Enviado: Bangladesh e Brasil vão construir laços econômicos mais fortes no período pós-Covid

O Embaixador Tabajara continua otimista quanto a possíveis parcerias com Bangladesh

O embaixador do Brasil em Bangladesh, João Tabajara de Oliveira Junior, disse que Bangladesh e o Brasil poderiam criar uma aliança mais forte nas áreas comercial e econômica, saindo da atual situação de pandemia “de uma forma mais criativa”.

“Temos que sair desta (situação epidêmica) mais fortes do que antes”, disse ele ao Union National Bank em uma entrevista, acrescentando que os países terão que ser mais criativos na era pós-Covid.

O embaixador Tabajara disse que o governo de Bangladesh continua comprometido com a atual trajetória de saída do grupo de países menos desenvolvidos.

Ele disse que pode haver muitos desafios no campo do comércio após a graduação de Bangladesh e que Bangladesh precisa desenvolver acordos comerciais com diferentes mercados para expandir as exportações além dos mercados tradicionais.

Tabajara disse que o Brasil acredita que Bangladesh e Brasil podem formar uma aliança mais forte, considerando Bangladesh uma grande potência econômica. Ele acrescentou: “Não tem nada a ver com o tamanho do país, o tamanho da economia e o mercado é enorme.”

O embaixador brasileiro disse que vê muito mais espaço para cooperação e que todos podem acessar o mercado uns dos outros naturalmente.

Questionado se havia conseguido mostrar Bangladesh como um novo Brasil, o enviado brasileiro disse acreditar que o faria, apesar da situação da Covid-19.

O embaixador disse que um dos grandes resultados desse trabalho foi a criação da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Bangladesh (BBCCI).

O Brasil é o país mais influente da América do Sul e é uma potência econômica em ascensão, tendo feito grandes avanços nos últimos anos em seus esforços para tirar milhões da pobreza, embora a lacuna entre ricos e pobres continue grande .

READ  O Brasil registrou superávit comercial de US $ 1,5 bilhão em março, menor que o esperado

O Embaixador Tabajara afirmou que “o Brasil, como coração da América Latina, pode ser uma nova frente de comércio e investimentos de Bangladesh”.

Ele disse que a confiança é muito importante para desenvolver essa parceria e que os dois países estão tentando fortalecer o setor privado entre eles.

Em resposta a uma pergunta sobre a questão comercial, o embaixador disse que estão em negociações para amenizar as questões tarifárias para impulsionar o comércio entre os dois países. O volume de comércio bilateral é agora inferior a 2 bilhões de dólares americanos.

Ele acrescentou: “Podemos desenvolver um acordo ou fazer uma tarifa, e isso será ótimo para os dois países.”

O Embaixador Tabajara disse que é preciso criar muitas coisas básicas para que as duas economias possam se beneficiar na era pós-pandemia. Ele disse: “Vamos fazer alguma coisa.”

Bangladesh importa açúcar, trigo e algodão do Brasil e exporta produtos de vestuário, medicamentos, plásticos, louças, fibras têxteis vegetais, produtos de juta e fios artesanais.

Em resposta a uma pergunta sobre cooperação tecnológica, o enviado brasileiro disse que estão na fase final de assinatura de um acordo de cooperação técnica para que os dois países possam iniciar o intercâmbio e a cooperação em todas as áreas que Bangladesh possa ter interesse, como a agricultura. .

Com este acordo, Bangladesh e Brasil podem trazer uma revolução agrícola aqui. Com tecnologias, sistemas e métodos de gestão brasileiros, tudo o que desenvolvemos pode ser aplicado aqui. ”

O Embaixador Tabajara disse que tal cooperação ajudaria Bangladesh a atingir níveis de produção quatro vezes maiores no setor agrícola sem usar novas terras. Ele acrescentou: “Acho que Bangladesh pode reduzir a dependência das importações e pode até exportar mais.”

READ  Você já participou de alguma EDP - Energias do Brasil (BVMF: ENBR3) com um retorno respeitável de 98%?

Sobre a segurança alimentar, o enviado disse que há um grande espaço para o desenvolvimento das relações e a segurança alimentar é uma delas.

floresta amazônica

A exploração da floresta amazônica, a maior parte localizada no Brasil, tem sido uma grande preocupação internacional porque a natureza é um regulador climático vital.

Ao comentar o assunto, o embaixador disse que o Brasil continua muito ativo neste segmento. “O novo governo apresenta uma nova estratégia e estrutura para proteger a Amazônia”, disse ele.

A Amazon é muito rica. Você tem tudo lá. É um paraíso de recursos naturais. Agora existe uma nova força nacional para tratar especificamente dos assuntos da Amazônia composta pela Força Aérea, Marinha e Exército ”, disse o embaixador.

Mais de 1.200 quilômetros quadrados de floresta na Amazônia brasileira foram dizimados nos primeiros quatro meses de 2020, um aumento de 55% em relação ao mesmo período do ano passado, informou a mídia internacional, citando a agência governamental que rastreia a devastação ambiental via satélite.

O embaixador Tabajara disse que o Brasil tem sido um dos países mais ativos nas negociações do acordo sobre mudanças climáticas.

Diplomacia pública

Em resposta a uma pergunta sobre a diplomacia pública, o embaixador disse que tem uma agenda enorme aqui, mas as coisas estão indo devagar devido à situação da Covid-19.

“O Brasil agora tem uma imagem melhor e é mais conhecido do que antes. Temos uma embaixada aqui desde 2010, mas é do conhecimento de todos. Mas agora as pessoas sabem muito bem da nossa existência”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *