Buenos Aires Times | Argentina está perto de ingressar no grupo BRICS

O embaixador em Pequim, Sabino Vaca Narvaga, confirmou na quinta-feira que a Argentina está cada vez mais perto de ingressar no grupo de países do BRICS, já que seu Novo Banco de Desenvolvimento está quase fechado após a viagem sino-russa do presidente Alberto Fernández no início de fevereiro.

Falando em uma videoconferência do grupo BRICS, o enviado leu uma mensagem do presidente Fernández na qual disse que o grupo representava “uma excelente alternativa de cooperação diante de uma ordem mundial que trabalha em benefício de poucos”.

Fontes do governo estão confiantes de que sua entrada no que antes era conhecido como Banco de Desenvolvimento dos BRICS poderá se concretizar nos próximos meses. Eles disseram que o apoio do Brasil foi fundamental para acelerar o processo, com a China e a Índia também apoiando. As posições da Rússia e da África do Sul – os outros membros do bloco – são desconhecidas.

As fontes consultadas confirmaram que a Argentina ingressará no bloco político no próximo ano.

Qualquer movimento desse tipo certamente levantará as sobrancelhas em Washington, onde o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, se opõe veementemente a quaisquer laços mais estreitos com a Rússia após a decisão de invadir a Ucrânia.

Os BRICS estão buscando ampliar sua cooperação com outros países e até consideram a adesão. Liderado pela China, dado seu grande poder econômico, o bloco busca se abrir internacionalmente, não apenas para questões econômicas, mas também para o contexto global criado pela guerra na Ucrânia com a Rússia desempenhando um papel muito importante na diplomacia global.

reunião decisiva

O BRICS foi formado em 2009 como um fórum de cooperação econômica e comercial entre as principais economias emergentes do mundo da época, a fim de resistir às organizações financeiras e comerciais internacionais lideradas por países ocidentais, especialmente os Estados Unidos.

READ  Atualização de juros curtos Banco Santander (Brasil) SA (NYSE: BSBR)

“O BRICS é, sem dúvida, um pool crítico para o desenvolvimento econômico global. Está claro que a estabilidade macroeconômica global e o crescimento econômico passam e passarão cada vez mais por esse grupo de países”, disse o presidente em sua mensagem.

Ele concluiu: “O Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS do qual meu país pode participar é para mim a institucionalização de uma nova ordem mundial centrada no desenvolvimento e longe da especulação financeira que causou tantos danos aos nossos países”.

Na quarta-feira, o chanceler argentino Santiago Cafiero reiterou as ambições do país, declarando que tem “a vontade” de se juntar ao bloco com uma “agenda emergente”.

“Os países do BRICS representam 40 por cento da população mundial e 20 por cento do PIB mundial. A Argentina tem potencial para participar com uma agenda emergente. Essa é a tarefa que nos propusemos no ano passado e o presidente a levantou com Xi Jinping ” Cafiro à Rádio El Destab.

“Para a Argentina, é importante avançar para uma maior coordenação com os países do BRICS”, disse o chanceler.

O ministro revelou que o governo vem trabalhando para atingir a meta desde o ano passado e disse que o grupo BRICS se beneficiaria com “a integração de um país de língua espanhola”.

Fontes diplomáticas disseram à agência de notícias oficial Telam na quinta-feira que o processo de registro foi “longo”, mas que o governo recebeu promessas não oficiais do Brasil, China e Índia.

Em abril passado, o chanceler brasileiro, Paulo Guedes, disse que o governo do presidente Jair Bolsonaro estava pronto para promover a candidatura da Argentina tanto para o grupo BRICS como um todo quanto para o Banco de Desenvolvimento do NDB.

READ  ABPA e ApexBrasil renovam parceria para impulsionar exportações de proteínas

China quer expandir

Falando na quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, declarou que o bloco precisa injetar nova vitalidade na cooperação da organização para enfrentar os novos desafios da situação internacional.

Esses comentários vieram quando o presidente chinês Xi Jinping estendeu um convite especial à Argentina para participar da cúpula do BRICS, que começou ontem e continuará até 24 de junho.

O ministro chinês, que disse que o bloco precisa “mostrar mais abertura e inclusão”, disse o ministro chinês.

O ministro disse que Pequim “propõe iniciar o processo de expansão do BRICS, discutir os critérios e procedimentos para tal expansão e, gradualmente, chegar a um consenso”.

Nessa linha, Cafiero se encontrou com seus colegas, dizendo: “As sucessivas presidências do G-20 de três potências emergentes, Indonésia (2022), Índia (2023) e Brasil (2024), nos proporcionam uma oportunidade imediata de direcionar um novo foco e chamar a atenção do mundo para as necessidades dos países em desenvolvimento”.

Cafiero encontrou-se recentemente com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, onde recebeu seu apoio para a entrada da Argentina no BRICS.

Ele explicou: “Para a Argentina, é importante avançar para uma maior coordenação com os países do BRICS. Por isso agradecemos este convite e nos colocamos à disposição para continuar construindo pontes entre Argentina e BRICS”.

“Somente aumentando a coordenação entre os países em desenvolvimento em fóruns como o G20, a Organização Mundial do Comércio, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional poderemos unificar a agenda onde as economias emergentes devem ser o motor de uma recuperação econômica inclusiva e sustentável. “, destacou o ministro.

– vezes / perville / não

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *