Crítica Medusa – Uma história do terrível delírio que acompanha a vida no estado policial brasileiro | filme

EUÉ falho e exagerado em termos de roteiro tradicional, mas há um interesse real nesta estranha e interessante psicosátira da artista e diretora carioca Anita Rocha da Silveira; Tem como alvo o patriarcado autoritário conformista de Jair Bolsonaro no Brasil e estreou em Cannes em 2021, enquanto Bolsonaro ainda estava no poder.

Mary (Mary Oliveira) é membro de um grupo de canto cristão evangélico para jovens chamado Michelle and the World Treasures, que (como as Barden Bellas em Pitch Perfect) às vezes brigam quando uma delas faz algum estilo livre não ensaiado; Sua líder, Michelle (Lara Tremorro), é uma garota incrivelmente loira com um canal no YouTube que discute tópicos como “Como tirar a selfie cristã perfeita”.

Estas mulheres exibem-se ao pregador carismático e politicamente ambicioso da sua igreja, que lhes prega todos os domingos, e também ao pelotão de jovens guardas de rua voluntários da igreja que deverão casar com elas. Mas os Tesouros têm um segredo: depois dos ensaios, todos eles usam máscaras assustadoras (como algo do mestre francês Bertrand Bonello) e vagam pelas ruas em busca de jovens andando sozinhas – e, portanto, prostitutas infelizes – e espancam os vivos. Ele tira deles a luz do dia até que prometam aceitar Jesus em suas vidas.

Mary ficou obcecada por uma notória mulher solta chamada Melissa, que resistiu a uma surra justificada e ficou gravemente ferida na briga que se seguiu antes de desaparecer. Ela consegue um emprego em um hospital com enfermaria para pacientes em coma e suspeita que uma dessas figuras enfaixadas seja a lendária Melissa, mas sente que algo estranho está acontecendo. Em seu estado cada vez mais histérico e alucinatório, Mary descobre que o prédio tem uma espécie de porta de Nárnia para uma floresta tropical de sensualidade.

READ  O que aprendemos com o primeiro episódio do documentário Ronaldo

Este é realmente um filme muito estranho, e talvez não tão coerente quanto um roteiro mais rigoroso e retrabalhado poderia ter sido, mas cada um de seus elementos estranhos sugere um delírio crescente – exatamente o tipo de frustração coletiva não reconhecida e brincadeiras que crescem e se espalha. Em um estado policial.

Medusa será lançado no dia 14 de julho nos cinemas do Reino Unido e Irlanda e nas plataformas digitais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *