégica da Telefônica Brasil pela DAVENPORT & Co LLC destaca o potencial de crescimento em comunicações sem fio

Em quatro anos de escavações, eles descobriram 43 esqueletos humanos e mais de 100 mil artefatos, segundo o Instituto Arqueológico Brasileiro. Patrimônio histórico e artístico nacional [IPHAN]Que descreveu a descoberta como “ótima”.

Mesmo depois de quatro anos de escavações, a sua equipa de 27 pessoas, incluindo arqueólogos, químicos, um historiador e um documentarista, “mal arranhou a superfície”, disse Lage. A equipe de pesquisadores planeja catalogar cada um dos artefatos antes de publicar suas descobertas, e os itens recuperados serão exibidos ao público.

Quatro épocas diferentes de ocupação foram encontradas no local

A camada arqueológica superior do sítio contém numerosos artefatos Tupinambá, pertencentes a um dos vários grupos étnicos Tupi que viveram no atual Brasil antes de serem conquistados pelos colonizadores portugueses no início do século XVII.

A equipe descobriu artefatos amazônicos sob a camada superior, seguidos por um “monte de sampaki” composto de ossos, conchas e cerâmica descartada. Sob este monte, a uma profundidade de cerca de 2 metros (6,5 pés), foram encontradas cerâmicas que datam de “8.000 a 9.000 anos atrás”. Esta data anterior é anterior ao monte mais antigo da área, que Lage disse aos repórteres da AFP “data de 6.600 anos”.

“Isso poderia mudar completamente a história não só da região, mas de todo o Brasil”, disse ele à AFP.

O arqueólogo Arkle Bandeira, da Universidade Federal do Maranhão, que está construindo um laboratório e museu para abrigar os artefatos com financiamento da MRV, disse em nota que o local poderá fornecer novos insights valiosos sobre a cultura e a história de povos antigos que desapareceram. .

Foto de capa: Ivan

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *