Centro de soja do Brasil perde bilhões em meio à queda dos preços

Mato Grosso, o maior estado produtor de grãos do Brasil, Ele poderia perder Até 53,9 mil milhões de dólares (10,6 mil milhões de dólares) do valor total da produção este ano – um declínio de 26,62 por cento em relação a 2023 – deve-se à redução da produção e dos preços da soja e do milho, de acordo com um relatório do Instituto de Economia Agrícola EMEA.

Conforme mencionado, após a colheita recorde do ano passado que impulsionou o PIB do país além das expectativas do mercado, a produção este ano será menor. De acordo com o último relatório da Agroconsult sobre a produção de soja, isto ocorre porque a produtividade nos principais centros de produção diminuirá acentuadamente como resultado secundário de condições climáticas extremas.

No caso do Mato Grosso, o Imade espera um declínio de 31,11 por cento na produção de soja, para R$ 67,16 bilhões no valor total da produção – o primeiro declínio desde 2013. O declínio esperado para o milho é ainda maior, de 39,31 por cento, no valor total da produção. Subiu de 40,64 bilhões de riais brasileiros no ano passado para 24,67 bilhões de riais brasileiros este ano.

A produção de algodão, pecuária e suínos do estado, excluindo aves, também deverá diminuir.

Desde março do ano passado, o Brasil registou excedentes comerciais recordes devido ao aumento dos volumes de produção que compensaram em grande parte o declínio global dos preços das matérias-primas na sequência do boom pandémico.

Muitos analistas acreditam que a mudança no comércio exterior brasileiro é estrutural. Ou seja, o comportamento superavitário continuará, mas isso não significa que o país não sentirá os efeitos das oscilações globais dos preços.

READ  Autoridade de Supervisão de Valores Mobiliários da China busca cooperação mais estreita com os Estados Unidos

Fabian Zeola Menezes

Fabian, ex-editor-chefe do LABS (Latin American Business Stories), tem mais de 15 anos de experiência em reportagens sobre negócios, finanças, inovação e cidades no Brasil. Este último recentemente a trouxe de volta à sala de aula e fez com que ela fizesse mestrado em Gestão Urbana pela PUCPR. Na TBR, você monitora a política econômica, as empresas revolucionárias e as pessoas que impulsionam a inovação na América Latina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *