Cimeira do Clima: As empresas devem lutar pela inovação

esta segunda-feira, Cúpula do Clima do Brasil na Europa, que faz parte da conferência que acontece em Nova York desde 2022, e é realizada em Paris. O evento tem como foco contar histórias de diferentes indústrias e empresas que construíram negócios sustentáveis ​​e prósperos no Brasil, seguindo as melhores práticas ambientais, sociais e de governança disponíveis.

A Natura&Co, o grupo de beleza e cosméticos que recentemente se comprometeu com uma abordagem mais proativa na sua jornada ambiental, social e de governança, será uma parte importante da conversa. Em entrevista com Relatório brasileiroparceira de mídia da Cúpula Brasileira do Clima na Europa (BCS Europe), Angela Benhati, Diretora de Sustentabilidade da Natura&Co América Latina, nos deu uma prévia de alguns dos insights que ela compartilhará com o público.

O momento não poderia ser melhor, à medida que o grupo começa a passar da sustentabilidade para a regeneração como o espírito do seu negócio – ou como Fórum Econômico Mundial Por outras palavras, “da flexibilidade reativa à renovação proativa”. A declaração oficial foi emitida em dezembro, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP28), no Dubai, mas a mudança já está em curso há algum tempo. Meses antes do grupo ser anunciado Atualizada e o seu Plano de Sustentabilidade, elevando a fasquia nos seus objetivos de descarbonização, desflorestação e diversidade.

“Estamos atualmente em uma fase de transição. Sustentar o mundo como está não é suficiente, mas o que é mais importante do que ter esse sentimento de inconformismo e ajudar as pessoas em tempos de crise, como está acontecendo agora no Rio Grande do Sul. ou a seca que atingiu a região amazónica no ano passado, as empresas devem abraçar os seus objetivos de descarbonização, disse Binahti, acrescentando que as organizações públicas e privadas precisam de avançar no sentido da renovação.

“A urgência de agir nunca existiu”, diz ela, referindo-se à frequência crescente de eventos climáticos extremos.

Seguindo a estratégia de reestruturação eu comecei Em 2022, a empresa também mudará seu foco do global para a América Latina. A Natura & Co desinvestiu em aquisições anteriores, como é o caso da Aesop, marca australiana vendida à L’Oréal por 2,53 mil milhões de dólares, e da The Body Shop, cadeia britânica comprada pelo grupo de private equity Aurelius. Ele Ela O estudo também foi feito Qual a melhor forma de separar as operações da Avon na América Latina da Natura e de outras operações internacionais, com o objetivo de agilizar seus negócios.

READ  Cientistas lançaram um esforço de pesquisa na COP28 para as florestas tropicais do Congo

O novo plano de descarbonização aprovado pela Science Based Targets Initiative (SBTi) visa agora zerar as emissões de Âmbito 1 e 2 (provenientes da energia utilizada na produção e todos os impactos diretos) até 2030 e reduzir as emissões de Âmbito 3 (as provenientes das cadeias de abastecimento e logística). .) em 42 por cento. Para todos os créditos de carbono necessários para neutralizar suas emissões, a Natura & Co. se comprometeu a comprar pelo menos metade deles de projetos de conservação e restauração florestal na floresta amazônica, preferencialmente das comunidades onde opera. O grupo quer ampliar sua área atual de 2 milhões de hectares de floresta permanente para 3 milhões de hectares até o final da década.

“Um exemplo prático [of how the group is moving from sustainability to regeneration] É assim que mudamos completamente a forma como produzimos esse óleo [palm oil] No estado do Pará. “Estamos migrando de monoculturas para sistemas agroflorestais, utilizando 18 espécies nativas para regenerar pastagens e outras áreas degradadas”, explica Benhati.

O projeto segue os padrões da Mesa Redonda sobre Óleo de Palma Sustentável (RSPO) e da União para o Biocomércio Ético (UEBT). Começou há 15 anos com 18 hectares e cresceu para 182 hectares. O grupo pretende ampliar a produção de dendi para 40 mil hectares até 2035 por meio do arrendamento direto de propriedades, parcerias com agricultores familiares ou financiamento aos produtores que já conhecem técnicas agroflorestais e necessitam de apoio financeiro. Um parceiro que faz a ponte entre a Natura e os produtores é a start-up Belterra Agroflorestas.

De acordo com estudos realizados com a Fundação Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Cooperativa Agrícola Mista Tomé-Açu (Camta), o plantio de dendê em sistemas agroflorestais não é apenas uma forma de restaurar terras degradadas, mas aumenta a produtividade em até 50%. Do que fazer isso através da monocultura. Até 2030, o grupo espera ter 100% de duas das principais commodities do seu negócio – óleo de palma e álcool – produzidas através de práticas regenerativas.

READ  Desmatamento na Amazônia brasileira caiu quase 10% em maio

Outro exemplo da nova abordagem regenerativa do grupo é a inauguração de uma fábrica de processamento de óleos essenciais em Santo Antônio de Tawa, também no Pará, em fevereiro, em parceria com a cooperativa local Aprocamp. Desde 2003, a cooperativa fornece plantas como pataquira, estoraque, pripriuca e capitio, entre outras, para a Natura, respondendo por cerca de 70% da matéria-prima dos perfumes da marca originários da floresta amazônica. “Com isso, eles poderão ganhar cerca de 60% mais do que apenas vendendo sementes”, diz Benhati.

Unidade de processamento de óleos essenciais da Natura em Santo Antônio de Toa. Foto de : Nature

A Natura utiliza 44 compostos bioativos da região amazônica em suas formulações e quer ampliar para 55 até 2030, o que também significa aumentar o número de famílias envolvidas em comunidades agrícolas extrativistas, que atualmente ultrapassa 10 mil. Só em 2023, o grupo investiu diretamente cerca de 10 mil. . de R$ 43 milhões (US$ 8,35 milhões) em seus projetos na região de mata atlântica.

O grupo também se comprometeu a beneficiar as condições de vida de mais de 4 milhões de consultoras que comercializam produtos Natura e Avon. “Há dez anos criamos o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) com metodologia inspirada nas Nações Unidas para monitorar o nível de desenvolvimento das nossas consultoras Natura em termos de educação, saúde, renda e outros aspectos, e essas métricas só têm crescido ”, diz Benhati Em 2023, o IDH entre as assessoras da Natura atingiu 0,632%, um aumento de 3,6% em relação à leitura anterior de 2020. Até 2030, o grupo quer aumentar esse valor em 10%, incluindo também mais de 2. milhões de vendedores da Avon na América Latina.

Entre todos os seus objetivos, a Natura&Co também encontrou uma forma de medir o impacto na perspectiva do negócio. A medição integrada de lucros e perdas (IP&L), que será implementada em 2022, permite ao Grupo vincular os seus resultados financeiros aos seus impactos ambientais, sociais e humanos. Em 2023, o grupo afirma ter gerado um retorno líquido de R$ 2,70 em benefícios à sociedade para cada R$ 1 de receita – e no ano passado, o grupo registrou R$ 26,7 bilhões de lucro líquido, um aumento de 3,5% em relação a 2022 em moeda constante.

READ  Gasoduto Nestor Kirchner: Delegação vai ao Brasil para garantir vendas de gás natural

“Isso ajuda a dar clareza à empresa sobre onde ela precisa atacar seus problemas. Isso se encaixa perfeitamente na conversa do BCS Europe, onde falaremos com investidores, que devem estar cientes disso. [metrics when making decisions]”, destaca Benhati. Até o final da década, a Natura & Co espera que o índice P/L atinja R$ 1 a R$ 4.

Mais sobre a Cúpula do Clima do Brasil na Europa

Muito menor do que o evento nos EUA, organizado pela Universidade de Columbia para mais de 500 pessoas no ano passado, a conferência europeia será realizada na Maison de l’Amérique Latine para pouco mais de 100 convidados – e a organização selecionou cuidadosamente os seus participantes. A primeira edição do evento é apenas por convite.

Muitas mãos estão envolvidas na organização do BCS Europe. Os seus organizadores são ex-alunos e atuais estudantes do INSEAD e HEC Paris, duas das principais escolas de negócios da Europa.

A conferência também conta com o apoio da Embaixada do Brasil na França, da Câmara de Comércio Franco-Brasileira (CCIFB), da Câmara de Comércio Brasileira na França (CCBF), da agência brasileira de promoção de exportações ApexBrasil e do Boston Consulting Group (BCG), entre outros. Parceiros estratégicos. Relatório brasileiro É o parceiro de mídia da iniciativa. Para mais informações sobre a programação do evento, visite BCS Europe local na rede Internet.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *