Emgepron e Tidewise estão colaborando para desenvolver o primeiro USV “Made in Brazil”.

A primeira embarcação de superfície não tripulada (USV) “made in Brazil” está programada para decolar até 2025.

Brasil Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron) Revelou em fevereiro de 2024 que havia feito parceria com a Tidewise, do Rio de Janeiro, para construir um USV chamado Supressor. pastor Falei recentemente com a Emgepron sobre o ambicioso projeto.

As duas empresas desenvolverão dois tipos diferentes de supressores: uma variante de 7 metros (Suppressor 7) e uma variante de 11 metros (Suppressor 11). A Emgepron se recusou a discutir potenciais clientes, embora a empresa tenha revelado que a Marinha do Brasil (Marinha do Brasil) estava “interessada” no supressor.

L3 Harris construirá um protótipo USV médio

Marinha do Brasil busca soluções “caseiras” para substituir navios retirados de serviço

Espera-se que o Supressor 7 tenha uma distância máxima de 400 milhas náuticas do centro de controle, disse a empresa. pastorLembrando que a plataforma seria “ideal” para lançamento e recuperação dos navios patrulha de 500 toneladas construídos pela Emgepron, bem como das fragatas Tamandare atualmente em construção para a Marinha do Brasil. Também será possível lançar e capturar o Supressor 11 no futuro Fragatas Tamandar.

Qualquer versão do Supressor será adequada para uma série de operações defensivas, incluindo guerra contra minas, contramedidas contra minas, guerra anti-submarina e missões de inteligência, vigilância e reconhecimento.

“Além de procurar alvos subaquáticos, como submarinos ou minas do navio-mãe, o Supressor também pode patrulhar canais de navegação e águas ao redor dos portos a partir da estação de controle terrestre”, explicou Imgebronn. O centro de controle estará localizado em um contêiner de 6m.

O casco será feito de alumínio marinho e funcionará com diesel. A versão básica será equipada com um sonar multifeixe de modelo não divulgado, “mas um sonar de varredura lateral adicional também pode ser acoplado”.

O supressor será capaz de realizar uma série de missões, incluindo a remoção de minas. (Foto: Emgybron)

Imgebron disse pastor Que o Supressor pode transportar plataforma estabilizadora “para lançamento de drones, sistema EO/IR, entre outras opções, dependendo da solicitação do cliente”.

O Supressor 7 terá velocidade máxima de 24 nós e deslocará cinco toneladas, enquanto o Supressor 11 terá velocidade máxima de cerca de 35 nós e deslocará oito toneladas.

Imgebron confirmou que o Suppressor também poderá integrar “comunicações por meio de uma interface de programação de aplicativos (API), para integrar a plataforma a um sistema específico, como uma nave-mãe, bem como para fornecer mais segurança na troca de dados”.

A Emgepron destacou que o projeto USV foi o primeiro do gênero nos mercados de defesa brasileiro e latino-americano. O contrato com a Tidewise, no valor de pouco mais de US$ 4 milhões, prevê que o supressor seja construído até o final de 2025, com entrega prevista para começar em 2026.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *