Cinco anos após o desastre de Brumadinho, investidores devem responsabilizar a Vale

No quinto aniversário do desastre da barragem de Brumadinho, que ceifou 270 vidas no Brasil, a Federação Internacional para os Direitos Humanos juntou-se a uma coligação da sociedade civil que inclui investidores da Vale, a empresa mineira que poderia ter evitado esta tragédia, e que ainda deve conseguir justiça. Pelas vítimas e suas famílias.

25 de janeiro de 2024. No quinto aniversário do desastre da barragem de Brumadinho, a FIDH é uma das 13 organizações da sociedade civil que lançam uma coalizão global para lidar com investidores na Vale, a empresa responsável pelo pior desastre ambiental e industrial do Brasil. Numa mensagem que assinala o acontecimento catastrófico, a ONG apelou aos investidores para que fossem além dos relatórios das empresas e viessem ver a situação por si próprios no terreno.

No dia 25 de janeiro de 2019, a barragem de rejeitos da mina de minério de ferro Córrego do Feijão (9 km a leste de Brumadinho, no estado de Minas Gerais) rompeu, provocando um fluxo de lama que engoliu a sede da mina e arredores e causou a morte de 270 pessoas. pessoas. Trabalhadores. A barragem pertencia à mineradora Vale, que também esteve envolvida no desastre da Barragem de Mariana em 2015.

Cinco anos depois, a Vale ainda não cumpriu o compromisso de reparar os danos causados ​​e de fazer justiça às famílias e comunidades afetadas. Estes últimos vivem num ambiente altamente poluído e temem que outro desastre mineiro possa acontecer a qualquer momento: 27 barragens estão a operar sob protocolos de emergência e duas barragens estão em risco de ruptura.

A FIDH e seus parceiros escreveram aos investidores para reavaliarem seu envolvimento com a Vale à luz de seu papel na tragédia de Brumadinho e para participarem de uma visita ao local na primavera para falar com organizações e representantes locais e ver os impactos de longo prazo da crise. explosão e problemas atuais de mineração evitáveis.

Leia a mensagem completa abaixo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *